Com judeus na Hungria e Eslováquia

Francisco apela a educação para a fraternidade

| 14 Set 2021

Papa Francisco discursa perante a presidente da Eslováquia. Foto © Vatican Media

 

A denúncia da invocação do nome de Deus para atos desumanos; o alerta para o facto de o anti-semitismo continuar à espreita na Europa e o apelo a uma educação para a fraternidade são os aspetos mais salientes dos dois primeiros dias da viagem apostólica do Papa Francisco, que incluiu a escala de sete horas para encerrar o Congresso Eucarístico Internacional em Budapeste (Hungria) e, desde domingo ao final do dia, a visita pastoral à Eslováquia.

Dirigindo-se nesta segunda-feira, 13, à comunidade judaica na praça Rybné Námestie, em Bratislava, Francisco evocou, em primeiro lugar, a contiguidade da sinagoga com a catedral da Coroação, que existiu durante séculos. Ela “exprimia a coexistência pacífica das duas comunidades (cristã e judaica), símbolo raro e altamente evocativo, estupendo sinal de unidade em nome do Deus dos nossos pais”.

Com a Segunda Guerra Mundial e a “loucura do ódio” dos nazis a ela associado, “o nome de Deus foi desonrado”: mais de cem mil judeus eslovacos foram mortos. Foi desonrado, acrescentou o Papa, “porque a pior blasfémia que lhe pode ser feita é usá-lo para os seus próprios fins, em vez de respeitar e amar os outros”. E prosseguiu no mesmo tom contundente:

“Aqui, perante a história do povo judeu, marcada por esta afronta trágica e indizível, temos vergonha de o admitir: quantas vezes o nome inefável do Altíssimo foi usado para atos indizíveis de desumanidade! Quantos opressores declararam: ‘Deus está connosco’; mas eram eles que não estavam com Deus.”

Embora tivesse acabado de ouvir o testemunho de uma sobrevivente e de uma freira ursulina, evocando os “Justos” que salvaram os judeus durante a perseguição nazi, o Papa quis fazer sua esta memória da Shoah: “No Memorial está escrito em hebraico Zachor (lembra-te!). A memória não pode e não deve ceder ao esquecimento, porque não pode haver um alvorecer duradouro da fraternidade sem antes compartilhar e dissipar as trevas da noite.”

Francisco sublinhou “a vontade de perseverar no caminho da reconciliação e da amizade”, observando: “Aqui, nesta terra eslovaca, uma terra de encontro entre o Oriente e o Ocidente, entre o Norte e o Sul, que a família dos filhos de Israel continue a cultivar esta vocação [de encontro] e seja um sinal de bênção para todas as famílias da terra.”

Alertou, depois, para a necessária vigilância: “Ainda hoje não faltam ídolos vãos e falsos que desonram o nome do Altíssimo. São os do poder e do dinheiro que prevalecem sobre a dignidade humana, da indiferença que desvia o olhar, das manipulações que instrumentalizam a religião fazendo dela uma questão de supremacia ou reduzindo-a à insignificância. Ainda é o esquecimento do passado, a ignorância que justifica tudo, raiva e ódio. Unamo-nos – repito – na condenação de todas as violências, de todas as formas de antissemitismo e no nosso empenho para que a imagem de Deus, em cada criatura humana, não seja profanada.”

No domingo, 12, ainda em Budapeste, num encontro com responsáveis cristãos e judeus húngaros, o Papa apelara a que “dos lábios dos homens de Deus saiam apenas mensagens de abertura e de paz, não de divisão”, pois “num mundo dilacerado por tantos conflitos, este é o melhor testemunho que deve oferecer quem recebeu a graça de conhecer o Deus da aliança e da paz”.

Repetiu o aviso de que o antissemitismo anda por aí, na Europa e noutras paragens. “Este é um fusível que não deve queimar. E a melhor forma de neutralizá-lo é trabalharmos juntos, positivamente, e promover a fraternidade”, disse.

E foi nesse contexto que fez a proposta: “Devemos empenhar-nos em promover juntos uma educação para a fraternidade, a fim de que não prevaleçam os surtos de ódio que a querem destruir.”

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This