Francisco baptizou Miguel Angel no hospital e terá alta neste sábado

e | 31 Mar 2023

Papa Francisco, baptismo

O Papa Francisco a baptizar um menino, de nome Miguel Angel, no Hospital Gemelli, durante a sua permanência ali para tratar uma bronquite. Foto reproduzida do vídeo do Twitter

 

O Papa terá alta hospitalar este sábado, anunciou o porta-voz do Vaticano, num comunicado divulgado sexta, 31 de Março, no qual dá conta da melhoria no estado de saúde de Francisco, internado desde quarta-feira no Hospital Gemelli, em Roma, por causa de uma bronquite aguda.

O regresso “está previsto para o dia de amanhã [1 de abril], na sequência dos resultados dos últimos exames, desta manhã”, refere a nota enviada aos jornalistas pelo diretor da sala de imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, citada pela Ecclesia. A informação adianta que “o dia de ontem [quinta-feira] passou bem, com uma evolução clínica normal”.

“À noite, o Papa Francisco jantou pizza, juntamente com quantos o assistem nestes dias de internamento hospitalar”, acrescenta o comunicado, adiantando que estavam presentes “médicos, enfermeiros, assistentes e o pessoal da Gendarmeria”. Uma pizza-party, chamou-lhe a America, a revista dos jesuítas americanos, que mostra ainda as imagens do Papa a baptizar um bebé que estava também no Gemelli, tendo a criança, de ascendência latino-americana, recebido o nome de Miguel Angel.

Esta manhã, após o pequeno-almoço, “leu alguns jornais e retomou o trabalho”, acrescentava o comunicado, referindo-se ao dia de sexta-feira.

Num segundo esclarecimento aos jornalistas, ao início da tarde, o porta-voz do Vaticano confirmou que, “estando programada a saída do hospital” para sábado, está prevista presença do Papa “na Praça de São Pedro, para a celebração eucarística do Domingo de Ramos, Paixão do Senhor” (2 de abril).

A RTP noticiou, entretanto, que tal facto dependeria das ordens médicas.

No Vaticano são visíveis os preparativos para a missa que dá início à Semana Santa, agendada para as 10h00 horas locais (9h em Lisboa) deste domingo.

O Departamento de Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontífice publicou também nesta sexta-feira o livro da celebração; como tem acontecido nos últimos meses, devido às limitações de mobilidade de Francisco, por causa do problema num joelho, haverá um cardeal que celebra a missa no altar.

O calendário anunciado na última semana pela Santa Sé prevê que o Papa presida, Quinta-feira Santa (6 de abril), à Missa Crismal (09h30) na Basílica do Vaticano. Mas, tal como em anos anteriores, o calendário oficial não adiantava o local escolhido para a Missa da Ceia do Senhor, com o rito do lava-pés, a que Francisco preside habitualmente fora do Vaticano – em 2022, celebrou na prisão de Civitavecchia, arredores de Roma, numa visita privada à cadeia.

Sexta-feira Santa há duas cerimónias: a celebração da Paixão do Senhor, na Basílica do Vaticano, pelas 17h00; e a tradicional Via-Sacra no Coliseu de Roma, a partir das 21h15.

A Vigília Pascal será celebrada na Basílica de São Pedro, pelas 19h30 de sábado. E a Missa de Domingo de Páscoa está marcada para as 10h00, na Praça de São Pedro, antes da bênção urbi et orbi (à cidade [de Roma] e ao mundo).

Na tarde de quarta-feira, o Vaticano informara que o Papa, de 86 anos de idade, se vinha queixando de “dificuldades respiratórias”, situação que o levou fazer exames médicos. [Ver 7MARGENS]

Esta foi a segunda passagem de Francisco pelo 10.º andar do Hospital Universitário Agostino Gemelli, onde já esteve internado de 4 a 14 de julho de 2021, após uma intervenção cirúrgica ao cólon.

Esta instituição de saúde acolheu, em várias ocasiões, ao Papa João Paulo II, a última das quais em 2005, pouco antes da sua morte, a 2 de Abril desse ano.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This