Francisco de Assis, a fecundidade de um Corpo

| 4 Nov 20

A Editorial Franciscana prossegue o seu importante labor de publicação das chamadas Fontes Franciscanas, apresentando-nos agora o seu quarto volume. Depois dos volumes dedicados aos escritos e legendas de São Francisco (volume I), de Santa Clara (volume II) e de Santo António (volume III), o volume agora publicado regressa ao Santo de Assis, com um conjunto de Crónicas sobre os inícios dos Frades Menores e alguns Documentos de fontes externas à Ordem.

Toda a tradição escrita em torno à figura de Francisco de Assis se assemelha mais a um sonho do que a factos jornalísticos – sabendo nós, tanto pela psicologia moderna como pelos estudos bíblicos, que o sonho, o mito, a fábula, a parábola, a narrativa literária, o milagre ou o símbolo nos aproximam bem mais da verdade geradora e criadora do que as cinzentas páginas a preto e branco da moderna historiografia. Mil anos depois, parece que o Evangelho voltou a encarnar, também num tempo – o século XIII – de globalização e de pandemias como o nosso.

Ainda que provendo dados históricos fiáveis para a compreensão da evolução da Ordem Franciscana, as Crónicas agora disponibilizadas em português fornecem sobretudo uma visão teológica da vida de Francisco e dos seus companheiros, à luz da vida da Igreja do seu tempo. Vemos os numerosos milagres associados à passagem de Francisco – na sua vida como já depois da sua Páscoa – como um advento renovado do Messias junto dos mais pobres, débeis e marginalizados; um regresso ao Evangelho, entre a busca da simplicidade e da pobreza mais radicais – a nudez pura de Francisco diante do pai, as pobres capelas restauradas pelas mãos do próprio Poverello – e as dinâmicas próprias de uma Fraternidade em rápida expansão, cujos ministérios da pregação e da penitência pedem o estudo, a estrutura, a diplomacia. Pelo meio, surgem-nos pérolas de uma vida enamorada:

“O procurador dos irmãos, escolhido pelos habitantes, perguntou a Fr. Jordão se queria que lhes construísse um edifício em forma de claustro. Como nunca tinha visto um claustro na Ordem, este respondeu: – Não sei o que é um claustro. Edifiquem-nos simplesmente uma casa perto do rio, para que possamos lá ir e lavar os pés. E assim se fez” (p. 135).

Indicam-nos os primeiros biógrafos de Francisco que a oração ou meditação se dava, com frequência, junto da Natureza. Não será por acaso que a tradição nos oferece a imagem de um Francisco a dialogar e a realizar sinais e prodígios junto dos animais, até chegar à plenitude poética do seu hino Louvado sejas. A par das velhas capelas, da pessoa do pobre – a quem Francisco busca, com todas as suas forças, converter-se – e da Natureza, encontramos a Cruz de Jesus. É aí, onde o Redentor se encontra mais despojado de todos os sinais messiânicos – da coroa de espinhos à túnica sorteada, da ausência dos discípulos à expulsão da Cidade Santa (cf. Carta aos Hebreus 13, 12) – que mais encontrará Francisco as lágrimas que purificarão quer os seus desejos juvenis de diversão, quer as tentações adultas de uma penitência farisaica, distinta da humilde confissão cristã do pecado. Francisco busca a nudez de um encontro com o Crucificado, e por esse encontro não deixará de caminhar toda a sua vida, e de enviar os seus companheiros em missão, dois a dois. Caminhar é um verbo literal: as interpretações dos textos evangélicos e das regras canónicas são um desejo de estabilização.

A presença dos irmãos (frades) mendicantes e itinerantes nos caminhos da Europa medieval faz parte do nosso imaginário coletivo. Muito de humano encontramos nestas Crónicas ou Documentos, numa Igreja medieval que se recentra na figura do papado graças aos processos de globalização que já então se viviam. O Corpo estigmatizado de Francisco, a sua pregação evangelicamente nua, dão lugar a uma fecundidade comunitária que o ultrapassam rapidamente.

Hoje já não é possível cairmos numa ingénua compreensão da história segundo a lógica do paraíso perdido, das origens perfeitas e da sua posterior desvirtuação em nome de uma vida religiosa excessivamente mundana: o que encontramos nestas Crónicas são o relato fiel, porque não apenas historiográfico, de uma aventura humana que se tornou fonte de inspiração para o atual Papa e o seu magistério, com tudo o que de humano contém.

Para lá de uma superficial moralização ou de uma simplificação ingénua, a vida de Francisco pede ao leitor o difícil e fecundo trabalho do encontro com vestígios de uma Presença radicalizante, de uma Mística capaz até de impressionar (ainda que não converter…) papas, imperadores e sultões. O regresso ao essencial é exigente: pede o abandono das distrações, justificações, seguranças, e até das graças:

“[Frei Gil, quarto irmão da Ordem] dizia: Magna gratia est non habere gratiam: é uma grande graça do céu não ter graça nenhuma; e tinha a intenção de se referir não às graças infusas, mas às adquiridas, pois por causa delas, não são poucos os que levam má vida” (p. 409).

 

São Francisco de Assis, Crónicas Franciscanas, Documentos estranhos à Ordem
[Fontes Franciscanas IV].
Edição: Editorial Franciscana, 536 páginas

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Bons espíritos sustentam que a poesia ocidental fala quase exclusivamente de amor e de morte. Não seria, também por isso, de estranhar o tema do poema inédito de Joan Margarit, que poderá ter sido escrito no período em que o autor teve de enfrentar o cancro que o vitimaria.

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Cardeal Tolentino vence Prémio Universidade de Coimbra

O Prémio Universidade de Coimbra foi atribuído ao cardeal José Tolentino Mendonça, anunciou a instituição nesta quinta-feira, 25. O reitor, Amílcar Falcão, referiu-se ao premiado como “uma figura ímpar, uma pessoa de cultura com uma visão social inclusiva.”

Recolha de bens e fundos para Pemba continua em Braga até 31 de março

O Centro Missionário Arquidiocesano de Braga – CMAB decidiu prolongar até 31 de março a campanha para recolha de bens a enviar para Moçambique, onde serão geridos e distribuídos pela Diocese de Pemba, para apoiar “o meio milhão de pessoas deslocadas que fogem das suas aldeias atacadas por um grupo sem rosto.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Prémio para trabalhos académicos sobre templos cristãos

Um prémio no valor de 1.000 euros e uma bolsa de estudo para um estágio de três meses no atelier Meck Architekten (Munique) vai ser atribuído pela Fundação Frate Sole à melhor tese de licenciatura, mestrado ou de doutoramento sobre uma igreja de culto cristão.

Entre margens

Servir: lavar as mãos, lavar os pés, lavar o coração novidade

Depois de alguma leitura, aquela conversa não me saía da cabeça. Lembrei-me do ritual do “Lava pés”, que teve lugar na última ceia de Jesus Cristo, na qual Ele ensinou-nos, entre outras coisas, a partilhar o pão e o vinho (a comida) e a servir (lavou os pés aos seus discípulos). Lembrei-me também de uma tradição ocidental, segundo a qual quando alguém vai à casa de outrem pela primeira vez, a dona de casa deve servir ao visitante o “primeiro copo”. Por ser de “bom tom”, é cortês. E é, porque abre o à vontade ao visitante.

Como o “bicho” mexe com a prática religiosa

A verdade é que um de cada três cristãos praticantes americanos parou de frequentar a igreja com a pandemia, apesar da evidência de que a comunidade de fé exerce um efeito integrativo do ponto de vista social, de estabilização emocional e promove o encorajamento e a esperança dos indivíduos. Curiosamente, as gerações mais novas apresentaram mais dificuldades na substituição das celebrações presenciais pelas online, eventualmente devido a uma maior necessidade gregária.

Direitos Humanos das Pessoas Idosas. Importa-se de repetir?

Todos os textos são incontroversos, lembram que os idosos têm direito a trabalhar ou a ter uma fonte de rendimento, a viver com dignidade e segurança, a poder residir em casa pelo máximo de tempo possível, a formar associações que defendam os seus interesses ou a aceder a programas educacionais próprios; e reafirmam que os mais velhos contribuem para o desenvolvimento das sociedades de que fazem parte (tem o seu quê de irónico, dada a média etária dos “líderes mundiais”).

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This