Francisco, dez anos: tempos de mudança

| 1 Abr 2023

papa francisco encontro sinodal estudantes foto universidade loyola

“A eleição de Jorge Mario Bergoglio chegava na hora certa, para dar um novo impulso e dinamismo à Igreja Católica. Esta eleição, na verdade, vinha repleta de surpresas.” Foto: Universidade Loyola

 

Ocorreu no passado dia treze de março, o décimo aniversário da eleição do Papa Francisco, para ocupar a “cadeira de Pedro”, após o Papa Bento XVI ter abdicado inesperadamente, em 28 de fevereiro de 2013.

Ao longo desta dezena de anos, decorridos a grande velocidade, o Papa Francisco, o 266º Papa de Roma, já deixou profundas marcas no seu pontificado, dignas de serem assinaladas. Na verdade, a Igreja Católica já sofreu nestes anos significativas mudanças e algumas turbulências. Após o pontificado de transição de Bento XVI ter deixado muitos e graves problemas em aberto, a eleição do Papa Francisco logo despertou nos católicos amplas esperanças numa renovação urgente da Igreja, dado que permanecia fechada aos problemas do mundo moderno e da Igreja. Estes iam-se avolumando e não se mostrava nada fácil encontrar vontade nem coragem para os encarar e dar-lhes a devida solução.

Por isso, a eleição de Jorge Mario Bergoglio chegava na hora certa, para dar um novo impulso e dinamismo à Igreja Católica. Esta eleição, na verdade, vinha repleta de surpresas. A primeira consistia em se ter escolhido no conclave, pela primeira vez, um cardeal latino-americano da Argentina que, nas suas palavras “veio de muito longe”. Trata-se do primeiro Papa não europeu e o primeiro jesuíta a chegar à liderança da Igreja Católica. Acrescente-se ainda que foi o primeiro Papa a escolher o nome de Francisco para o seu pontificado, definindo assim a o caminho que queria seguir, inspirado em Francisco de Assis.

Face a todos estes indicadores, logo se percebeu que o novo Papa vinha com ideias algo diferentes dos seus antecessores, querendo imprimir profundas mudanças, numa Igreja fechada sobre si e que ia adiando os seus acutilantes problemas.

Logo de início, para mostrar ao que vinha, Francisco deixou o lugar confortável do Vaticano para se dirigir para fora de Roma, deslocando-se à ilha italiana de Lampedusa, “para chorar os mortos que ninguém chora”.

Em 24 de Maio de 2015, meses antes do Acordo de Paris, escreveu a primeira encíclica papal de sempre dedicada ao “cuidado da casa comum”, a Laudato Si’. E, em 4 de Outubro de 2020, seguiu-se a carta encíclica Fratelli Tutti, sobre a fraternidade e amizade Social. Apesar de algumas limitações físicas, Francisco foi-se deslocando a países onde os cristãos são perseguidos, como o Iraque e o Sudão. Países onde os seus antecessores nunca tinham ido. Viagens que arrastaram multidões para ver e ouvir o Papa Francisco.

Ao mesmo tempo, teve de enfrentar, com toda a coragem, os abusos sexuais que atingiram a maioria dos países católicos. Uma vergonha que o fez chorar e pedir perdão a todas as crianças, vítimas inocentes. Portugal foi um destes países em que uma dedicada e competente Comissão pôs a nu os desmandos dos padres abusadores em todas as dioceses, os quais tantas polémicas têm provocado nos últimos tempos.

Para despertar os católicos para as mudanças, o Papa tem insistido para que as comunidades católicas reflictam sobre os seus problemas, em espírito sinodal. “Um caminhar em conjunto” com os bispos, a fim de se serem encontrados caminhos novos que permitam responder às grandes questões com que hoje a Igreja Católica se debate. Escutar as grandes preocupações de hoje e ver como é que, a partir do património de fé da Igreja, se pode responder a elas. Entre as questões que a Igreja enfrenta, recorde-se a ordenação de mulheres diáconos, o celibato opcional, a bênção dos recasados e casais gays. Francisco não tem fechado as portas à discussão destes polémicos temas.

Só que “fazer reformas em Roma é como limpar a Esfinge do Egipto com uma escova de dentes” brincou Francisco quando o pontificado já tinha cinco anos. Mas, para já, a muito esperada nova Constituição Apostólica, sobre a reforma da Cúria Romana, entrou em vigor em Junho de 2022. Uma mudança de envergadura uma vez que altera o antigo modelo burocrático da Santa Sé. Estabelecem-se agora os dicastérios, para substituir as antigas Congregações que podem ser entregues a “qualquer fiel” e não, como até agora, apenas a cardeais ou arcebispos.

Uma boa tentativa para tornar o governo da Igreja menos monárquico. Segundo alguns analistas, este processo vai permitir maior liberdade e circularidade, dado que os mandatos estão limitados a cinco anos. Tempos de mudança a prometerem mais novidades.

 

Florentino Beirão é professor do ensino secundário. Contacto: florentinobeirao@hotmail.com

 

Judeus na Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo

Estudo revela

Judeus na Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo novidade

O mais recente relatório da Agência da União Europeia para os Direitos Fundamentais (FRA) não deixa margem para dúvidas: o antissemitismo cresceu nos últimos cinco anos e disparou para níveis sem precedentes desde o passado mês de outubro, o que faz com que os judeus a residir na Europa temam pela sua segurança e se sintam muitas vezes obrigados a esconder a sua identidade judaica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras

Contra a obrigação de repetir denúncias

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras novidade

Vários sobreviventes de abusos sexuais no seio da Igreja Católica expressaram, junto da presidência da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), o seu descontentamento quanto ao “método a utilizar para realizar as compensações financeiras”, dado que este obriga todas as vítimas que pretendam obtê-las a repetirem a denúncia que já haviam feito anteriormente.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This