A propósito do Sínodo dos Bispos

Francisco em direto com estudantes africanos

| 31 Out 2022

papa francisco em encontro com estudantes universitarios norte.americanos, foto universidade de loyola

O Papa Francisco participou num encontro com estudantes norte-americanos em fevereiro deste ano. Foto © Universidade de Loyola.

 

O Papa Francisco dialogará esta terça-feira, 1 de novembro, sobre o Sínodo dos Bispos 2021-2024 com um grupo de estudantes universitários africanos. A conversa, que decorrerá online, pode ser seguida em direto no canal de Youtube da Universidade DePaul, que é a organizadora do encontro “Construir Pontes por toda a África: Um Encontro Sinodal entre o Papa Francisco e Estudantes Universitários”.

Subordinado ao tema “Ubuntu: Uma Cultura de Encontro; Todos Pertencemos”, o encontro, organizado em colaboração com a Comissão Pontifícia para a América Latina e sob o patrocínio da Secretaria-Geral do Sínodo, terá início às 13h45 desta terça-feira, e poderá ser seguido em três idiomas: inglês, francês e espanhol.

O “encontro sinodal”, como é apresentado, envolverá três professores africanos, um professor americano e dez estudantes. “Disseram que os jovens têm o poder de abrir as portas do futuro, mas os adultos têm a chave do futuro”, afirmou o secretário-geral do Sínodo, Mario Grech, numa mensagem de vídeo para os participantes (que pode ser vista abaixo). Portanto, “é importante entrar neste diálogo intergeracional”.

Este será o segundo diálogo “virtual” do Papa Francisco com estudantes universitários em 2022, depois de em fevereiro ter participado num evento semelhante com alunos norte-americanos, promovido pela Universidade de Loyola. Os ecos de ambas as conversas deverão ser mais um contributo para o Sínodo dos Bispos.

 

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This