Proximidade às vítimas do terramoto

Francisco envia 10 mil camisolas térmicas para a Turquia

| 16 Fev 2023

deslocados esperam na fila para receber bens de primeira necessidade no sudeste da Turquia, foto © UNICEF/Özgür Ölçer

Grupo de deslocados espera na fila para receber bens de primeira necessidade no sudeste da Turquia. Foto © UNICEF/Özgür Ölçer.

 

Um navio com ajuda humanitária destinada às vítimas do terramoto que assolou a Turquia e a Síria partiu na quarta-feira de Nápoles (Itália) e chega esta sexta-feira, 17 de fevereiro, a Iskenderum (Turquia). Entre os diversos bens doados pelo governo e por organizações não governamentais italianas, estão também dez mil camisolas térmicas oferecidas pelo Papa.

As roupas foram entregues pessoalmente pelo esmoleiro de Francisco, o cardeal Konrad Krajewski, esta terça-feira, naquela cidade do sul de Itália, e destinam-se ao campo de refugiados de Kilis, situado a 50 km da cidade turca de Gaziantep e a 60 Km da cidade síria de Aleppo. Aí chegadas, a distribuição será confiada à Fundação Rava, que tem fornecido alimentos e abrigo a milhares de deslocados.

O campo acolhe cerca de 60 mil pessoas, e muitos outros vivem em campos improvisados ao seu redor. O terramoto veio agravar a situação, com centenas de novas famílias a procurarem abrigo e ajuda no local.

Além das camisolas, o Papa enviou ainda, através do Dicastério para o Serviço da Caridade, ajuda económica à Nunciatura Apostólica na Síria, adianta o Vatican News, sem no entanto divulgar o valor em causa.

Através da Cáritas Internacional, tem sido também assegurada assistência humanitária às populações afetadas pelo terramoto em ambos os países. A organização colocou várias equipas a trabalhar na criação de abrigos para os deslocados e tem distribuído “colchões, cobertores, kits de higiene e cestas básicas” nas cidades e províncias afetadas pelo terramoto, informa a organização católica na sua página online.

papa francisco com embaixador da turquia, 06.02.2023, foto vatican media

“Neste momento de tanta dor, o meu pensamento e a minha oração vão para o nobre povo turco”, escreveu o Papa numa mensagem entregue ao embaixador da Turquia, Ufuk Ulutaş (dta.). Foto © Vatican Media.

 

Esta quinta-feira, 16 de fevereiro, o Papa recebeu no Vaticano o novo embaixador da Turquia, Ufuk Ulutaş, através do qual fez questão de enviar uma mensagem às vítimas do sismo de 6 de fevereiro.

“Neste momento de tanta dor, o meu pensamento e a minha oração vão para o nobre povo turco. Caros irmãos e irmãs, estou próximo de vocês e rezo. Com afeto fraterno, Franciscus”, escreveu, num texto divulgado pela Santa Sé.

Também esta quinta-feira, o Dicastério para as Igrejas Orientais informou que o seu prefeito, o arcebispo Claudio Gugerotti, vai visitar a Síria e a Turquia de 17 a 21 de fevereiro, para expressar “a proximidade do Santo Padre às populações gravemente afetadas” pelo sismo, estando previsto reunir-se com bispos católicos e ortodoxos, líderes muçulmanos, representantes e voluntários da Cáritas e de diversas agências humanitárias.

 

Mais de 1.000 jovens cristãos caminharam pela paz nas ruas de Jerusalém

Via Sacra ecuménica

Mais de 1.000 jovens cristãos caminharam pela paz nas ruas de Jerusalém novidade

A guerra em Israel prossegue e o sentimento de insegurança em Jerusalém cresce. Ainda assim, ou talvez por isso mesmo, a tradicional Via Sacra que ali se realiza anualmente por ocasião da segunda semana da Quaresma não foi cancelada. Na passada sexta-feira, 23 de fevereiro, mais de mil crianças e jovens que frequentam as escolas cristãs da cidade, acompanhados de inúmeros familiares e professores, percorreram as ruas de lenços brancos na mão, pedindo a paz para todo o mundo, e em particular para a Terra Santa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

A propósito das eleições…

A propósito das eleições… novidade

Uma das coisas boas que a revolução de 1974 nos trouxe foi a possibilidade de escolhermos os nossos representantes políticos. Para a geração dos meus pais, a revolução foi um momento intenso. Finalmente chegara a liberdade. Começaram a participar activamente na vida política, viram o fim da guerra colonial e uma descolonização tumultuosa, assistiam com interesse a debates políticos na TV, debatiam ideologias e as propostas de diferentes partidos políticos. [Texto de Marco Oliveira]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This