Mensagem do Papa

Francisco lembra “Páscoa de guerra” que se vive na Ucrânia

| 17 Abr 2022

Papa Francisco saúda a multidão antes da sua benção Urbi et Orbi. Foto © Vatican Media

Papa Francisco saúda a multidão antes da sua benção Urbi et Orbi. Foto © Vatican Media

 

O Papa Francisco fez memória hoje da “Páscoa de guerra” na Ucrânia, falando desde a varanda central da Basílica de São Pedro, antes da bênção ‘Urbi et Orbi’ [à cidade (de Roma) e ao mundo]. “Os nossos olhos estão incrédulos, nesta Páscoa de guerra. Demasiado sangue, vimos; demasiada violência. Também os nossos corações se encheram de medo e angústia, enquanto muitos dos nossos irmãos e irmãs tiveram de se fechar nos subterrâneos para se defender das bombas”, referiu Francisco, na sua mensagem de Páscoa, que assinala a festa mais importante para os cristãos.

A intervenção – transmitida em direto para países dos cinco continentes – citou as “numerosas vítimas ucranianas, os milhões de refugiados e deslocados internos, as famílias divididas, os idosos abandonados, as vidas destroçadas e as cidades arrasadas”. “Não me sai da mente o olhar das crianças que ficaram órfãs e fogem da guerra. Vendo-as, não podemos deixar de nos dar conta do seu grito de sofrimento, juntamente com o de tantas outras crianças que sofrem em todo o mundo: as que morrem de fome ou por falta de cuidados médicos, as que são vítimas de abusos e violências e aquelas a quem foi negado o direito de nascer”, referiu o Santo Padre.

O Papa citou o anúncio pascal do Oriente cristão: “Cristo ressuscitou! Verdadeiramente ressuscitou!”. “Existe ainda em nós o espírito de Caim, que vê Abel não como um irmão, mas como um rival, e pensa como há de eliminá-lo. Temos necessidade do Crucificado ressuscitado para acreditar na vitória do amor, para esperar na reconciliação”, referiu o Papa.

Francisco apontou o dedo ao “o ódio fratricida”, pedindo que todos deixem entrar a paz nas suas vidas. “Haja paz para a martirizada Ucrânia, tão duramente provada pela violência e a destruição da guerra cruel e insensata para a qual foi arrastada. Sobre esta noite terrível de sofrimento e morte, surja depressa uma nova aurora de esperança. Escolha-se a paz”, insistiu.

O Papa apontou a “sinais encorajadores”, que surgiram no conflito, como “as portas abertas de tantas famílias e comunidades que acolhem migrantes e refugiados em toda a Europa”. “Que estes numerosos atos de caridade se tornem uma bênção para as nossas sociedades, por vezes degradadas por tanto egoísmo e individualismo, e contribuam para torná-las acolhedoras com todos”, pediu.

Francisco presidiu hoje à Missa do Domingo de Páscoa, de regresso à Praça de São Pedro, no Vaticano, após dois anos de limitações impostas pela pandemia. “Queridos irmãos e irmãs, cada guerra traz consigo consequências que envolvem toda a humanidade: do luto ao drama dos refugiados, até à crise económica e alimentar de que já se veem os primeiros sintomas. Perante os sinais perdurantes da guerra, bem como diante das muitas e dolorosas derrotas da vida, Cristo, vencedor do pecado, do medo e da morte, exorta-nos a não nos rendermos ao mal e à violência”, disse aos peregrinos reunidos em Roma.

Papa dá a benção Urbi et Orbi a partir da varanda da Basílica de S. Pedro. Foto © Vatican Media

 

O Papa começou a ler a intervenção, de pé, mas acabou por ter necessidade de sentar-se, durante alguns momentos, devido às dificuldades físicas que o têm afetado nos últimos dias. Na sua Mensagem de Páscoa, lembrou ainda mais de uma dezena de conflitos que afetam o mundo, além da guerra na Ucrânia, pedindo maior atenção da comunidade internacional. “Que o conflito na Europa nos torne mais solícitos também perante outras situações de tensão, sofrimento e angústia, que tocam demasiadas regiões do mundo e que não podemos nem queremos esquecer”, referiu Francisco, na Basílica de São Pedro.

A intervenção evocou, em particular, a situação no Médio Oriente, “dilacerado por anos de divisões e conflitos”, e rezou pela paz em Jerusalém entre cristãos, judeus e muçulmanos. “Possam os israelitas, palestinos e todos os habitantes da Cidade Santa, juntamente com os peregrinos, experimentar a beleza da paz, viver em fraternidade e gozar de livre acesso aos Lugares Santos no mútuo respeito pelos direitos de cada um”, disse Francisco.

O Papa falou das crises no Líbano, Síria, Iraque, Líbia, Iémen e Afeganistão, evocando, neste caso, a “dramática crise humanitária que atormenta a população”. “Haja paz para todo o continente africano, a fim de que cessem a exploração de que é vítima e a hemorragia causada pelos ataques terroristas – particularmente na região do Sahel – e encontre apoio concreto na fraternidade dos povos”, prosseguiu.

Francisco citou, em particular, a “grave crise” na Etiópia, a violência na República Democrática do Congo, que irá visitar em julho próximo, e as consequências das “enchentes devastadoras” na África do Sul.

 

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo” novidade

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This