Apelo de Roma pela Paz

Francisco no encontro inter-religioso no Coliseu: “A nossa oração tornou-se um grito”

| 25 Out 2022

papa Francisco e lideres religiosos no encontro de santo egidio 2022 foto Vatican Media (1)

“O clamor pela paz expressa a dor e o horror da guerra, mãe de toda pobreza”, afirmou o Papa Francisco no Coliseu de Roma. Foto © Vatican Media.

 

Porque hoje a paz é gravemente violada, ferida e espezinhada, “a nossa oração tornou-se um ‘grito’”, afirmou o Papa Francisco na oração final do ato de culto realizado no Coliseu, no encerramento do encontro convocado pela Comunidade de Santos Egídio em que participaram três chefes de Estado e alguns dos mais altos representantes das várias religiões. Estes assinaram o “Apelo de Roma pela Paz”, em que se lê: “As religiões são e devem continuar a ser uma grande fonte de paz. A paz é sagrada, a guerra nunca pode ser sagrada!”.

Ao fim da tarde de dia 25 de outubro, o ato de oração protagonizado por diversos líderes de várias religiões concluiu o Encontro Internacional de Diálogo e Oração pela Paz entre as Religiões do Mundo que a Comunidade de Santo Egídio promoveu entre 23 e 25 de outubro. Na sua intercessão, Francisco rezou: “No silêncio da oração, esta noite, ouvimos o clamor pela paz: a paz sufocada em muitas regiões do mundo, humilhada por demasiada violência, negada também às crianças e aos idosos, que não são poupados da terrível dureza da guerra. O clamor pela paz é muitas vezes silenciado não apenas pela retórica da guerra, mas também pela indiferença. É silenciado pelo ódio que cresce enquanto lutam entre si.”

“Mas a invocação da paz não pode ser suprimida – continuou o Papa –, nasce do coração das mães, está escrita nos rostos dos refugiados, das famílias em fuga, dos feridos ou dos moribundos. E este grito silencioso sobe ao céu. Não conhece fórmulas mágicas para sair dos conflitos, mas tem o sacrossanto direito de pedir a paz em nome dos sofrimentos vividos, e merece ser ouvido. Merece que todos, começando pelos governantes, se inclinem para ouvir com seriedade e respeito. O clamor pela paz expressa a dor e o horror da guerra, mãe de toda pobreza.”

Francisco recordou ainda o apelo de São João XXIII em 1962, durante a “crise dos mísseis” que parecia precipitar o mundo na guerra nuclear: “Pedimos a todos os governantes que não permaneçam surdos a este grito de humanidade. Que façam tudo o que estiver ao seu alcance para salvar a paz”, para acrescentar: “Sessenta anos depois, estas palavras soam com uma impressionante relevância. Faço-as minhas. Não somos neutros, mas sim alinhados pela paz. Por isso, invocamos o ius pacis [Direito de Paz] como direito de todos para resolver os conflitos sem recurso à violência”

 

Apelo de Roma: trabalhar pela paz de todas as maneiras possíveis

papa Francisco e lideres religiosos assinam APELO DE ROMA PELA PAZ foto Vatican Media

“As religiões são e devem continuar a ser uma grande fonte de paz. A paz é sagrada, a guerra nunca pode ser sagrada!”, lê-se no documento assinado pelos líderes religiosos. Foto © Vatican Media.

 

Da mesma urgência na construção da paz partilha a declaração final da Assembleia Mundial de líderes das religiões do mundo, “Grito pela Paz”, formada por todos os responsáveis religiosos que participaram nestes dias de encontro promovido pela comunidade de Santo Egídio. Lê-se no “Apelo de Roma pela Paz” que foi lido e assinado no Coliseu: “Estamos diante de uma encruzilhada: ser a geração que deixa morrer o planeta e a humanidade, que acumula e comercializa armas na ilusão de se salvar dos outros, ou então a geração que cria novas formas de convivência, não investe em armas, abole a guerra como instrumento de resolução de conflitos e põe termo à exploração anormal dos recursos do planeta.”

Para além desta constatação dramática, o apelo refere diretamente a responsabilidade dos crentes: “Nós, crentes, devemos trabalhar pela paz de todas as maneiras que nos seja possível. (…) Infelizmente, mesmo entre nós, às vezes dividimo-nos, abusando do santo nome de Deus: pedimos perdão, com humildade e vergonha. As religiões são e devem continuar a ser uma grande fonte de paz. A paz é sagrada, a guerra nunca pode ser sagrada! A humanidade deve acabar com as guerras ou será a guerra que acabará com a humanidade. (…) Vamos reabrir imediatamente um diálogo sério sobre a não proliferação nuclear e o desmantelamento de armas nucleares.”

Pela sua importância, reproduzimos na íntegra o “Apelo de Roma pela Paz” (tradução do 7MARGENS):

 

 

APELO DE ROMA PELA PAZ

“Vamos recomeçar juntos a partir do diálogo que é remédio eficaz para a reconciliação dos povos”, comprometeram-se os representantes das várias religiões presentes no encontro. Foto © Vatican Media.

 

Reunidos em Roma no espírito de Assis, rezámos pela paz, segundo as várias tradições, mas em concordância. Agora nós, representantes das Igrejas Cristãs e das religiões mundiais, voltamo-nos para o mundo e para os líderes dos Estados. Damos voz àqueles que sofrem com a guerra, dos refugiados e das famílias de todas as vítimas e dos caídos. Com firme convicção dizemos: chega de guerra! Vamos parar todos os conflitos. A guerra traz apenas morte e destruição, é uma aventura sem retorno em que todos somos perdedores. Calem-se as armas, declare-se imediatamente um cessar-fogo universal. Ativem-se de imediato negociações capazes de levar a soluções justas para uma paz estável e duradoura, antes que seja tarde demais. Reabra-se o diálogo para cancelar a ameaça de armas nucleares.

Após os horrores e dores da Segunda Guerra Mundial, as Nações puderam reparar as profundas lacerações do conflito e, por meio de um diálogo multilateral, fazer nascer a Organização das Nações Unidas, fruto de uma aspiração que, hoje mais do que nunca, é uma necessidade: a paz. Que não se perca agora a memória do que é a tragédia da guerra, mãe de toda pobreza.

Estamos diante de uma encruzilhada: ser a geração que deixa morrer o planeta e a humanidade, que acumula e comercializa armas, na ilusão de se salvar dos outros, ou então a geração que cria novas formas de convivência, não investe em armas, abole a guerra como instrumento de resolução de conflitos e põe termo à exploração anormal dos recursos do planeta.

Nós, crentes, devemos trabalhar pela paz de todas as maneiras que nos seja possível. É nosso dever ajudar a desarmar os corações e apelar à reconciliação entre os povos. Infelizmente, mesmo entre nós, às vezes dividimo-nos, abusando do santo nome de Deus: pedimos perdão, com humildade e vergonha. As religiões são e devem continuar a ser uma grande fonte de paz. A paz é sagrada, a guerra nunca pode ser sagrada!

A humanidade deve acabar com as guerras ou será a guerra que acabará com a humanidade. O mundo, nossa casa comum, é único e não nos pertence a nós, mas sim às gerações futuras. Portanto, vamos libertá-lo do pesadelo nuclear. Vamos reabrir imediatamente um diálogo sério sobre a não proliferação nuclear e o desmantelamento ase armas nucleares.

Vamos recomeçar juntos a partir do diálogo que é remédio eficaz para a reconciliação dos povos. Invistamos em todas as formas de diálogo. A paz é sempre possível! Não mais a guerra! Nunca mais uns contra os outros!

Roma, 25 de outubro de 2022

[lida e assinada no final da Assembleia Mundial de líderes das religiões do mundo, “Grito pela Paz”]

 

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This