Francisco: o Papa da proximidade, mesmo em quarentena

| 24 Mar 20

Papa Francisco

O Papa Francisco em Roma, em Outubro de 2019 Foto © Arlindo Homem

 

Se viver em quarentena é um enorme desafio para a generalidade das pessoas, como será para o Papa Francisco? Ele, que recusou viver no tradicional apartamento papal do Palácio Apostólico por não querer ficar isolado e optou por ocupar o quarto 201 da Casa de Santa Marta (onde vivem ou pernoitam outros bispos, padres e leigos)? “Estar no meio das pessoas faz-me bem”, disse precisamente há sete anos, no início do seu pontificado, para justificar a polémica decisão. Desde então, multiplicaram-se as atitudes que levaram fiéis, jornalistas e cardeais a apelidá-lo de “Papa da proximidade”, “Papa dos afetos” ou “Papa de todos nós”. Agora que a pandemia de covid-19 o obrigou a permanecer em isolamento social, Francisco tem feito inúmeros esforços para continuar a manifestar essa proximidade que o define. Das missas transmitidas em direto pelos canais do Vaticano e no Youtube às entrevistas dadas por Skype ou telefone, o Papa tem dirigido, todos os dias, palavras de alento aos mais afetados pelo novo coronavírus ou aos que ajudam no combate à doença.

A primeira oração de Francisco pelos doentes de covid-19 foi a 26 de janeiro. Na alocução do Angelus desse domingo, ainda diante de uma Praça de São Pedro repleta, Francisco dirigiu-se a toda comunidade chinesa: “Desejo também estar próximo e rezar pelas pessoas doentes por causa do vírus que se difundiu na China. Que o Senhor acolha os mortos na sua paz, conforte as famílias e sustente o grande empenho da comunidade chinesa, já organizada para combater a epidemia.” Nessa altura, a doença estava circunscrita àquele país asiático e tinha provocado 56 mortos. Passados dois meses, o número de mortes ultrapassa os 15 mil em todo o mundo, dos quais mais de 10 mil só na Europa.

O Papa Francisco está confinado ao Vaticano desde Quarta-feira de Cinzas. Por causa de uma constipação (que muitos especularam ser covid-19), não participou no tradicional retiro de Quaresma da Cúria Romana, no início de março. Poucos dias depois, a 9 de março, o Governo italiano decretou o estado de quarentena para todo o país. Nesse mesmo dia, e em todos os que se seguiram, o Papa Francisco celebrou missa na capela da Casa de Santa Marta, sem fiéis, mas pela primeira vez com transmissão ao vivo através do canal Youtube do Vatican News, possibilitando a qualquer pessoa no mundo, com acesso à Internet, participar nas eucaristias que celebra diariamente às 7h da manhã (6h de Portugal continental). “Nestes dias, oferecerei a missa pelos doentes desta epidemia do coronavírus. E pelos médicos, enfermeiros, voluntários que ajudam muito, familiares, pelos idosos que estão em lares e pelos presos”, afirmou, em jeito de compromisso.

 

Famílias, pessoal médico, presos, voluntários, clero… Ninguém é esquecido

Em todas as suas intervenções, o Papa tem recordado um ou mais grupos de pessoas afetadas pela pandemia. Ainda na eucaristia desta segunda-feira, 23, as primeiras palavras de Francisco foram para as famílias a atravessar dificuldades financeiras devido à pandemia. “Rezemos hoje pelas pessoas que por causa da pandemia estão a começar a ter problemas económicos, porque não podem trabalhar e tudo isso recai sobre a família. Rezemos pelas pessoas que têm esse problema”, disse logo no início da missa.

No dia 19, a sua atenção tinha ido para os presos: “Rezemos hoje pelos irmãos e as irmãs que se encontram na prisão: eles sofrem muito, pela incerteza daquilo que acontecerá dentro da prisão, e também pensando nas suas famílias, como estão, se alguém está doente, se falta alguma coisa. Estejamos hoje próximos dos presos, que sofrem muito neste momento de incerteza e de dor”, pediu.

As habituais catequeses das audiências gerais de quarta-feira e o Angelus de domingo passaram a ser feitos pelo Papa na Biblioteca do Palácio Apostólico e também transmitidos em direto, para evitar que as pessoas se reúnam na Praça de São Pedro, entretanto encerrada. Voluntários, médicos, enfermeiros ou padres, para todos o Papa Francisco tem tido palavras de ânimo e agradecimento nestas intervenções. Aos padres, em particular aos da região da Lombardia (a mais afetada pela epidemia em Itália) elogiou a criatividade: “Pensam em mil maneiras de estar próximos do povo, para que o povo não se sinta abandonado.”

Papa Francisco

O Papa Francisco em Roma, em Outubro de 2019 Foto © Arlindo Homem

 
Recorde de entrevistas e comunhão espiritual

Outra novidade deste período de quarentena do Papa têm sido as entrevistas dadas aos meios de comunicação social por via digital. Em menos de um mês, já falou a dois jornais italianos, La Stampa e La Reppublica, e a um programa de televisão espanhol, Lo de Évole. E também nestas entrevistas tem procurado mostrar a sua proximidade e insistido nessa ideia.

Na entrevista telefónica ao La Repubblica, publicada na quarta-feira, 18 de março, ele sublinhava a necessidade de, durante este período de isolamento, procurar “uma nova forma de nos aproximarmos uns dos outros” numa relação concreta tecida de atenção e de paciência”. 

“Devemos redescobrir a importância dos pequenos gestos, das pequenas atenções a ter com os que nos são próximos, a nossa família, os nossos amigos”, convidava ainda o Papa. “Compreender que a verdadeira riqueza está nas pequenas coisas.” E sublinhava que “certos gestos simples se perdem por vezes no anonimato do quotidiano: os gestos de carinho, de afeto, de compaixão, que são, contudo, decisivos e importantes”. “Um prato de comida quente, uma festa, um abraço, um telefonema…, são gestos familiares e do quotidiano que permitem dar um sentido à vida e estabelecer uma comunhão e uma comunicação entre nós”. E lamentava também que a comunicação que vivemos seja apenas virtual.

No programa espanhol, ao qual falou por videochamada no domingo, 22, confidenciou que é difícil encontrar palavras para aqueles que têm perdido os seus familiares e amigos por causa do novo coronavírus: “A última coisa que eu faria é dizer-lhes algo, mas tento fazer-lhes sentir a minha proximidade.” Francisco aproveitou também para deixar uma mensagem aos empresários: “Mais que despedir, há que acolher e fazer sentir que existe uma sociedade solidária”. E referiu o possível lado positivo da pandemia. “Temo-nos esquecido da comunhão, agora temos tempo para nos encontramos, para nos reencontrarmos”, afirmou. “Pode ser que este seja um dos ganhos que obtenhamos com esta tragédia, recuperar a convivência humana, a proximidade.” Questionado sobre se esta crise do coronavírus seria um “ajuste de contas da natureza”, Francisco concluiu: “Deus perdoa sempre, nós perdoamos de vez em quando, e a natureza nunca. A natureza está a protestar, para que cuidemos dela.”

 

Desafio a todos os cristãos

Francisco tem procurado ainda recordar aos católicos formas alternativas de viver os sacramentos: incentivou os católicos a confessarem-se diretamente a Deus e convidou à comunhão espiritual, numa altura em que diversos países suspenderam as missas com a participação dos fiéis. “Nesta situação de pandemia, na qual nos encontramos a viver mais ou menos isolados, somos convidados a redescobrir e aprofundar o valor da comunhão que une todos os membros da Igreja. Unidos a Cristo, nunca estamos sozinhos, mas formamos um único Corpo, do qual Ele é a Cabeça. É uma união que se alimenta com a oração e também com a comunhão espiritual à Eucaristia, uma prática muito recomendada quando não é possível receber o Sacramento. Isso digo para todos, especialmente para as pessoas que vivem sozinhas”, sublinhou.

Ao longo dos dias, o Papa tem feito também vários apelos à oração. Ficou como um ícone destes dias a imagem de Francisco caminhando a pé pela via del Corso, no centro de Roma. Tradicionalmente uma das mais movimentadas da capital italiana, a rua estava deserta nesse domingo, 15, e o Papa dirigiu-se a pé, como numa curta peregrinação, à igreja de São Marcelo, para rezar diante de um crucifixo que a tradição aponta como tendo salvo a cidade da peste, em 1522. Momentos antes, tinha estado também na Basílica da Santa Maria Maior, onde vai normalmente, antes de iniciar uma viagem.

Já nesta segunda-feira, 23, foi anunciado o adiamento da viagem a Malta, que estava prevista para 31 de maio. Mas o Papa lançou um novo desafio a todos os cristãos, incluindo os de outras confissões que não a católica: o de rezarem juntos, nesta quarta-feira, 25 de março, data em que se assinala a festa da Anunciação do nascimento de Jesus, a oração do Pai-Nosso, ao meio-dia (11h em Portugal).

Dois dias depois, na sexta-feira, 27, pelas 18 horas, Francisco irá assomar ao átrio da Basílica de São Pedro, para dar a bênção Urbi et Orbi (à cidade de Roma e ao mundo). Esta bênção especial, dada habitualmente após a eleição de um novo Papa e no Natal e na Páscoa, possibilitará ainda a indulgência plenária para todos os que assistirem. O cenário será diferente do habitual, pois a Praça de São Pedro estará deserta. Mas haverá certamente milhões de pessoas a ver e a ouvir o Papa, que mais uma vez se fará próximo, qual pároco do mundo inteiro, através das televisões e das redes sociais.

 

(Este texto teve o contributo de José Centeio)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Igreja Católica no Brasil critica decisões de Bolsonaro e diz que “sensato” é ficar em casa novidade

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro incluiu as atividades religiosas na lista das atividades consideradas essenciais e autorizadas a funcionar no país durante o estado de emergência provocado pela pandemia de covid-19. Mas a Igreja Católica reagiu contra o decreto publicado quarta-feira, 26, reiterando os apelos para que todos permaneçam em casa e mantendo a suspensão das celebrações religiosas com presença de fiéis.

Semana Santa sem povo é para evitar o contágio e não a fé, diz responsável do Vaticano novidade

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicou um decreto com as normas a seguir nas celebrações da Semana Santa (que se inicia no Domingo de Ramos e termina no Domingo de Páscoa), dirigido aos países afetados pela pandemia de covid-19 onde estão em vigor medidas de isolamento social. Os bispos e sacerdotes deverão celebrar os ritos sem a participação dos fiéis, evitar as concelebrações, e omitir alguns momentos específicos, nomeadamente o abraço da paz e a procissão do Domingo de Ramos.

Coronavírus nos campos de refugiados Rohingya será “um novo massacre”

Com a chegada da pandemia de covid-19 ao Bangladesh, o líder da comunidade Rohyngia, Mohammad Jubayer, teme que esta alastre no campo de refugiados do sul do país, o maior do mundo, onde vive quase um milhão de pessoas. Será como “um novo massacre, muito maior do que o que aconteceu em 2017”, quando esta minoria muçulmana fugiu da perseguição na Birmânia, alertaram grupos de ativistas, em declarações à AFP.

PAR alerta para tragédia nos campos de refugiados e pede intervenção junto da Grécia

Mais de 40 organizações humanitárias, entre as quais a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) e o Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS), pediram já ao Governo grego que, em coordenação com as instituições europeias, “tome as medidas de saúde públicas necessárias” para proteger “todos os residentes” nos campos de refugiados nas ilhas gregas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Uma experiência de sinodalidade – a Igreja Católica no Terceiro Milénio novidade

Há dias, chamou-me à atenção, no 7MARGENS, um artigo intitulado Um sínodo sobre a sinodalidade para dar eficácia à ideia de participação. Li o artigo com entusiasmo, sobretudo, porque revivi a minha experiência de paroquiana numa igreja da cidade de Lisboa. Foram tempos de Alegria e Graça, os anos de 2000 a 2019, sob a “batuta” do padre e cónego Carlos Paes.

“Jesus chorou” novidade

Esta frase do capítulo 11 do Evangelho de São João (Jo.11,35), faz parte do episódio da ressurreição de Lázaro e remete para o momento em que Jesus se encontra com Maria, irmã de Lázaro.

Oração, cidadania e solidariedade contra a pandemia

Esta sexta-feira, às 17h (hora de Lisboa), o Papa volta a estar em oração a partir do adro da basílica de São Pedro, perante uma praça vazia, naquela que será seguramente uma das imagens mediáticas que registarão este período difícil da humanidade.

Cultura e artes

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

“Louvor da Terra”, um jardim para cuidar

O filósofo sul-coreano (radicado na Alemanha) Byung-Chul Han é já conhecido do público português através da publicação de numerosos dos seus diretos e incisivos ensaios, onde a presença da pessoa numa sociedade híper-digitalizada é refletida e colocada em questão. Agora, em “Louvor da Terra”, possibilita-nos uma abordagem diferente e original, fruto da experiência do autor com o trabalho de jardinagem.

A esperança é uma coisa perigosa

O título deste breve comentário ao filme 1917, de Sam Mendes, é uma frase dita, já quase no final, pelo general Mackenzie quando recebe – desiludido? – a informação para cancelar o ataque programado às linhas alemãs que, aparentemente, se tinham retirado. Afinal, tratava-se de uma cilada…

Sete Partidas

Um refúgio na partida novidade

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco