Consagração da Ucrânia e da Rússia

Francisco: “Perdemos o caminho da paz”

| 23 Mar 2022

Papa Francisco reza na Capelinha das Aparições por ocasião do centenário das Aparições de Fátima. Foto © Arlindo Homem

Papa Francisco reza na Capelinha das Aparições por ocasião do centenário dos acontecimentos de Fátima, em 2017. Foto © Arlindo Homem.

 

“Perdemos o caminho da paz. Esquecemos a lição das tragédias do século passado”, dirá o Papa na oração com que terminará a liturgia da penitência na Basílica de São Pedro na sexta-feira, 25 de março, dia em que consagrará a Ucrânia e a Rússia a Maria.

Na sua oração, que pode ser lida na íntegra no Vatican News, Francisco dirá também: “Nesta hora, a humanidade, exausta e transtornada, está ao pé da cruz convosco. E tem necessidade de se confiar a Vós, de se consagrar a Cristo por vosso intermédio. O povo ucraniano e o povo russo, que Vos veneram com amor, recorrem a Vós (…)”.

A liturgia católica da festa da Anunciação começará às 16h00 de Lisboa e a consagração da Ucrânia e da Rússia a Maria terá lugar por volta das 17h30 (hora de Lisboa).

À mesma hora que, em Roma, Francisco fará a consagração do mundo e especialmente da Ucránia e da Rússia, em Fátima decorrerá no Santuário de Fátima idêntica cerimónia, presidida pelo cardeal polaco Konrad Krajeweski, enviado do Papa.

Na Sé patriarcal de Lisboa, também em simultâneo, será celebrada uma missa, seguida de adoração e terminando com a consagração.

Apesar de a oração só ter sido divulgada nesta quarta-feira, 23, o convite tinha já sido dirigido com antecedência a todos os bispos do mundo católico. Nos Estados Unidos da América, por exemplo, o episcopado, que não costuma ser, em geral, entusiasta das iniciativas do atual Papa, mobilizou-se para a consagração, estando até esta quarta-feira registadas cerimónias de consagração em perto de uma centena de dioceses.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

O aumento da intimidação católica

O aumento da intimidação católica novidade

A intimidação nos meios católicos está a espalhar-se por todos os Estados Unidos da América. No exemplo mais recente, a organização Word on Fire, do bispo de Minnesota, Robert Barron, ameaçou a revista Commonweal e o teólogo Massimo Faggioli por causa de um ensaio de Faggioli, “Será que o Trumpismo vai poupar o Catolicismo?”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This