Após semana de audiências

Francisco “profundamente entristecido” com relatos de indígenas do Canadá

| 1 Abr 2022

papa francisco com representantes de incígenas do canadá, foto vatican media abril 2022

No final da audiência, o Papa afirmou que ficaria feliz por voltar a estar com os representantes dos povos nativos do Canadá quando visitar as suas terras. Foto © Vatican Media.

 

O Papa terminou esta sexta-feira, 1 de abril, uma semana de audiências com representantes dos povos nativos do Canadá, tendo-se manifestado “profundamente entristecido” pelas histórias de sofrimento que alguns deles lhe contaram, relata o Vatican News. “Pela conduta deplorável desses membros da Igreja Católica, peço perdão a Deus e digo-vos de todo o coração: tenho muita pena. Junto-me aos meus irmãos, os bispos canadianos, pedindo o vosso perdão”, disse Francisco aos seus interlocutores.

“É assustador pensar nessa vontade determinada para incutir um sentimento de inferioridade nas pessoas e roubar-lhes a sua identidade cultural”, acrescentou Francisco, que concluiu: “Sem indignação, sem memória histórica e sem compromisso de aprender com os erros do passado, os problemas permanecem sem solução e voltam novamente”.

O Papa referia-se ao facto de, entre 1863 e 1998, mais de 150 mil crianças indígenas terem sido tiradas às suas famílias e internadas nas escolas residenciais onde não tinham permissão para falar a sua língua nativa ou para realizarem quaisquer gestos característicos da sua cultura [ver 7MARGENS]. O internamento nestas instituições que se propunham assimilar à força as crianças autóctones tornou-se obrigatório na década de 1920, passando os pais a enfrentar a ameaça de prisão caso não cumprissem essa obrigação.

Estimativas de várias fontes apontam para que mais de 6.000 crianças tivessem morrido durante o seu internamento forçado e um número muito maior tivesse sido vítima de maus-tratos, abusos sexuais e outras violências. No Canadá, chegaram a existir mais de 130 escolas residenciais financiadas pelo Governo e administradas por autoridades religiosas, sendo a Igreja Católica responsável por cerca de 70 por cento desses estabelecimentos.

Usando da palavra na sexta-feira, o presidente da Conferência Canadiana dos Bispos Católicos (CCCB), Raymond Poisson, salientou o compromisso assumido pelos bispos canadianos: “A nossa história recente está marcada pelo estigma de erros e falhas no amor ao próximo, em particular para com os membros das nações nativas que vivem há séculos no Canadá. Mas o nosso desejo de reconciliação é ainda maior. A nossa presença aqui [nas audiências papais] é um testemunho de nosso compromisso convosco e com cada um de vós”.

No final da audiência, o Papa afirmou que ficaria feliz por voltar a estar novamente com eles quando visitar as suas terras nativas. A viagem papal ao Canadá poderá ocorrer ainda este verão.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This