Em novo livro

Francisco revela: “Tentaram usar-me para Ratzinger não ser eleito Papa”

| 1 Abr 2024

Francisco de visita a Bento XVI, em agosto de 2022, quando do consistório de cardeais. Foto © Vatican Media, via Ecclesia.

Francisco de visita a Bento XVI, em agosto de 2022, durante o consistório de cardeais. Foto © Vatican Media, via Ecclesia

 

Informações inéditas sobre o “delicado conclave” de 2005, em que Bento XVI foi eleito, são reveladas por Francisco no livro O Sucessor, que será publicado esta quarta-feira, 3 de abril, em Espanha. Entre outros detalhes, o atual Papa conta que tentaram usá-lo para bloquear a escolha de Ratzinger, mas que se recusou a colaborar com essa “manobra”… até porque queria que ele fosse o escolhido.

“Ele era o único que poderia ser papa naquela época”, defende Francisco sobre o seu antecessor, num trecho do livro divulgado em antecipação pelo jornal espanhol ABC. Na obra, que resulta de uma entrevista ao jornalista espanhol Javier Martínez-Brocal, o Papa explica que votou no cardeal Ratzinger no conclave de 2005 porque depois do “pontificado dinâmico e muito ativo” de João Paulo II “era necessário um papa que mantivesse um equilíbrio saudável, um papa de transição”.

Ao longo da entrevista – cujo enfoque é a relação de Francisco com Bento XVI – o Papa conta que, nesse conclave, um grupo de cardeais fez uma “manobra completa” ao apresentar o seu nome “para bloquear a eleição de Ratzinger e depois negociar um terceiro candidato diferente”. Francisco diz ter recebido 40 dos 115 votos entre os cardeais eleitores na Capela Sistina – “o suficiente para impedir a candidatura do cardeal Joseph Ratzinger, porque se eles tivessem continuado a votar em mim, ele não teria conseguido alcançar os dois terços necessários para ser eleito papa”, assinala.

Mas, assim que soube da estratégia, após a segunda ou terceira votação no conclave de 18 e 19 de abril, o então cardeal Bergoglio disse ao cardeal colombiano Darío Castrillón Hoyos para “não brincar” com a sua candidatura, avisando que não aceitaria ser papa se o elegessem. “E a partir daí Bento XVI foi eleito”, recorda Francisco.

Salvaguardando que, embora os cardeais jurem não revelar o que acontece num conclave, “os papas estão autorizados a contar”, o atual Papa acrescenta ainda que o grupo de cardeais responsável por lançar o seu nome lhe disse mais tarde que não queria um papa “estrangeiro”. O termo, cujo significado Francisco não explica, havia sido usado por vários média após a eleição de João Paulo II em 1978, ele que foi o primeiro papa não italiano desde 1523.

Certo é que Francisco saiu do conclave de 2005 satisfeito. “O cardeal Ratzinger era o meu candidato”, assume na entrevista a Martínez-Brocal.  “Se tivessem eleito alguém como eu, que faz uma grande bagunça, não teria conseguido fazer nada”, considera. E a prova é que nem Bento XVI teve a vida facilitada. “Foi um homem que seguiu o novo estilo e não foi fácil para ele. Encontrou muita resistência dentro do Vaticano”, afirma.

Depois, questionado sobre o que pensa que o Espírito Santo quis dizer à Igreja Católica através da eleição do Papa Bento XVI, Francisco arrisca uma interpretação: “Aqui estou no comando. Não há espaço para manobras”.

O novo livro, que conta com um prefácio assinado pelo próprio Papa, não tem ainda data anunciada para publicação em Portugal.

 

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This