50 anos de Liberdade no 7MARGENS

Frases das canções de Abril, episódios e protagonistas da resistência crente

| 1 Abr 2024

25Abril, Catarina Castel-Branco, Mendo Castro Henriques

Cartaz 50 anos do 25 de Abril, com desenho de Catarina Castel-Branco e frase de Mendo Castro Henriques, para exposição na Galeria Diferença, a partir de 23 Abril 2024, nos 50 anos do 25 Abril 1974. Imagem cedida pelos autores.

 

Durante este mês de Abril, o 7MARGENS dedicará uma atenção especial aos 50 anos da Revolução de 25 de Abril de 1974. Textos evocativos de episódios, vários deles inéditos, e protagonistas importantes da resistência dos crentes (católicos, protestantes, evangélicos, muçulmanos, judeus, bahá’´ís, etc.) ao regime ditatorial do Estado Novo estarão presentes no nosso jornal.

Testemunhos, estudos, documentos ainda desconhecidos (como por exemplo muitos que se encontram no arquivo da PIDE, a polícia política da ditadura) serão trazidos a lume num conjunto de trabalhos que pretende assinalar os 50 anos da ruptura que instalou em Portugal um regime de liberdade política e que permitiu pôr fim à Guerra Colonial.

Também a rubrica diária “Frase do Dia” será dedicada, durante todo este mês, às letras daquilo que se poderia designar genericamente por “canções de Abril”. Percorrer as canções que ajudaram – e ‘disseram’ – a resistência e o combate pela liberdade, pela democracia, pela justiça social e pelo desenvolvimento do país será o desafio que nos demos e que partilharemos com os leitores.

Leituras da sociedade portuguesa antes de 1974, modos de alimentar a esperança em dias melhores e formas de celebrar a revolução e a festa de 25 de Abril estarão presentes nos fragmentos selecionados nas letras das canções, desse modo evocando também os seus autores e os seus intérpretes.

Como imagem simbólica desta série de trabalhos, o 7MARGENS usa um cartaz da autoria da artista plástica Catarina Castel-Branco, com título de Mendo Castro Henriques – e cuja cedência aqui se agradece. Este trabalho irá integrar uma exposição a inaugurar no dia 23 de Abril, na Galeria Diferença (Rua São Filipe Néri, 42 Cave), em Lisboa), que reúne artistas de diferentes gerações e sensibilidades numa mostra da diversidade artística comemorando o Dia da Liberdade. A lista de artistas com trabalhos na exposição inclui ainda Albertina de Sousa, Albuquerque Mendes, Alice Geirinhas, André Gomes, Artur Medeiros, Bárbara Assis Pacheco, Catarina Gentil, Cristina Ataíde, Diana Policarpo, Fábio Colaço, Francisco Vidal, Graça Pereira Coutinho, Irene Buarque, Isadora Neves Marques, Joana Villaverde, Monteiro Gil, Pedro Calapez, Rodrigo  Oliveira, Rogério Taveira, Rui Calçada Bastos, Susanne Themlitz e Xana.

 

O 7MARGENS vive exclusivamente do apoio dos leitores.
Faça um donativohttps://setemargens.com/apoie-o-7-margens/
Inscreva-se para receber a nossa newsletter: https://bit.ly/3qH8gYv
Sugira a uma pessoa amiga que subscreva a nossa newsletter:
 https://bit.ly/3qH8gYv
Partilhe os nossos textos na sua página de Facebook, Instagram ou Twitter.
Escreva-nos
setemargens@setemargens.com

 

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Em memória das "dez mulheres de Shiraz"

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Quem passar pela pequena zona ajardinada junto ao Centro Nacional Bahá’í, na freguesia lisboeta dos Olivais, vai encontrar dez árvores novas. São jacarandás e ciprestes, mas cada um deles tem nome de mulher e uma missão concreta: mostrar – tal como fizeram as mulheres que lhes deram nome – que a liberdade religiosa é um direito fundamental. Trata-se de uma iniciativa da Junta de Freguesia local, em parceria com a Comunidade Bahá’í, para homenagear as “dez mulheres de Shiraz”, executadas há 40 anos “por se recusarem a renunciar a uma fé que promove os princípios da igualdade de género, unidade, justiça e veracidade”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This