“Fratelli Tutti”: Corajoso apelo

| 29 Out 20

A encíclica Fratelli tutti (FT) que o Papa Francisco acaba de publicar é uma corajosa invocação de S. Francisco de Assis, a lembrar-nos que os valores éticos do cristianismo obrigam a ver os outros como necessário complemento de nós mesmos. Mas como assumimos que todos somos irmãos? Uma leitura atenta deste documento leva-nos ao encadeamento dos grandes temas sobre fraternidade e amizade social – envolvendo as sombras de um mundo fechado, a compreensão de um estranho no caminho, o pensar e o gerar de um mundo aberto, o coração aberto ao mundo inteiro, a política melhor, o diálogo e a amizade social, percursos de um novo encontro e religiões ao serviço da fraternidade do mundo.

“É verdade que uma tragédia global como a pandemia da covid-19 despertou, por algum tempo, a consciência de sermos uma comunidade mundial que viaja no mesmo barco, onde o mal de um prejudica a todos. Recordamo-nos de que ninguém se salva sozinho, que só é possível salvar-nos juntos.” Por isso, “a tempestade – dizia o Papa Francisco em 27 de março último no auge da primeira vaga da pandemia – desmascara a nossa vulnerabilidade e deixa a descoberto as falsas e supérfluas seguranças com que construímos os nossos programas, os nossos projetos, os nossos hábitos e prioridades. Com a tempestade, caiu a maquilhagem dos estereótipos com que mascaramos o nosso ‘eu’ sempre preocupado com a própria imagem; e ficou a descoberto, uma vez mais, esta (abençoada) pertença comum a que não nos podemos subtrair: a pertença como irmãos” (FT, 32). Mas a perplexidade continua. Nada continuamos a saber, mas precisamos de um equilíbrio entre o percurso individual de cada um e as possibilidades da consciência social.

A encíclica Fratelli Tutti, na edição da Paulus Editora

Que reação pode provocar hoje a narração da parábola do bom samaritano, o estranho no meio do caminho, num mundo onde constantemente aparecem e crescem grupos sociais, que se agarram a uma identidade que os separa dos outros? Como pode a antiga parábola impressionar pessoas que tendem a organizar-se de maneira a impedir qualquer presença estranha que possa perturbar a tal identidade e uma organização puramente defensiva? Neste esquema, fica excluída a possibilidade de entendermos o lugar do próximo, “sendo possível apenas ser próximo de quem me permite consolidar os benefícios pessoais. Assim o termo ‘próximo’ perde todo o significado, fazendo sentido apenas a palavra ‘sócio’, aquele que é associado para determinados interesses” (FT, 102).

Paul Ricoeur distingue nesse ponto a solidariedade e o cuidado ou caridade. Se a solidariedade é necessária, não pode reduzir-se a uma mera lógica assistencial. É preciso cuidar. Se as políticas de Segurança Social têm de se aperfeiçoar, a sociedade é chamada a organizar-se para o cuidado de quem está só ou está a ficar para trás.

“O diálogo social autêntico pressupõe a capacidade de respeitar o ponto de vista do outro, aceitando como possível que contenha convicções ou interesses legítimos. A partir da própria identidade, o outro tem algo para dar, e é desejável que aprofunde e exponha a sua posição para que o debate público seja ainda mais completo. Sem dúvida, quando uma pessoa ou um grupo é coerente com o que pensa, adere firmemente a valores e convicções e desenvolve um pensamento, isto irá de uma maneira ou outra beneficiar a sociedade; mas só se verifica realmente na medida em que o referido desenvolvimento se realizar em diálogo e na abertura aos outros. Com efeito, num verdadeiro espírito de diálogo, nutre-se a capacidade de entender o sentido daquilo que o outro diz e faz, embora não se possa assumi-lo como uma convicção própria. Deste modo torna-se possível ser sincero, sem dissimular o que acreditamos, nem deixar de dialogar, procurar pontos de contacto e sobretudo trabalhar e lutar juntos.” (FT, 203).

Numa sociedade pluralista, o diálogo e a troca são o meio mais adequado para reconhecer aquilo que sempre deve ser afirmado e respeitado e que ultrapassa o encontro ou o consenso ocasional. Falamos de um diálogo que precisa de ser fortalecido e iluminado por razões, por argumentos racionais, por uma variedade de leituras, por contribuições de diversos conhecimentos e opiniões, e que inclui a convicção de que é possível chegar a verdades fundamentais que devem e deverão ser defendidas com determinação e respeito mútuo.

Aceitar que há valores permanentes, embora nem sempre seja fácil reconhecê-los, confere solidez e estabilidade a uma ética social. E importa ter em consideração que quando os reconhecemos e assumimos pelo diálogo e pelo consenso, vemos que estes valores basilares estão para além do mero encontro momentâneo. “Reconhecemo-los como valores transcendentes aos nossos contextos e nunca negociáveis.” (FT, 211) Os direitos fundamentais assentam na eminente dignidade humana, de dimensão universal. Neste sentido, o consenso é uma realidade dinâmica –, mas como valor essencial é estável no seu sentido intrínseco.

 

Guilherme d’Oliveira Martins é Administrador Executivo da Fundação Calouste Gulbenkian

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Jovens portugueses recebem símbolos da JMJ

Uma dezena de jovens portugueses estarão no Vaticano, no próximo domingo, 22 de Novembro, dia em que a Igreja Católica celebra a liturgia de Cristo Rei, para receber os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ): a cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani – informou o comité local da JMJ.

Rita Valadas nomeada como nova presidente da Cáritas Portuguesa

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) nomeou neste sábado, 14 de Novembro, uma nova presidente para a Cáritas Portuguesa: Rita Valadas, que já integrou a direcção da instituição num dos últimos mandatos, sucede no cargo a Eugénio Fonseca, anunciou a CEP no final da sua assembleia plenária, que decorreu em Fátima desde quarta-feira.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Como acompanhar A Economia de Francesco

O encontro A Economia de Francesco, que junta em videoconferência cerca de 2000 jovens, entre esta quinta-feira e sábado próximos, pode ser acompanhado no canal YouTube da iniciativa. O encontro começa às 13h (hora de Lisboa), com um curto filme com o título Ouvi o grito dos pobres para transformar a terra, preparado pelo movimento ATD Quarto Mundo.

O Papa mandará condolências pela morte do cardeal acusado de abusos?

Com 30 horas de diferença, entre os dias 15 e 16, morreram dois cardeais idosos e doentes: o equatoriano Eduardo Vela e o polaco Henryk Gulbinowicz. Nesta terça-feira, o Papa Francisco enviou à Igreja e ao povo do Equador um telegrama de condolências, mas até final da tarde do mesmo dia não fizera o mesmo com o antigo bispo polaco de Breslávia (Wroclaw).

Biden aumenta limite de refugiados nos EUA de 15 mil para 125 mil

O Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, anunciou que irá aumentar exponencialmente o número limite de entradas de refugiados no país. Os 15 mil estabelecidos por Donald Trump para o ano de 2021 (que correspondiam ao número mais baixo de sempre) passarão a 125 mil, assegurou Biden numa mensagem de vídeo dirigida ao Serviço Jesuíta para os Refugiados, que assinalou na passada quinta-feira, 12 de novembro, o seu 40º aniversário.

Milhares de católicos manifestaram-se em França pelo regresso das missas

Bordéus, Nantes, Nice, Marselha, Toulouse, Versalhes. Estas foram apenas algumas das cidades francesas nas quais milhares de católicos saíram à rua na manhã deste domingo, 15 de novembro, para protestar contra a suspensão das missas durante o segundo período de confinamento decretado pelo Governo. Nessa mesma tarde, o primeiro ministro, Jean Castex, agendou um encontro com os líderes religiosos para esta segunda-feira, durante o qual informou que as celebrações públicas não serão retomadas antes do dia 1 de dezembro.

Entre margens

Bater o coração com novas músicas de Abril novidade

Sempre sonhei acordada: como seria se eu tivesse nascido e vivido antes do 25 de Abril? O que faria, que personagem era, quem seria eu dentro de um estado onde parte das minhas liberdades, direitos e garantias eram reduzidos ou inexistentes, se não tivesse a liberdade de conversar com quem eu queria, sobre o que queria? Ou ouvir qualquer tipo de música que me agrada e me faz pensar, ler os livros que bem entendo, dar a minha opinião acerca do que me rodeia?

Gonçalo – o jardineiro de Deus

Gonçalo Ribeiro Telles foi um católico inconformista e determinado. Subscreveu em 1959 e 1965 três importantes documentos de católicos em denúncia da ausência de liberdade, da censura, e da repressão, arcando com as consequências de uma tal ousadia. Os textos de 1959 intitulavam-se significativamente: “As relações entre a Igreja e o Estado e a liberdade dos católicos” e “Carta a Salazar sobre os serviços de repressão do regime”; ambos tinham como primeiros subscritores os Padres Abel Varzim e Adriano Botelho.

Ignorância útil

A disciplina de Cidadania e Desenvolvimento está nas escolas portuguesas desde 2018. No entanto, foi há cerca de dois meses que se levantou uma grande polémica em relação à obrigatoriedade da mesma, colocando em causa o papel do Estado na educação de matérias da responsabilidade educativa das famílias, tais como a Educação para os Direitos Humanos, a Educação Rodoviária, a Educação para a Igualdade de Género, a Educação Financeira, entre outras. 

Cultura e artes

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Bonhoeffer, teólogo e resistente ao nazismo

O autor desta obra, escritor e historiador italiano, descreve pormenorizadamente o processo espiritual de um homem religioso do luteranismo alemão, Dietrich Bonhoeffer (1906-1945). Viveu na trágica situação da Europa antes da II Guerra Mundial, a ascensão do nazismo e do racismo anti-semita que colocou como objectivo final o extermínio total dos judeus: cerca de seis milhões de judeus foram massacrados; ciganos sinti e rom – entre 250 a 500 mil, além de muitos milhares de outros homens e mulheres.

O Espírito surpreende-nos

Este livro não tem índice. Não tem nem precisa. Seria redundante. É uma coleção de diários. Todos os dias, de 24 de março a 29 de maio. Um exercício de diálogo com a Palavra, com os acontecimentos do dia – dos mais próximos e pessoais, aos mais longínquos e de todos conhecidos –, com as inquietações, as esperanças e as alegrias de cada dia.

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco