Fraternidade Sem Fronteiras: por onde começar?

| 28 Out 2022

fraternidade, mãos dadas.

Deve-se avançar cada vez mais, pois a construção de um mundo melhor depende muito disso. Mas o caminho será mais consistente e coerente se cada religião for capaz de derrubar as fronteiras que ergue dentro de si mesma. A construção da fraternidade é o instrumento mais forte para as destruir. Foto: Direitos reservados

 

Fui um dos participantes no Congresso Missionário “Fraternidade Sem Fronteiras”, organizado em conjunto pela Conferência Episcopal Portuguesa, a Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal, os Institutos Missionários “Ad Gentes” e as Obras Missionárias Pontifícias. No primeiro dia tive a possibilidade de dialogar com alguns dos presentes que já conhecia, até de outras confissões religiosas; no segundo, apenas pude através do Facebook. Quero felicitar os organizadores pela escolha dos temas, a competência dos palestrantes e de todos os que estavam encarregues da moderação de cada sessão, dos meios técnicos e logísticos. Foi pena que não houvesse um espaço para a colocação de questões por parte dos congressistas. Todavia, compreendo os riscos que se poderiam correr, de atrasos no cumprimento de horários e de intervenções quando algumas pessoas tendem a transformar o que deveriam ser   questionamentos diretos, em pequenas palestras, como, por vezes, acontece.

Confesso que fiquei mais enriquecido com tudo o que escutei, mas muitíssimo inquieto. É que se reavivou uma preocupação que me foi sendo transmitida, sempre com um grande, mas sereno incómodo, como era seu timbre, por esse virtuoso ser humano e cristão, Acácio Catarino, que pôs em destaque o pouco testemunho, senão até o contratestemunho de fraternidade, existente dentro da Igreja Católica, por “fronteiras” que se colocam ao relacionamento humano. Em determinada altura, Acácio Catarino desafiou a que tentássemos sentar à mesma mesa grupos eclesiais com posicionamentos diferentes acerca da Palavra de Deus e do Pensamento Social da Igreja. Depois de várias tentativas, conseguiu-se. Com a sua perseverança foi mantendo estes encontros. Oxalá que se tenham mantido. Mas este grupo estava longe de esgotar os grupos que pensam diferente. O diálogo é um instrumento muito pouco utilizado no relacionamento entre os membros da Igreja Católica. Marginaliza-se do grupo, da paróquia, da diocese, quem não alinha com o pensamento dominante. Afastam-se pessoas por se temer que possam colocar em causa o poder que está concentrado na missão de alguns. Na Igreja Católica abundam grupos, movimentos, associações, fundações…que são atribuídas à força inspiradora do Espírito Santo que opera na diversidade como lembra Paulo na 1.ª Carta que escreve aos Coríntios (cap 12), mas o Espírito é o mesmo, o Senhor é o mesmo e Deus é o mesmo (cfr. 12, 4-6). Pelas rivalidades, concorrências, discordâncias de pensamento, disputas que muitas vezes se instalam entre organizações e pessoas é difícil acreditar que seja a ação do Espírito Santo que esteja a operar em todos. O próprio Papa Francisco tem chamado a atenção para, pelo menos, duas tentações que estão na origem destas divisões: a rejeição de distribuir o poder e a inveja.

Por isso, o capítulo 13 da mesma carta aos Coríntios é a que designamos por “Hino ao amor”, pois só baseados nas orientações que Paulo nos deixa, poderemos quebrar as fronteiras que geram divisões dentro da Igreja. Não se deve desejar uma unicidade, mas uma unidade na diversidade. Que todos tenham direito a ser acolhidos com as suas opiniões e projetos e encontrem espaços de diálogo perseverante, muito apoiado pela Sagrada Escritura e com tempos fortes de oração em conjunto. Gostaria de ver abolidos da Igreja Católica os termos “conservador” e “progressista”, porque o diálogo permanente permitiria relevar tudo aquilo em que não nos dividimos. Bastaria uma cuidada reflexão exegética da Palavra de Deus e a sua adaptação às realidades do nosso tempo.

Talvez nas outras Confissões Religiosas também exista este tipo de problemas. É provável. Por isso, não quero deixar a ideia que se deve parar de percorrer o caminho até agora já feito no diálogo inter-religioso. Pelo contrário, deve-se avançar cada vez mais, pois a construção de um mundo melhor depende muito disso. Mas o caminho será mais consistente e coerente se cada religião for capaz de derrubar as fronteiras que ergue dentro de si mesma.

A construção da fraternidade é o instrumento mais forte para as destruir.

 

Eugénio Fonseca é presidente da Confederação Portuguesa do Voluntariado

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

O cristianismo resiste

O cristianismo resiste novidade

Expomos neste artigo a dispersão das crenças religiosas dos portugueses nos últimos 120 anos, baseados nos censos da população, publicados pelo Instituto Nacional de Estatística no dia 23 de Novembro de 2022.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This