República Democrática do Congo

Freira morre em hospital incendiado por grupo jihadista

| 24 Out 2022

homem armado na repudblica democratica do congo foto international christian concern

Além das vítimas mortais, há neste momento algumas pessoas desaparecidas que terão sido obrigadas pelos atacantes a carregar o que havia sido roubado dos hospitais. Foto © International Christian Concern.

 

Uma freira católica em missão na República Democrática do Congo foi uma das duas vítimas mortais de um ataque ao hospital da aldeia de Maboya, no leste do país, perpetrado na semana passada por um grupo armado ligado ao Estado Islâmico, avançou esta segunda-feira a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS).

O ataque, da responsabilidade de um grupo rebelde que se autodenomina de ADF – Forças Democráticas Aliadas, ocorreu durante a noite de quarta-feira, 19 de outubro, e madrugada do dia seguinte. A unidade hospitalar foi incendiada e a irmã Marie-Sylvie Kavuke Vakatsuraki, da Congregação das Petites Soeurs del la Presentation de Notre Dame au Temple, morreu queimada no seu interior.

“Os rebeldes (…) pilharem tudo quanto encontraram, levaram medicamentos, e, no final, incendiaram o hospital. Dentro, estava uma irmã, uma religiosa médica, em serviço de noite, e acabou por morrer calcinada. Ela e mais um doente”, conta o padre Marcelo Oliveira, administrador principal da província dos Missionários Combonianos na República Democrática do Congo, citado pela AIS.

“Os rebeldes continuaram o seu caminho e incendiaram um outro hospital, um pouco mais ao lado. Tudo isto no território Beni, na aldeia de Maboya, que se encontra a cerca de vinte [quilómetros] da cidade de Butembo e a trinta da cidade de Beni”, acrescenta.

Além das vítimas mortais, há neste momento algumas pessoas desaparecidas que terão sido obrigadas pelos atacantes a carregar o que havia sido roubado dos hospitais. “Várias pessoas desapareceram possivelmente para transportar todos os medicamentos e tudo aquilo que eles pilharam dos hospitais, de algumas farmácias e de algumas lojas”, explica ainda o padre português.

O missionário alerta para a enorme falta de segurança no Congo, “seja nas cidades, mas sobretudo no interior, na parte Este do país, com muitos ataques armados, muitos conflitos tribais e tudo isso com o interesse no subsolo”, afirma, referindo-se ao ouro, diamantes, cobalto, coltan, entre outros recursos naturais que existem no país.

 

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo” novidade

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This