Dia Internacional contra a Violência de Género

Freiras italianas gritam “basta!” à violência contra a mulher

| 25 Nov 2022

freiras salesianas contra a violência de genero_cartaz

“Acreditamos que é fundamental saber prevenir a violência e saber combatê-la também através da denúncia”, afirmam as freiras salesianas a propósito desta campanha.

 

“Sentimos o dever de manifestar abertamente a solidariedade com as mulheres que sofrem todo o tipo de violência.” Quem o diz são as irmãs salesianas Filhas de Maria Auxiliadora, da Província de São João Bosco, em Roma, que pela primeira vez decidiram associar-se pessoalmente a uma campanha de prevenção, a propósito do Dia Internacional Contra a Violência de Género, assinalado esta sexta-feira, 25 de novembro.

“Todos os dias encontramos inúmeras meninas e meninos, em diferentes ambientes educativos: escolas, cursos de formação profissional, oratórios, centros de dia, casas de família, centros juvenis. O nosso trabalho visa ajudar os jovens a desenvolver uma identidade pessoal baseada nos valores humanos e cristãos”, explica a irmã Loredana Locci, citada pela revista Família Cristã italiana.

“Especificamente, procuramos, por um lado, tornar as mulheres conscientes do seu valor, dignidade e potencial e, por outro, fazer com que os meninos cresçam em maior sensibilidade, consciência e respeito. Acompanhando o crescimento emocional, acreditamos que é fundamental saber prevenir a violência e saber combatê-la também através da denúncia”, sublinha a conselheira da Pastoral Juvenil na congregação

As irmãs deram assim a cara pela campanha promovida pela associação VIDES (Voluntariado Internacional para a Mulher, Educação e Desenvolvimento), que se inspira numa frase do Papa Francisco: “Quanta violência existe contra as mulheres. Basta! Ferir uma mulher é ultrajar a Deus, que a partir de uma mulher gerou a humanidade”.

O Vaticano assinalou também a data com a divulgação de um vídeo que recorda a reflexão de Francisco sobre a violência contra as mulheres, feita a 1 de janeiro de 2020. “O renascimento da humanidade começou pela mulher. As mulheres são fontes de vida; e, no entanto, são continuamente ofendidas, espancadas, violentadas, induzidas a se prostituir e a suprimir a vida que trazem no seio. Toda a violência infligida à mulher é profanação de Deus, nascido de uma mulher”, afirmou na altura o Papa, para concluir que, “pelo modo como tratamos o corpo da mulher, vê-se o nosso nível de humanidade.”

No perfil de Twitter do Papa, o dia ficou ainda marcado pela seguinte frase: “A violência exercida contra uma mulher ou a sua exploração não é um simples reato, é um crime que destrói a harmonia, a poesia e a beleza que Deus quis dar ao mundo”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This