Contributos para o Sínodo (9)

Fundação Betânia: Mais solidariedade voluntária e mudar o Direito Canónico

| 15 Jun 2022

Há mudanças que impõem alterações inadiáveis nomeadamente no Código Direito Canónico. E os centros paroquiais devem tornar-se sobretudo espaços de solidariedade em modo de voluntariado. Esta são duas das sugestões da Fundação Betânia, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023. Esse coro imenso de vozes não pode ser silenciado, reduzido, esquecido, maltratado. O Espírito sopra onde quer e os contributos dos grupos que se formaram para ouvir o que o Espírito lhes quis dizer são o fruto maduro da sinodalidade. O 7MARGENS publica alguns desses contributosestando aberto a considerar a publicação de outros que queiram enviar-nos.

Casa de Betânia. Foto: Direitos reservados.

Casa de Betânia. Foto: Direitos reservados.

 

Saudamos o desafio do Papa Francisco que nos oferece a oportunidade de caminhar juntos em sinodalidade, rompendo barreiras e ousando um renovado itinerário para testemunhar uma fé viva, aberta, que difunda a alegria do Evangelho.

O que é que a Igreja nos deu e nos dá de bom e de positivo, de tal modo que, apesar de tanto pecado, nos seduz, nos mantém fiéis a ela, assumindo o passado e sonhando o futuro?

Constatamos uma grande diversidade de experiências vividas nas respetivas famílias e comunidades de origem, desde os que nasceram em famílias de batizados, com ligações ou não à Igreja, aos que têm origem em famílias agnósticas. Algumas pessoas expressaram ainda a sua perceção de que existem duas igrejas: a ritualista e a da fé e que há mais cristãos de coração do que pessoas que se assumem como tal.

Os percursos de vida são diversificados, mas o desejo de crescer na fé e/ou estabelecer laços mais fortes com a Igreja foi frequentemente motivado quer por testemunhos marcantes de outros cristãos (padres ou leigos); quer pela vivência de situações pessoais dolorosas; quer através do compromisso com movimentos e organizações que contribuíram para o despertar, ou o aprofundamento da fé. A todos move o desejo de conhecer e viver experiências que deem sentido à vida e permitam que a fé se traduza também em ações, designadamente no que se refere ao cuidado e à solidariedade.

Relativamente às experiências “menos felizes” com a Igreja ou com os cristãos, defendemos que é necessário sarar as feridas e não ficar apegado a elas. Contudo, tais feridas têm origem em questões eclesiais sistémicas e requerem alterações muito profundas nas estruturas, mentalidades, hábitos e métodos de decisão até hoje correntes na Igreja, sob pena de continuarem a produzir-se, a maltratar e a excluir pessoas.

O que nos parece prioritário alterar, na Igreja, para que possa falar às mulheres e aos homens do século XXI?

Neste aspeto, ressalta o nosso apelo à mudança: das estruturas da Igreja, que se deseja acentuem a sua missão de serviço, acolhimento e escuta, sobretudo daqueles a quem a Igreja tem impedido o acesso à mesa do Senhor, nomeadamente os casais recasados e as pessoas LGBT; da comunicação através de uma linguagem não clerical e adequada aos nossos dias; das atitudes do clero e da hierarquia no sentido de uma maior simplicidade e coerência para que a transmissão da mensagem de Cristo não esteja divorciada do mundo, garantindo a intervenção democrática de todos os batizados na tomada de decisões no interior da Igreja e fomentando a plena participação dos leigos na preparação e no desenrolar das celebrações.

Importa ter presente que os ritos devem ter uma qualidade de comunicação clara e adequada à vida atual. Contudo, alguns gestos, vestes, rituais, etc., de difícil descodificação dificultam o diálogo entre crentes e não-crentes que deve ser marcado pela simplicidade e coerência.

Assume particular preocupação a interação com os jovens: ao nível da sua participação nos organismos em que se integram; quanto à promoção de temas que os mobilizem durante o seu período de formação, nomeadamente na catequese; bem como no que respeita ao cuidado com a linguagem adequada ao tempo atual.

Reconhecendo o trabalho que já vem sendo realizado ao serviço dos mais vulneráveis, (pobres, sem-abrigo, idosos, doentes, deficientes, migrantes, órfãos, etc.) consideramos que é necessário um maior envolvimento da Igreja na liderança pelo exemplo, no cuidado e na presença fraterna junto das periferias. Porém, não se trata apenas de cuidar de modo assistencialista dos “descartáveis” que vivem nas periferias.  O desafio a que as nossas comunidades são chamadas a responder vai mais longe: trata-se de se converterem a um novo modo de vida que tenha os mais pobres como centro. É, por isso, urgente conferir-lhes visibilidade e protagonismo no interior da comunidade.

Do mesmo modo, a resposta à [encíclica do Papa Francisco] Laudato si’ não é apenas pessoal, deve favorecer a reflexão sinodal sobre quais as opções que cada comunidade decide assumir para que a vida coletiva favoreça a sustentabilidade da Casa Comum.

Todas estas mudanças implicam também a alteração dos processos de formação inicial e permanente do clero, bem como uma renovada atenção à formação dos religiosos, religiosas e leigos no sentido de favorecer, a todos os níveis e em todas as estruturas, o florescimento de uma Igreja sinodal de proximidade e de escuta.

Quais são as ações concretas, exequíveis e transformadoras, que podemos assumir como sinais da mensagem de Jesus para o nosso tempo?

Temos consciência de que as mudanças que propomos, bem como a atual realidade eclesial, impõem alterações inadiáveis em vários documentos da Igreja, nomeadamente no Código Direito Canónico.

Quer individualmente, quer institucionalmente devemos assumir atitudes que, pela simplicidade autenticidade e clareza sejam sinais transformadores na vida na Igreja, já que algumas das atividades que a Igreja desenvolve podem ser feitas de maneira diferente, mais harmonizadas com as realidades e exigências do mundo atual.

As iniciativas que privilegiam os mais frágeis (pobres, sem-abrigo, idosos, doentes, deficientes, migrantes, órfãos, etc.) devem continuar a merecer o empenho dos cristãos, em todas as instâncias, apesar das dificuldades de criar/integrar equipas e conciliar a vida familiar, a profissional e o voluntariado.

Pensamos que a configuração territorial das paróquias deve ser revista e adequada às novas realidades demográficas e os centros paroquiais devem tornar-se espaços de solidariedade em modo de voluntariado.

Importa que nas estruturas de participação laical, cuja criação ou reforço foi incentivado pelo Vaticano II, os leigos sejam chamados a decidir democraticamente sobre as prioridades das suas comunidades paroquiais, diocesanas e outras. Igualmente relevante na vivência da sinodalidade, é a continuada escuta do Espírito para percebermos que novas estruturas e lugares de participação de todos os batizados deve a Igreja criar para que a sua vida interna permita transmitir a imagem de “vede como eles se amam”, marca do seu modo de ser centrado no exemplo de Jesus Cristo.

Tendo em vista contribuir para uma mútua compreensão, respeito e colaboração, deve encorajar-se o estudo das religiões e a formação de pessoas dedicadas ao diálogo inter-religioso.

A ação ministerial deve ser um objetivo mobilizador para todos os crentes, como um serviço à comunidade.

As associações de fiéis, de caráter profissional, devem ser incentivadas a tomar posição em questões de natureza política, social, ética, de objeção de consciência, etc.

A diversidade de iniciativas e a complexidade dos variados modos de estar na Igreja devem ser valorizadas, não excluindo, antes integrando e aceitando a diferença inserindo-se harmoniosamente ao nível cultural. Assim, devemos levantar todas as barreiras ao celibato facultativo dos ordenados, à ordenação das mulheres, à participação eclesial dos casais recasados e das pessoas LGBT e outras que localmente se estabeleçam.

O objetivo desta caminhada não se esgota nem nesta etapa nem em outubro de 2023. Vamos continuar o caminho da sinodalidade para que a comunhão seja testemunhada, a participação cresça e a missão possa ser fortalecida.

Amigos/as da Fundação Betânia

 

Judeus da Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo

Estudo revela

Judeus da Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo novidade

O mais recente relatório da Agência da União Europeia para os Direitos Fundamentais (FRA) não deixa margem para dúvidas: o antissemitismo cresceu nos últimos cinco anos e disparou para níveis sem precedentes desde o passado mês de outubro, o que faz com que os judeus a residir na Europa temam pela sua segurança e se sintam muitas vezes obrigados a esconder a sua identidade judaica.

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras

Contra a obrigação de repetir denúncias

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras novidade

Vários sobreviventes de abusos sexuais no seio da Igreja Católica expressaram, junto da presidência da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), o seu descontentamento quanto ao “método a utilizar para realizar as compensações financeiras”, dado que este obriga todas as vítimas que pretendam obtê-las a repetirem a denúncia que já haviam feito anteriormente.

Cuidar do outro com humanidade

Cuidar do outro com humanidade novidade

A geração nascida em meados do século passado foi ensinada a respeitar os mais velhos, a escutá-los e seguir os seus ensinamentos, dada a sua condição de anciãos e, por tal, sabedores daquilo que é melhor para a família, para cada comunidade e para a sociedade em geral. Era assim que se preparavam as novas gerações para aprenderem a respeitar o outro, os seus pais, irmãos e avós, cuidando deles e uns dos outros, desde a nascença até à morte. [Texto de Caseiro Marques]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This