Apoio ao desenvolvimento

Fundos europeus obrigam Estados a respeitar direitos humanos

| 21 Ago 21

União Europeia. Banco Central Europeu. Frankfurt

“Nem um euro de ajuda ao desenvolvimento pode ir para um regime que nega às mulheres e meninas as liberdades fundamentais e o direito à educação e a uma carreira”, afirmou a Presidente da Comissão Europeia. Foto © António Marujo.

 

Os mil milhões de euros de fundos da União Europeia (UE) “destinados à ajuda ao desenvolvimento nos próximos sete anos estão vinculados a condições estritas que os países destinatários têm de cumprir: respeito pelos direitos humanos, bom tratamento das minorias e respeito pelos direitos das mulheres e raparigas, só para citar algumas”, afirmou este sábado, 21 de agosto, a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

As declarações podem ser lidas no discurso reproduzido na página oficial da Comissão Europeia e foram proferidas por von der Leyen na Base Aérea de Torrejón (Espanha), quando visitava o centro de acolhimento do pessoal da Delegação da UE no Afeganistão e suas famílias, recém-evacuados.

Referindo-se concretamente à atual situação no Afeganistão, a Presidente da Comissão Europeia especificou: “Nem um euro de ajuda ao desenvolvimento pode ir para um regime que nega às mulheres e meninas as liberdades fundamentais e o direito à educação e a uma carreira. Podemos ouvir as palavras dos Talibãs, mas só daremos crédito aos seus atos e ações.”

“Precisamos de ajudar, é nossa responsabilidade moral”, continuou Ursula von der Leyen, “e não só ajudar os afegãos que chegam aqui a Espanha, mas também aqueles que permanecem no Afeganistão”. E assegurou: “a União Europeia está firmemente empenhada em continuar a apoiar as ONG que operam naquele país.”

 

Nós somos porque eles foram. E nós seremos nos que vierem a ser.

Nós somos porque eles foram. E nós seremos nos que vierem a ser. novidade

A homenagem aos que perderam as suas vidas nesta pandemia é uma forma de reconhecermos que não foram só os seus dias que foram precoce e abruptamente reduzidos, mas também que todos nós, os sobreviventes, perdemos neles um património imenso e insubstituível. Só não o perderemos totalmente se procurarmos valorizá-lo, de formas mais ou menos simbólicas como é o caso da Jornada da Memória e da Esperança deste fim-de-semana, mas também na reflexão sobre as nossas próprias vidas e as das gerações que nos sucederão.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Parlamento aprovou voto de solidariedade com vítimas da pandemia e iniciativa cidadã

Jornada da Memória e da Esperança

Parlamento aprovou voto de solidariedade com vítimas da pandemia e iniciativa cidadã novidade

A Assembleia da República (AR) manifestou o seu apreço pela Jornada de Memória e Esperança, que decorre neste fim-de-semana em todo o país, através de um voto de solidariedade com as vítimas de covid-19 e com as pessoas afectadas pela pandemia, bem como com todos os que ajudaram no seu combate, com destaque para os profissionais de saúde.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This