Na morte de Jean Vanier – Amigo, companheiro, profeta (um testemunho)

| 16 Mai 19 | Destaques, Espiritualidades, Espiritualidades - homepage, Newsletter, Últimas

Jean Vanier foi para todos nós um amigo, um companheiro realista e um profeta do humano.

(Padre António Martins)

Jena Vanier durante uma refeição numa das casas d’A Arca. Foto reproduzida da página https://www.larche.org/web/jeanvanier/home.

 

Recordamos com alguma tristeza, mas também de forma agradecida, Jean Vanier, este grande mestre e homem da Igreja que morreu a 7 de Maio, com 90 anos, e cujo funeral será esta quinta-feira, 16, em Trosly, França (a cerimónia será transmitida em directo na página internet da televisão KTO; no Santuário de Fátima haverá uma celebração eucarística às 12h30, na Capelinha das Aparições).

É grande a saudade que nos fica com a partida do Jean, fundador das comunidades d’A Arca e do Movimento Fé e Luz, que promovem a integração de pessoas com deficiência na Igreja.

Maior ainda é a gratidão pelo tesouro que nos deixa e cuja herança recebemos. Herdamos a alegria do encontro e da partilha com os mais pequeninos. Herdamos a relação e a amizade com as pessoas com deficiência. Herdamos e partilhamos a experiência da “Comunidade [com]o lugar do perdão e da festa”[1].Herdamos o seu anúncio profético, escrevendo com palavras dos nossos dias que “cada pessoa é uma história sagrada”[2].

Nestes dias tanto e tantos escrevem e nos falam de Jean Vanier. Falam da sua vida fecunda atravessada por diversas carreiras, de sucesso profissional e social até 1964. Impossível conhecer Jean sem percorrer passo a passo a sua história pessoal. Escreveram-se palavras fortes que ilustram a sua presença no mundo e na Igreja, reconhecendo a sua sabedoria, o fundamentado conhecimento filosófico e teológico, a sua dimensão social e multicultural.

Mas, sabendo que está tudo dito, fica uma pobre palavra ainda por dizer. Palavra minha provocada pela sua mensagem, no cruzar do Evangelho com os mais frágeis e mais pequeninos.

Aprendi com o Jean: “as pessoas que o mundo considera inúteis servindo só para encher instituições – as que são consideradas como um fardo e um problema financeiro, são na realidade nascentes de luz e de vida. Transformam-nos em profundidade”. É a revolução copernicana, como lhe chamou Le Figaro.

Encantei-me com a sua forma de contar a cada um de nós, a mim ouvinte e a mim leitora, as histórias dos seus amigos improváveis, tantas e tantos com quem foi crescendo e reconstruindo a sua vida. Escolha a escolha, larga o sucesso e deixa-se atrair por pessoas abandonadas, rejeitadas, excluídas e escondidas. Tocam-no particularmente grandes grupos de pessoas fechadas em asilos, e grandes instituições com doentes mentais e pessoas com deficiência intelectual. Atento à solidão e à necessidade de pertença, descobre a cura pela travessia “da exclusão para a inclusão”que é também o “caminho para a liberdadee o perdão”; com estes temas, em 1997, publica o livro “Becoming Human”[3].

Atento ao “grito do pobre, grito de Deus[4]”, Jean dá a sua voz e clama alto que se ouve um grito[5] estridente ou mudo de quem está na angústia da total solidão, o silêncio do mais pequenino, do mais só que o atrai para Cristo.

 

“A comunhão com a pessoa humilhada abre-me ao infinito”

Jean Vanier em Taizé, em Agosto de 2015. Foto © Filipe Teixeira

 

Na troca de correspondência com Julia Kristeva[6], escreve Jean Vanier: “A evolução do olhar da Igreja e da humanidade é muito lenta. Começamos por rejeitar quem é diferente; algum tempo depois queremos cuidar dos «pobres», garantir alojamento e alimentação. Depois, ajudamo-los a desenvolverem-se, a trabalhar, a ter autonomia. (…) A quem se ocupa deles revelam então a bondade de Deus e de cada pessoa humana. Descobrimos, pouco a pouco que as pessoas com deficiência têm o dom de nos ajudar a entrar num mundo de relação, feito de comunhão, que conduz a uma transformação do nosso coração”.

Referindo-se à sua experiência de longos anos de vida com pessoas com deficiência, Jean Vanier testemunha o muito que nos ensinam e revelam, se as acolhermos[7]: “A comunhão com a pessoa humilhada abre-me ao infinito, faz-me tocar o que é maior que eu e o outro. A comunhão jorra do que está para além da ‘normalização’. Constitui mesmo uma experiência ‘anormal’, fora de todas as normas, é puramente pessoal e única. Donde vem este poder transformador duma tal comunhão? Ela faz-me descobrir que sou amado a um nível muito mais elevado que todos os muros que erigi para me defender, para ser reconhecido e para parecer forte. Experimento então aquilo que é essencial da minha pessoa e que me abre à comunhão trinitária.”

Conheci pessoalmente o Jean num retiro com as suas meditações sobre o Evangelho de S. João, em 2012. Recordo: era o mês de Novembro, na pequena capela de La Ferme, em Trosly-Breuil. Jean abria o seu coração com a palavra de S. João e servia a “Jesus Vulnerável[8].

O seu fascínio e a sua arte era falar de coração a coração, não para um grupo, uma assembleia ou uma multidão, mas como sendo só para mim, e também só para ti leitor, porque podes lê-lo ou mesmo ouvi-lo. Das suas palavras decorria uma serenidade forte e tranquila de um homem que tornava próxima a mensagem de Jesus. A presença evocada de cada amigo frágil era uma presença de Jesus vivo, um dom e uma graça próxima, real e eficaz aceite como sacramento.

Concluo com algumas palavras de Marie-Hélène Mathieu[9], que com ele fundou o Movimento Fé e Luz, que congrega famílias de pessoas com deficiência: «Para Jean Vanier cada um era um ser único chamado a uma missão única.» E refere, como o legado do Jean para nós hoje: Jean Vanier chama-nos a dar a mão a uma pessoa frágil: ao vizinho que perdeu a vista, a uma avó com Alzheimer, aos pais do bebé que se descobriu, ainda antes de nascer, que tinha uma deficiência…Jean, que foi acolhido na feliz companhia dos seus pobres, recorda-nos a mensagem essencial do Evangelho, é o próprio Jesus que acolhemos em cada uma das pessoas fracas.”

 

Informação e contactos: Serviço Pastoral a Pessoas com Deficiência; sppd.portugal@gmail.com

Notas

[1] La Communauté-Lieu du Pardon et de la Fête – Ed abrégée et illustrée, ed. Mame, Paris. 2017 (Há uma edição portuguesa das Paulinas, praticamente esgotada)

[2]Toute Personne est une histoire Sacrée, Ed. Plon, 1994

[3] Verdadeiramente Humanos, Principia Editora, Cascais, 2018

[4] Cri du Pauvre, Cri de Dieu – Méditation sur l’Esprit Saint, Éditions Salvator, Paris, 2016

[5] Cf. Un Cri se fait Entendre – Mon chemin vers la paix, ed. Bayard, 2017.

[6] Leur Regard perce nos Ombres – Échanges, ed. Librairie Arthème Frayard, 2011.Pág.82.

[7] Les Signes du temps à la lumière de Vatican II, ed. Albin Michel, 2012

[8] Jésus Vulnérable, Éditions Salvator, Paris, 2015. Edição portuguesa: Jesus Vulnerável, ed. AO.

[9] https://fr.aleteia.org/2019/05/10/marie-helene-mathieu-pour-jean-vanier-chacun-etait-un-etre-unique-appele-a-une-mission-unique

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Cordão humano pelo direito a horários dignos e compatíveis com vida familiar

Um cordão humano de trabalhadores do comércio e serviços manifestou-se nesta quinta-feira, 12, diante do centro comercial Vasco da Gama, em Lisboa, a pedir horários dignos, a conciliação entre a vida profissional e familiar e melhores salários. Na acção de sensibilização, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), filiado na CGTP-IN, os trabalhadores empunharam faixas e distribuíram panfletos contestando a “violência e desumanização dos horários de trabalho” que impedem muitos de acompanhar os filhos menores, por exemplo.

Formação sobre cuidador informal começa em Lisboa

Consciencializar todos os que se confrontam com familiares em situações limite de dependência e doença prolongada é um dos objectivos principais da formação sobre cuidadores informais promovida pela paróquia de São Lourenço de Carnide (Igreja de Nossa Senhora da Luz), que nesta quinta-feira, 12 de Dezembro, se inicia em Lisboa.

Formação avançada em património religioso lançada na Católica

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Porque quererá alguém estudar teologia?

O livro que estamos aqui a apresentar comemora os 50 anos de uma Faculdade de Teologia, e da única que existe em Portugal. Quando li o livro achei que era uma óptima oportunidade para tornar explícitas várias perguntas. São perguntas que me parecem importantes, nomeadamente: para que serve estudar teologia? E, o que é exactamente estudar teologia? Não é preciso ser-se professor de teologia para achar estas perguntas difíceis, e aproveitar e agradecer a oportunidade de lhes tentar responder em público.

O terror nazi: “Todos devem saber tudo”

Uma notícia que li esta semana no Der Spiegel descreve cenas de puro horror. Mas o mundo não pode esquecer o que aconteceu há 75 anos num dos países mais evoluídos do mundo. Temos de saber, temos de estar bem conscientes daquilo de que podemos ser capazes quando atribuímos a pessoas de certos grupos categorias que lhes sonegam a dignidade dos humanos.

Teocracia? Não, obrigado!

Ainda estamos a tempo de aprender que nenhuma teocracia é melhor do que a outra. Não importa se é islâmica, judaica, cristã ou outra qualquer. Definitivamente, não.

Cultura e artes

Livro “A Igreja de São Cristóvão de Lisboa” recupera caso de intervenção única no património

A Igreja de São Cristóvão de Lisboa é o título do livro que será apresentado nesta sexta-feira, 13 de Dezembro, às 18h, naquela igreja da Mouraria que teve um programa de reabilitação iniciado com o projecto vencedor do Orçamento Participativo de Lisboa – um caso único de envolvimento de uma comunidade católica, artistas, investigadores e a autarquia.

Sophia lida pelos mais novos (5) – A Árvore

Uma árvore de que as pessoas gostam, que se transforma em sombra demasiada, que é cortada e partilhada, que se transforma em memória e cantiga, num barco grande ou em cerejeiras… A Árvore, um dos contos infantis de Sophia de Mello Breyner, é hoje aqui recontada com textos e ilustrações de alunos do 4º ano, turma C, da Escola Básica Bom Pastor (Porto). 

Joker, o desafio da diferença

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

Sete Partidas

Dos imigrantes europeus ao P. Joaquim Alves Correia, uma universidade nos EUA

A história desta Universidade americana faz-nos recuar ao fim do século XIX. Nada melhor que percorrer o seu vastíssimo campus para saber quando tudo começou. Uma enorme placa à entrada da Reitoria explica que foi fundada pelos Missionários do Espírito Santo em 1878, incorporada no Pittsburg Catholic College em 1882 e chamada ‘Duquesne University’ em 1911. A poucos metros, mesmo na entrada da Igreja da Universidade, está a estátua do seu fundador: o padre Joseph Strub, missionário alemão.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Dez
16
Seg
Cristianismo e islão: as possibilidades do diálogo – Conversa com o padre Joaquim Cerqueira Gonçalves, OFM @ Biblioteca Vítor de Sá (Sala Bib.2.7) - Universidade Lusófona
Dez 16@18:00_19:30

Encontro a pretexto dos 800 anos do encontro entre São Francisco de Assis e o Sultão Al-Kamil (1219-2019)

Dez
18
Qua
Inauguração do Memorial evocativo de Sophia de Mello Breyner Andresen, com azulejos de Menez @ Estação Marítima de Belém
Dez 18@12:00_13:00
Jan
3
Sex
Conferência sobre frei Agostinho da Cruz (1540 – 1619), pelo cardeal José Tolentino Mendonça @ Salão Nobre da Câmara Municipal de Setúbal
Jan 3@16:30_17:30

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco