Na morte de Jean Vanier – Amigo, companheiro, profeta (um testemunho)

| 16 Mai 19 | Destaques, Espiritualidades, Espiritualidades - homepage, Newsletter, Últimas

Jean Vanier foi para todos nós um amigo, um companheiro realista e um profeta do humano.

(Padre António Martins)

Jena Vanier durante uma refeição numa das casas d’A Arca. Foto reproduzida da página https://www.larche.org/web/jeanvanier/home.

 

Recordamos com alguma tristeza, mas também de forma agradecida, Jean Vanier, este grande mestre e homem da Igreja que morreu a 7 de Maio, com 90 anos, e cujo funeral será esta quinta-feira, 16, em Trosly, França (a cerimónia será transmitida em directo na página internet da televisão KTO; no Santuário de Fátima haverá uma celebração eucarística às 12h30, na Capelinha das Aparições).

É grande a saudade que nos fica com a partida do Jean, fundador das comunidades d’A Arca e do Movimento Fé e Luz, que promovem a integração de pessoas com deficiência na Igreja.

Maior ainda é a gratidão pelo tesouro que nos deixa e cuja herança recebemos. Herdamos a alegria do encontro e da partilha com os mais pequeninos. Herdamos a relação e a amizade com as pessoas com deficiência. Herdamos e partilhamos a experiência da “Comunidade [com]o lugar do perdão e da festa”[1].Herdamos o seu anúncio profético, escrevendo com palavras dos nossos dias que “cada pessoa é uma história sagrada”[2].

Nestes dias tanto e tantos escrevem e nos falam de Jean Vanier. Falam da sua vida fecunda atravessada por diversas carreiras, de sucesso profissional e social até 1964. Impossível conhecer Jean sem percorrer passo a passo a sua história pessoal. Escreveram-se palavras fortes que ilustram a sua presença no mundo e na Igreja, reconhecendo a sua sabedoria, o fundamentado conhecimento filosófico e teológico, a sua dimensão social e multicultural.

Mas, sabendo que está tudo dito, fica uma pobre palavra ainda por dizer. Palavra minha provocada pela sua mensagem, no cruzar do Evangelho com os mais frágeis e mais pequeninos.

Aprendi com o Jean: “as pessoas que o mundo considera inúteis servindo só para encher instituições – as que são consideradas como um fardo e um problema financeiro, são na realidade nascentes de luz e de vida. Transformam-nos em profundidade”. É a revolução copernicana, como lhe chamou Le Figaro.

Encantei-me com a sua forma de contar a cada um de nós, a mim ouvinte e a mim leitora, as histórias dos seus amigos improváveis, tantas e tantos com quem foi crescendo e reconstruindo a sua vida. Escolha a escolha, larga o sucesso e deixa-se atrair por pessoas abandonadas, rejeitadas, excluídas e escondidas. Tocam-no particularmente grandes grupos de pessoas fechadas em asilos, e grandes instituições com doentes mentais e pessoas com deficiência intelectual. Atento à solidão e à necessidade de pertença, descobre a cura pela travessia “da exclusão para a inclusão”que é também o “caminho para a liberdadee o perdão”; com estes temas, em 1997, publica o livro “Becoming Human”[3].

Atento ao “grito do pobre, grito de Deus[4]”, Jean dá a sua voz e clama alto que se ouve um grito[5] estridente ou mudo de quem está na angústia da total solidão, o silêncio do mais pequenino, do mais só que o atrai para Cristo.

 

“A comunhão com a pessoa humilhada abre-me ao infinito”

Jean Vanier em Taizé, em Agosto de 2015. Foto © Filipe Teixeira

 

Na troca de correspondência com Julia Kristeva[6], escreve Jean Vanier: “A evolução do olhar da Igreja e da humanidade é muito lenta. Começamos por rejeitar quem é diferente; algum tempo depois queremos cuidar dos «pobres», garantir alojamento e alimentação. Depois, ajudamo-los a desenvolverem-se, a trabalhar, a ter autonomia. (…) A quem se ocupa deles revelam então a bondade de Deus e de cada pessoa humana. Descobrimos, pouco a pouco que as pessoas com deficiência têm o dom de nos ajudar a entrar num mundo de relação, feito de comunhão, que conduz a uma transformação do nosso coração”.

Referindo-se à sua experiência de longos anos de vida com pessoas com deficiência, Jean Vanier testemunha o muito que nos ensinam e revelam, se as acolhermos[7]: “A comunhão com a pessoa humilhada abre-me ao infinito, faz-me tocar o que é maior que eu e o outro. A comunhão jorra do que está para além da ‘normalização’. Constitui mesmo uma experiência ‘anormal’, fora de todas as normas, é puramente pessoal e única. Donde vem este poder transformador duma tal comunhão? Ela faz-me descobrir que sou amado a um nível muito mais elevado que todos os muros que erigi para me defender, para ser reconhecido e para parecer forte. Experimento então aquilo que é essencial da minha pessoa e que me abre à comunhão trinitária.”

Conheci pessoalmente o Jean num retiro com as suas meditações sobre o Evangelho de S. João, em 2012. Recordo: era o mês de Novembro, na pequena capela de La Ferme, em Trosly-Breuil. Jean abria o seu coração com a palavra de S. João e servia a “Jesus Vulnerável[8].

O seu fascínio e a sua arte era falar de coração a coração, não para um grupo, uma assembleia ou uma multidão, mas como sendo só para mim, e também só para ti leitor, porque podes lê-lo ou mesmo ouvi-lo. Das suas palavras decorria uma serenidade forte e tranquila de um homem que tornava próxima a mensagem de Jesus. A presença evocada de cada amigo frágil era uma presença de Jesus vivo, um dom e uma graça próxima, real e eficaz aceite como sacramento.

Concluo com algumas palavras de Marie-Hélène Mathieu[9], que com ele fundou o Movimento Fé e Luz, que congrega famílias de pessoas com deficiência: «Para Jean Vanier cada um era um ser único chamado a uma missão única.» E refere, como o legado do Jean para nós hoje: Jean Vanier chama-nos a dar a mão a uma pessoa frágil: ao vizinho que perdeu a vista, a uma avó com Alzheimer, aos pais do bebé que se descobriu, ainda antes de nascer, que tinha uma deficiência…Jean, que foi acolhido na feliz companhia dos seus pobres, recorda-nos a mensagem essencial do Evangelho, é o próprio Jesus que acolhemos em cada uma das pessoas fracas.”

 

Informação e contactos: Serviço Pastoral a Pessoas com Deficiência; sppd.portugal@gmail.com

Notas

[1] La Communauté-Lieu du Pardon et de la Fête – Ed abrégée et illustrée, ed. Mame, Paris. 2017 (Há uma edição portuguesa das Paulinas, praticamente esgotada)

[2]Toute Personne est une histoire Sacrée, Ed. Plon, 1994

[3] Verdadeiramente Humanos, Principia Editora, Cascais, 2018

[4] Cri du Pauvre, Cri de Dieu – Méditation sur l’Esprit Saint, Éditions Salvator, Paris, 2016

[5] Cf. Un Cri se fait Entendre – Mon chemin vers la paix, ed. Bayard, 2017.

[6] Leur Regard perce nos Ombres – Échanges, ed. Librairie Arthème Frayard, 2011.Pág.82.

[7] Les Signes du temps à la lumière de Vatican II, ed. Albin Michel, 2012

[8] Jésus Vulnérable, Éditions Salvator, Paris, 2015. Edição portuguesa: Jesus Vulnerável, ed. AO.

[9] https://fr.aleteia.org/2019/05/10/marie-helene-mathieu-pour-jean-vanier-chacun-etait-un-etre-unique-appele-a-une-mission-unique

Artigos relacionados

Editorial 7M – Um dia feliz

Editorial 7M – Um dia feliz

Hoje é dia de alegria para os católicos e para todos os homens e mulheres de boa vontade. Em São Pedro, um homem que encarna e simboliza boa parte do programa de Francisco para a Igreja Católica recebe as insígnias cardinalícias. É português, mas essa é apenas uma condição que explica a nossa amizade e não é a fonte principal da alegria que marca o dia de hoje. José Tolentino Mendonça é feito cardeal por ser poeta, homem de acolhimento e diálogo. E, claro, por ser crente.

Apoie o 7 Margens

Breves

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

A beleza num livro de aforismos de Tolentino Mendonça

Um novo livro do novo cardeal português foi ontem posto à venda. Uma Beleza Que nos Pertence é uma colecção de aforismos e citações, retirados dos seus outros livros de ensaio e crónicas, “acerca do sentido da vida, a beleza das coisas, a presença de Deus, as dúvidas e as incertezas espirituais dos nossos dias”, segundo a nota de imprensa da editora Quetzal.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco