Funeral de Jean Vanier é esta quinta-feira – Amigo, companheiro, profeta (um testemunho)

| 16 Mai 19 | Destaques, Espiritualidades, Newsletter, Últimas

Jean Vanier foi para todos nós um amigo, um companheiro realista e um profeta do humano.

(Padre António Martins)

Jena Vanier durante uma refeição numa das casas d’A Arca. Foto reproduzida da página https://www.larche.org/web/jeanvanier/home.

 

Recordamos com alguma tristeza, mas também de forma agradecida, Jean Vanier, este grande mestre e homem da Igreja que morreu a 7 de Maio, com 90 anos, e cujo funeral será esta quinta-feira, 16, em Trosly, França (a cerimónia será transmitida em directo na página internet da televisão KTO; no Santuário de Fátima haverá uma celebração eucarística às 12h30, na Capelinha das Aparições).

É grande a saudade que nos fica com a partida do Jean, fundador das comunidades d’A Arca e do Movimento Fé e Luz, que promovem a integração de pessoas com deficiência na Igreja.

Maior ainda é a gratidão pelo tesouro que nos deixa e cuja herança recebemos. Herdamos a alegria do encontro e da partilha com os mais pequeninos. Herdamos a relação e a amizade com as pessoas com deficiência. Herdamos e partilhamos a experiência da “Comunidade [com]o lugar do perdão e da festa”[1].Herdamos o seu anúncio profético, escrevendo com palavras dos nossos dias que “cada pessoa é uma história sagrada”[2].

Nestes dias tanto e tantos escrevem e nos falam de Jean Vanier. Falam da sua vida fecunda atravessada por diversas carreiras, de sucesso profissional e social até 1964. Impossível conhecer Jean sem percorrer passo a passo a sua história pessoal. Escreveram-se palavras fortes que ilustram a sua presença no mundo e na Igreja, reconhecendo a sua sabedoria, o fundamentado conhecimento filosófico e teológico, a sua dimensão social e multicultural.

Mas, sabendo que está tudo dito, fica uma pobre palavra ainda por dizer. Palavra minha provocada pela sua mensagem, no cruzar do Evangelho com os mais frágeis e mais pequeninos.

Aprendi com o Jean: “as pessoas que o mundo considera inúteis servindo só para encher instituições – as que são consideradas como um fardo e um problema financeiro, são na realidade nascentes de luz e de vida. Transformam-nos em profundidade”. É a revolução copernicana, como lhe chamou Le Figaro.

Encantei-me com a sua forma de contar a cada um de nós, a mim ouvinte e a mim leitora, as histórias dos seus amigos improváveis, tantas e tantos com quem foi crescendo e reconstruindo a sua vida. Escolha a escolha, larga o sucesso e deixa-se atrair por pessoas abandonadas, rejeitadas, excluídas e escondidas. Tocam-no particularmente grandes grupos de pessoas fechadas em asilos, e grandes instituições com doentes mentais e pessoas com deficiência intelectual. Atento à solidão e à necessidade de pertença, descobre a cura pela travessia “da exclusão para a inclusão”que é também o “caminho para a liberdadee o perdão”; com estes temas, em 1997, publica o livro “Becoming Human”[3].

Atento ao “grito do pobre, grito de Deus[4]”, Jean dá a sua voz e clama alto que se ouve um grito[5] estridente ou mudo de quem está na angústia da total solidão, o silêncio do mais pequenino, do mais só que o atrai para Cristo.

 

“A comunhão com a pessoa humilhada abre-me ao infinito”

Jean Vanier em Taizé, em Agosto de 2015. Foto © Filipe Teixeira

 

Na troca de correspondência com Julia Kristeva[6], escreve Jean Vanier: “A evolução do olhar da Igreja e da humanidade é muito lenta. Começamos por rejeitar quem é diferente; algum tempo depois queremos cuidar dos «pobres», garantir alojamento e alimentação. Depois, ajudamo-los a desenvolverem-se, a trabalhar, a ter autonomia. (…) A quem se ocupa deles revelam então a bondade de Deus e de cada pessoa humana. Descobrimos, pouco a pouco que as pessoas com deficiência têm o dom de nos ajudar a entrar num mundo de relação, feito de comunhão, que conduz a uma transformação do nosso coração”.

Referindo-se à sua experiência de longos anos de vida com pessoas com deficiência, Jean Vanier testemunha o muito que nos ensinam e revelam, se as acolhermos[7]: “A comunhão com a pessoa humilhada abre-me ao infinito, faz-me tocar o que é maior que eu e o outro. A comunhão jorra do que está para além da ‘normalização’. Constitui mesmo uma experiência ‘anormal’, fora de todas as normas, é puramente pessoal e única. Donde vem este poder transformador duma tal comunhão? Ela faz-me descobrir que sou amado a um nível muito mais elevado que todos os muros que erigi para me defender, para ser reconhecido e para parecer forte. Experimento então aquilo que é essencial da minha pessoa e que me abre à comunhão trinitária.”

Conheci pessoalmente o Jean num retiro com as suas meditações sobre o Evangelho de S. João, em 2012. Recordo: era o mês de Novembro, na pequena capela de La Ferme, em Trosly-Breuil. Jean abria o seu coração com a palavra de S. João e servia a “Jesus Vulnerável[8].

O seu fascínio e a sua arte era falar de coração a coração, não para um grupo, uma assembleia ou uma multidão, mas como sendo só para mim, e também só para ti leitor, porque podes lê-lo ou mesmo ouvi-lo. Das suas palavras decorria uma serenidade forte e tranquila de um homem que tornava próxima a mensagem de Jesus. A presença evocada de cada amigo frágil era uma presença de Jesus vivo, um dom e uma graça próxima, real e eficaz aceite como sacramento.

Concluo com algumas palavras de Marie-Hélène Mathieu[9], que com ele fundou o Movimento Fé e Luz, que congrega famílias de pessoas com deficiência: «Para Jean Vanier cada um era um ser único chamado a uma missão única.» E refere, como o legado do Jean para nós hoje: Jean Vanier chama-nos a dar a mão a uma pessoa frágil: ao vizinho que perdeu a vista, a uma avó com Alzheimer, aos pais do bebé que se descobriu, ainda antes de nascer, que tinha uma deficiência…Jean, que foi acolhido na feliz companhia dos seus pobres, recorda-nos a mensagem essencial do Evangelho, é o próprio Jesus que acolhemos em cada uma das pessoas fracas.”

 

Informação e contactos: Serviço Pastoral a Pessoas com Deficiência; sppd.portugal@gmail.com

Notas

[1] La Communauté-Lieu du Pardon et de la Fête – Ed abrégée et illustrée, ed. Mame, Paris. 2017 (Há uma edição portuguesa das Paulinas, praticamente esgotada)

[2]Toute Personne est une histoire Sacrée, Ed. Plon, 1994

[3] Verdadeiramente Humanos, Principia Editora, Cascais, 2018

[4] Cri du Pauvre, Cri de Dieu – Méditation sur l’Esprit Saint, Éditions Salvator, Paris, 2016

[5] Cf. Un Cri se fait Entendre – Mon chemin vers la paix, ed. Bayard, 2017.

[6] Leur Regard perce nos Ombres – Échanges, ed. Librairie Arthème Frayard, 2011.Pág.82.

[7] Les Signes du temps à la lumière de Vatican II, ed. Albin Michel, 2012

[8] Jésus Vulnérable, Éditions Salvator, Paris, 2015. Edição portuguesa: Jesus Vulnerável, ed. AO.

[9] https://fr.aleteia.org/2019/05/10/marie-helene-mathieu-pour-jean-vanier-chacun-etait-un-etre-unique-appele-a-une-mission-unique

Artigos relacionados

Breves

Encontro de artistas portugueses com músicas do grupo Gen Verde

Um encontro de artistas de várias áreas, que sejam sensíveis às dimensões do Sagrado, da Beleza e do Bem Comum, está convocado para a tarde deste sábado, 18 de Maio, entre as 16h30 e as 18h, no Auditório da Igreja São Tomás de Aquino (Laranjeiras), em Lisboa.

Bolsonaro contestado por cortes na Educação

As ruas de mais de duas centenas de municípios em 26 estados brasileiros foram tomadas esta quarta-feira, 15 de maio, por manifestações que registaram a participação de centenas de milhares de estudantes e professores.

Televisão: Fátima vence Cristina

As cerimónias da peregrinação de 13 de maio a Fátima, transmitidas pela RTP1, conquistaram 381 mil espectadores, deixando o programa Cristina, da SIC, a grande distância (317 mil).

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Vemos, ouvimos e lemos…

O centenário de Sophia de Mello Breyner Andresen é especial, muito para além de mera comemoração. O exemplo de cidadania, de talento, de ligação natural entre a ética e estética é fundamental. De facto, estamos perante uma personalidade extraordinária que é lembrada como referência única, como um exemplo que fica, que persiste.

Europeias 2019: Não nos tires as tentações

Estamos em crise, sim. Que bom. Porque é tempo de escolher e definir caminhos. Ao que parece, a última braçada de bruços perdeu balanço e é a nossa vez de dar o próximo impulso. Com a liberdade de questionar o inquestionável, herdámos o peso da responsabilidade. Mas desde quando desligar o automático é mau?

Cultura e artes

Coro do Trinity College de Dublin em Lisboa para concerto e eucaristia

Neste sábado e domingo, 18 e 19 de Maio, Lisboa acolhe dois concertos do Coro da Capela do Trinity College de Dublin (Irlanda). Às 17 horas de sábado, o coro dará um concerto de música sacra na Sé de Lisboa; no domingo, participa na eucaristia dominical na Catedral Lusitana de S. Paulo em Lisboa (Comunhão Anglicana), com início às 11h00 (Rua das Janelas Verdes).

Teatro: À espera de um jogo de espelhos em Goga

Entra-se e estão as 23 personagens no palco. Em rigor, esse número inclui as personagens e os seus espelhos. Estão fixas, rígidas. São um quadro que se deve olhar, de modo a reparar em todos os pormenores. Porque está o corcunda Teobald de livro na mão? Porque há um homem e uma mulher com malas?

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Mai
20
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – III – A justiça e a equidade, e a solidariedade entre as gerações @ Centro Nacional de Cultura
Mai 20@18:30_20:00

Participam Alice Vieira, escritora e jornalista; Carla Ganito, docente em Ciências da Comunicação na Universidade Católica Portuguesa; e Ana Barata; jovem licenciada em serviço social.

Mai
27
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – IV – “Os jovens descobrem Deus” @ Centro Nacional de Cultura
Mai 27@18:30_20:00

Participam Alfredo Teixeira, antropólogo e compositor, autor de Religião na Sociedade Portuguesa, Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, e João Valério, arquitecto e músico.

Ver todas as datas

Fale connosco