Serra do Pilar

Funeral do padre Arlindo Magalhães sob o signo do ecumenismo

| 20 Jan 2023

Centenas de pessoas disseram, esta sexta-feira, um sentido adeus a Arlindo Magalhães, o presbítero que foi para elas uma referência ao longo das quase cinco décadas em que esteve à frente da Comunidade Cristã da Serra do Pilar, em Vila Nova de Gaia.

Morreu um pioneiro da formação católica em catecumenato

De forma surpreendente, o “ecumenismo na prática” fez-se visível na celebração, dois dias depois do início da Semana da Oração pela Unidade dos Cristãos.

Já na véspera, apesar da chuva e do vento que fustigavam quem se atreveu a “subir o monte” para rezar na presença do corpo do padre Arlindo, a igreja se encheu com muitas pessoas.

Com o bispo do Porto a presidir e mais três bispos e dezenas de padres a concelebrar, fizeram-se ouvir os cânticos “históricos” daquela comunidade, alguns deles criados expressamente para ali serem cantados.

O bispo Manuel Linda pôs em evidência, no ministério de Arlindo Magalhães, a relação com a Palavra de Deus, através do ensino, da homilia e outras formas. Sublinhou igualmente o trabalho catecumenal por ele desenvolvido na comunidade, orientado “para que as pessoas tomassem nas suas próprias mãos o projeto do evangelho”. Com esta aposta na novidade, sublinhou, Arlindo tornou-se “um homem do futuro, não do passado”.

O bispo do Porto destacou, nesta linha, a aposta que ali foi feita na formação de uma comunidade, não centrada sobre si mesma, mas “aberta a todas as comunidades, à grande comunidade… com tudo o que a faz, incluindo as dificuldades”.

A comunidade que desempoeirou o evangelho

Finalmente, depois de partilhar o teor de uma carta dos últimos anos, que recebera do padre Arlindo, na qual ele comunica a decisão de ir suspender o catecumenato, ao fim de mais de 40 anos em que houve um ou por vezes dois grupos em funcionamento, o bispo referiu-se à atenção que na Serra do Pilar foi dada aos laços de união e fraternidade, no plano do ecumenismo, que ainda hoje perduram.

Arlindo Magalhães, Serra do Pilar, Manuel Linda

Missa do funeral do p. Arlindo Magalhães, presbítero da Comunidade da Serra do Pilar. Foto © Manuel Pinto

 

O ecumenismo voltou à assembleia, já quase no final da celebração, quando, no momento de ação de graças, o bispo Jorge Pina Cabral, da Igreja Lusitana, se levantou para lembrar os caminhos que a Comunidade da Serra do Pilar e a Comunidade do Torne, territorialmente vizinhas, desbravaram ao longo de mais de quarenta anos, desde que o padre Arlindo iniciou ali o seu ministério.

“Eram vizinhos que viviam perto mas estavam longe”, disse ele, “até que perceberam que tinham algo mais que os unia: a mesma fé em Jesus Cristo”. E desde 1980, uma vez por mês, juntaram-se para rezar, alternadamente na “Serra” e no Torne. Foi o ecumenismo posto em prática de forma duradoura e efetiva, que explicou a presença do bispo da Igreja Lusitana naquele momento, assim como do bispo emérito lusitano, Fernando Luz Soares, e de um grupo de cristãos da Comunidade do Torne.

A intervenção foi sublinhada por uma salva de palmas.

Ainda em ação de graças foi lido um poema de Manuel Neto da Silva, que, originalmente, foi criado e musicado per Fernando Lapa para a comunidade da Serra. Deixamos aqui o texto:

Quando abrires as fronteiras do universo
e encerrares as fronteiras do viver
estaremos diante do teu Reino
Pois vais restaurar todas as coisas!

Quando forem destruídas as cidades
e a ruína assolar a Criação,
estaremos diante do teu Reino
porque queres a Nova Criação!

Quando o corpo for o pó de que é formado
e a vida em nosso sangue se extinguir,
estaremos diante do teu Reino
porque tu prometeste a Paz eterna!

Quando a luz deixar vazio o nosso olhar
e a nossa voz já não se ouvir entre outros
estaremos diante do teu Reino
porque tu és o Deus da nossa Morte!

Quando a morte dos homens peregrinos
for a entrega da Vida à Esperança
estaremos diante do teu Reino
porque és o Deus Vivo e Verdadeiro!

(Manuel Neto da Silva)

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This