Vacina covid-19

G-7 vai doar mil milhões de doses aos países mais pobres

| 14 Jun 2021

Os líderes do G-7 acordaram também reduzir evasão fiscal. Foto © Andrew Parsons / No 10 Downing Street

 

Mil milhões de doses de vacinas anti-covid-19 serão doadas pelos sete países ocidentais mais ricos aos países mais pobres até ao final de 2022. A decisão foi tomada neste domingo, 13 de junho, no final da cimeira que juntou durante três dias em Carbis Bay (Cornualha, Reino Unido) os chefes de Estado e primeiros-ministros do Reino Unido, EUA, Alemanha, França, Itália, Canadá e Japão.

Na cimeira foi também reafirmada a vontade dos sete países reunirem todos os anos (até 2025) 100 mil milhões de dólares para apoiar os países mais pobres na descarbonização das suas economias, bem como o compromisso de manter o aumento do aquecimento global abaixo dos 1,5º C quando comparado com a temperatura média do planeta anterior à Revolução Industrial. Estes dois acordos foram de imediato criticados pelas organizações internacionais de ativistas pelo ambiente. O primeiro como sendo insuficiente (a mesma decisão já fora tomada há dois anos e não foi cumprida, alegadamente por causa dos recursos empregues na luta contra a pandemia). O segundo por não conter qualquer referência aos meios para alcançar tal objetivo – que é o mais ambicioso dos propostos pela Cimeira do Clima de Paris (2015).

O G-7 aprovou ainda a proposta, já anteriormente trabalhada pelos respetivos ministros das Finanças, de reduzir a evasão e a concorrência fiscal entre países, aceitando os 15% como taxa mínima de IRC e abrindo caminho a legislação que obrigue as multinacionais a pagarem impostos sobre os rendimentos nos países em que obtêm esses rendimentos e não nos paraísos fiscais em que registem a sua sede.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência”

Cartas de Luiza Andaluz em livro

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência” novidade

Preocupações com um homem que estava preso, com o funcionamento de uma oficina de costura para raparigas que não tinham trabalho, com a comida para uma casa de meninas órfãs. E também o relato pessoal de como sentiu nascer-lhe a vocação. Em várias cartas, escritas entre 1905 e 1971 e agora publicadas, Luiza Andaluz, fundadora das Servas de Nossa Senhora de Fátima, dá conta das preocupações sociais que a nortearam ao longo do seu trabalho e na definição do carisma da sua congregação.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This