Acordo histórico

G7 estabelece em 15% a taxa mínima de IRC

| 5 Jun 21

edificios nova iorque foto (c) Pixabay

A decisão põe em causa os paraísos fiscais e a tendência de décadas de redução das taxas sobre lucros das empresas.  Foto © Pixabay.

 

Os ministros das Finanças dos sete países ocidentais mais ricos chegaram a acordo durante os encontros paralelos da cimeira do G7, que decorreram esta sexta e sábado, 5 de junho, em Londres, para fixar a taxa de IRC sobre as empresas num mínimo de 15 por cento. A decisão dá início a um processo de reforma do sistema financeiro mundial da maior importância, pondo em causa os paraísos fiscais e a tendência de décadas de redução das taxas sobre lucros das empresas.

Outra decisão complementar desta reunião visa obrigar as empresas multinacionais a pagarem impostos sobre lucros nos territórios em que obtêm as receitas e não em função do sistema fiscal dos territórios em que estão sediadas. As decisões agora tomadas no âmbito da cimeira do G7 terão ainda de fazer um longo caminho de negociações até que se tornem efetivas num número de países suficientemente vasto.

Recorde-se que alguns Estados-Membros da UE (como, por exemplo, o Luxemburgo e a Holanda) se têm recusado a avançar na harmonização fiscal no interior da União por temerem perder os milhões de euros que arrecadam pelo simples facto de manterem taxas de IRC abaixo das de outros países.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Interiormente perturbador

Cinema

Interiormente perturbador novidade

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This