Acordo histórico

G7 estabelece em 15% a taxa mínima de IRC

| 5 Jun 21

edificios nova iorque foto (c) Pixabay

A decisão põe em causa os paraísos fiscais e a tendência de décadas de redução das taxas sobre lucros das empresas.  Foto © Pixabay.

 

Os ministros das Finanças dos sete países ocidentais mais ricos chegaram a acordo durante os encontros paralelos da cimeira do G7, que decorreram esta sexta e sábado, 5 de junho, em Londres, para fixar a taxa de IRC sobre as empresas num mínimo de 15 por cento. A decisão dá início a um processo de reforma do sistema financeiro mundial da maior importância, pondo em causa os paraísos fiscais e a tendência de décadas de redução das taxas sobre lucros das empresas.

Outra decisão complementar desta reunião visa obrigar as empresas multinacionais a pagarem impostos sobre lucros nos territórios em que obtêm as receitas e não em função do sistema fiscal dos territórios em que estão sediadas. As decisões agora tomadas no âmbito da cimeira do G7 terão ainda de fazer um longo caminho de negociações até que se tornem efetivas num número de países suficientemente vasto.

Recorde-se que alguns Estados-Membros da UE (como, por exemplo, o Luxemburgo e a Holanda) se têm recusado a avançar na harmonização fiscal no interior da União por temerem perder os milhões de euros que arrecadam pelo simples facto de manterem taxas de IRC abaixo das de outros países.

 

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow novidade

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

O outro sou eu

O outro sou eu novidade

Há tanto que me vem à cabeça quando penso em Jorge Sampaio. Tantas ocasiões em que o seu percurso afetou e inspirou o meu, quando era só mais uma adolescente portuguesa da primeira geração do pós-25 de Abril à procura de referências. Agora, que sou só uma adulta que recusa desprender-se delas, as memórias confundem-se com valores e os factos com aspirações.

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados

Líbano tem novo Governo

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados novidade

O novo Governo do Líbano, liderado pelo muçulmano sunita Najib Mikati, obteve nesta segunda-feira, 20 de setembro, o voto de confiança do Parlamento. A nova estrutura de Governo reflete na sua composição a variedade do “mosaico” libanês, nomeadamente do ponto de vista das diversas religiões e confissões religiosas, mas os siro-católicos dizem ter sido marginalizados.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This