Gagarin: um crente que foi o primeiro homem no espaço e é hoje recordado na estação espacial

| 13 Abr 21

Yuri Gagarin. Foto de Domínio Público

 

É um dos marcos históricos do século XX que aconteceu em 12 de abril de 1961: a primeira viagem espacial à volta da terra, protagonizada pelo cosmonauta russo Yuri Gagarin. Foi um passo de gigante para o então regime soviético na exploração do espaço. “Viajei para o espaço, mas não encontrei Deus” foi a frase atribuída ao piloto que ficou, também ela, para a história. Afinal, parece que não só não foi ele que a disse, como, pelo contrário, se veio a descobrir que ele era um cristão convicto.

Gagarin foi selecionado para a missão do primeiro voo espacial, entre 20 candidatos, por ser pequeno. Media 1,57m e o habitáculo do módulo em que viajou era minúsculo. Mas tanto ou mais do que esse aspeto contou a sua experiência e perícia como piloto militar.

Tinha nascido em 1934, filho de um carpinteiro e de uma camponesa, na aldeia de Klušino, província de Smolensk. Viria a casar com Valentina, enfermeira de profissão e, na altura da missão da ida ao espaço, era já pai de duas meninas, a mais nova das quais nascida cinco semanas antes.

A partir de uma base no Cazaquistão, Gagarin subiu durante dez minutos, até entrar em órbita e 108 minutos depois tinha circundado o planeta. A descida foi mais complicada e só anos mais tarde as autoridades soviéticas deram a conhecer pormenores do que se passou. Mas o acontecimento teve o valor de ser inaugural de uma nova era.

A verdade é que, aos 27 anos, o cosmonauta se converteu num herói não apenas do povo russo, mas também internacionalmente. E o regime aproveitou bem o feito e a aura do seu protagonista principal. Importa não esquecer que se estava em plena Guerra Fria e numa competição feroz entre a União Soviética e os Estados Unidos pela conquista do espaço.

A biografia de Yuri Gagarin, escrita pelo jornalista e seu amigo Anton Pervushin, publicada há dez anos, aquando do 50º aniversário, veio trazer informações que desvendam facetas humanas e pessoais do piloto. Em “108 minutos que mudaram o mundo”, título do livro, Pervushin defende que Gagarin nunca proferiu as palavras que se diz ter proferido acerca de não ter visto Deus ao orbitar a terra. Acrescenta mais: que, nas investigações que fez não encontrou ninguém que tivesse ouvido tal afirmação.

De resto, antes dele, o coronel Valentin Petrov, amigo pessoal e professor da Academia da Força Aérea Russa, segundo o biógrafo, discordando da linha oficial, terá dito: “Gagarin foi um fiel batizado durante toda a sua vida. Confessava acreditar em Deus sempre que lhe era perguntado, não importava onde estivesse.” E adiantou uma explicação sobre a origem da atribuição da frase: numa reunião do Comité Central do Partido Comunista da União Soviética (PCUS), com o fim de desenvolver propaganda anti-religiões, o então líder soviético, Nikita Khrushchov, teria comentado: “Nem Gagarin, que voou pelo espaço, viu Deus em lugar nenhum.” Tais palavras foram colocadas na boca de Gagarin porque alegadamente teriam mais aceitação popular, dada a fama de que o herói nacional gozava.

Um regime que professava o ateísmo de Estado, que aceitou porventura que um dos seus heróis pudesse ter a sua fé privadamente, desde que não a trouxesse a público, explicará o cuidado que o cosmonauta terá tido quanto a esta faceta da sua vida. Mas vários cosmonautas que foram seus colegas e amigos reconhecem-no como cristão e reconhecem também o papel da Igreja Ortodoxa nas viagens espaciais.

A própria filha de Gagarin, Elena, em declarações ao diário italiano Avvenire, diz ter sido batizada. E acrescenta que há muitos ícones religiosos em casa e que a família comemorava sempre o Natal e a Páscoa.

Neste contexto, cabe referir o que dá a conhecer um estudo recente sobre fotografias de ícones no módulo controlado pelos russos na Estação Espacial Internacional.

Trata-se de uma amostra de 48 fotos, de um acervo disponibilizado pela NASA e que permite identificar uma zona que funciona como uma espécie de espaço sagrado (hierotopia), decorado com ícones de Maria Theotokos (Mãe de Deus), Cristo Pantocrator (Todo-Poderoso) e vários santos especialmente venerados na Igreja Ortodoxa, bem como heróis civis, nomeadamente da cosmonáutica soviética e russa, com destaque para Yuri Gagarin.

Ícone de Maria na Estação Espacial Internacional. Foto ©NASA

 

Os autores do estudo concluem pela existência, na Estação Espacial, do “registo estático de uma cultura dinâmica de observância religiosa que parece estar a evoluir”. Trata-se de “um lugar que replica algumas das funções hierotópicas dos ícones na Terra, incluindo peregrinações e procissões, abençoando a comunidade dos fiéis e celebrando os dias dos santos”.

Gagarin morreu em 27 de março de 1968, enquanto realizava um voo de treino com um caça Mig-15. Ele podia ter-se ejetado, mas o aparelho iria fazer grandes estragos, dado estar sobre uma zona habitada.

Do piloto cosmonauta ficou a aura heroica de quem suplantou o limiar do conhecido, abrindo novos possíveis à humanidade. Hoje, numa praça de Moscovo, ergue-se um monumento de 40 metros de altura que recorda esse feito. Muitos outros monumentos e evocações se espalham por toda a Rússia. E subsistem também ao lado dos ícones religiosos na zona russa da Estação Espacial Internacional.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito novidade

As proibições teológicas souberam gerar meios de liberdade para mercadores e intelectuais, como seguros e universidades. A antiga cultura sabia que bem precioso, mesmo divino, era o conhecimento e protegia-o do lucro. Agora, na lógica do capitalismo, vêem-se apenas custos e benefícios. Este é o décimo quinto dos textos da série de crónicas que o 7MARGENS publica todas as quartas-feiras e sábados, da autoria de Luigino Bruni.

Breves

“Tragédia brasileira: risco para a casa comum?”

  Entre os dias 4 e 6 de Maio (terça a quinta-feira), um seminário internacional que se realiza em formato digital irá debater se a tragédia brasileira é um risco para a casa comum, numa iniciativa de várias organizações religiosas, de defesa dos direitos humanos...

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

APAV lança vídeo sobre violência sexual contra crianças

A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima acaba de lançar o primeiro de um conjunto de vídeos que visam a prevenção da violência sexual contra crianças e jovens, procurando capacitar as pessoas sobre estes crimes e a informá-las sobre como pedir ajuda.

Xexão (um poema e uma evocação em Lisboa)

No 30º dia após o falecimento de Maria da Conceição Moita, a comunidade da Capela do Rato, em Lisboa, vai celebrar, a 30 de Abril, às 19h, eucaristia evocando a sua vida. Tendo em conta as regras de segurança em vigor, e o número restrito de lugares na capela, é necessária uma inscrição prévia, que deve ser feita na página digital da Capela do Rato.

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Entre margens

O desaparecimento dos gigantes da fé novidade

De vez em quando temos a sensação de que se está a passar na porta giratória para um mundo diferente. Em especial quando se toma consciência de que alguns dos maiores gigantes do mundo cristão nos deixaram. O mais recente foi o grande teólogo e pensador protestante latino-americano René Padilla (1932-2021), o “pai” do conceito de “missão integral” que revolucionou as teologias do continente, em particular a missiologia.

Alma mutilada

Samuel caminhava dançante num jogo de toca e foge com a suave rebentação da extensa e espelhada beira-mar de Keri Beach. Entusiasmado com a chegada à nova cidade, discursava e gesticulava comparações entre as imensas praias por onde passara. O fiel Odara escutava-o ao longe, absorto no encantamento da devoradora paisagem. Caminhava a passos curtos e lentos, sentindo atentamente a incomum textura da areia que se lhe entranhava nos dedos dos pés a cada novo pisar

José Augusto Mourão… o frade, poeta e professor

Fazemos memória, nesta quarta-feira, 5 de maio, do décimo aniversário da partida para o Senhor de frei José Augusto Mourão op. Nascido em Lordelo, Vila Real, em 12 de junho de 1947, deixou-nos aos 64 anos. Conheci Frei Mourão quando, há já muitos anos, comecei a participar nas eucaristias do Convento de S. Domingos de Lisboa, levado pelo meu amigo Luís de França, também ele frade dominicano, entretanto já desaparecido do meio de nós

Cultura e artes

Alusões a um corpo ausente

Cada pessoa que fizer uma evocação de José Augusto Mourão fá-lo-á de um modo diferente. O percurso biográfico de Mourão presta-se a essa pluralidade quase heterodoxa, diferente das narrativas oficiais com as quais se canoniza uma vida e uma determinada biografia da mesma.

Flannery O’Connor e “Um Diário de Preces”

Flannery O’Connor foi uma escritora norte-americana (1925-1964), falecida aos 31 anos de lúpus, doença degenerativa precocemente diagnosticada (aos 12 anos) e que, depois de lhe terem sido dados cinco anos de vida, Flannery conseguiu, com uma vontade indomável, prolongar por mais 10 anos. Católica convicta, viveu em Savannah, na Geórgia, no sul protestante e conservador. Escreveu sobretudo sobre a decadência do sul da América. Fez uma licenciatura em Inglês e Sociologia e uma pós-graduação através de um writer’s workshop (oficina de escrita) na Universidade de Iowa. Escreveu 32 contos e dois romances.

O teatro da vida na leitura cristã de Luís Miguel Cintra

A revista E, do Expresso, deste fim-de-semana traz em várias páginas a súmula de mais de duas horas de conversa de Luís Miguel Cintra com a jornalista Luciana Leiderfarb, com as imagens da objetiva do repórter António Pedro Ferreira. Destaca-se dela não só uma grande personalidade do teatro, mas também uma pessoa de enorme sensibilidade e riqueza humanas.

Verbalizar o desejo

Em Rezar de Olhos Abertos, José Tolentino Mendonça assume a missão de guiar o crente e a comunidade (alguns textos surgem nesse contexto) na verbalização orante, inserindo-se assim numa tradição espiritual que conhece nos Salmos a sua expressão talvez mais plena e fecunda.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This