Papa evocou missionária assassinada

Gás moçambicano pode condicionar defesa das populações

| 12 Set 2022

missao comboniana em chipene moçambique

A missão comboniana em Chipene, com a irmã Maria de Coppi, a segunda à esquerda, assassinada no ataque terrorista. Foto: Direitos reservados

 

O violento ataque à missão comboniana de Chipene na Diocese de Nacala, em Moçambique, na noite de 6 de setembro, de que resultou a morte a tiro da religiosa Maria De Coppi, de 83 anos, “não é um evento isolado”, segundo informações oriundas da região, veiculadas pela agência católica Fides.

A agência sugere ainda que os interesses da União Europeia pelo gás moçambicano, agravados pela atual situação energética, estariam a levar o exercito de Moçambique a concentrar a defesa nos distritos de Palma e Mocímboa da Praia, deixando indefesas grande parte do Norte de Moçambique e respetivas populações.

As operações no distrito sul da província de Cabo Delgado e no distrito norte da província de Nampula tiveram início a 29 de Agosto, segundo a mesma fonte. “De facto, entre essa data e 7 de setembro foram registados quatro ataques em Ancuabe e Chure (Cabo Delgado) e quatro nos distritos de Memba (que inclui Chipene) e Erati (Nampula). Os atacantes visaram civis indefesos que trabalhavam nos seus campos, decapitando-os, com a clara intenção de espalhar o terror entre os habitantes”, refere a Fides.

Os objetivos dos insurgentes, tidos como ligados à autodeclarada província do Estado Islâmico em Moçambique, “foram alcançados”, já que “a população está desorientada e em grande sofrimento porque vive na incerteza e não sabe o que fazer – muitos fogem, mas não sabem para onde ir”, segundo o arcebispo de Nampula, Inácio Saure, citado pela agência.

Os terroristas parecem querer também “aliviar a pressão exercida pelas forças moçambicanas e seus aliados (principalmente os soldados enviados pelo Ruanda) nos distritos do norte de Cabo Delgado”, uma vez que, ao alargarem a área das operações, obrigam o exército regular a dispersar as suas forças.

De facto, as informações recolhidas localmente levam os observadores a considerar que as autoridades moçambicanas estão a dar prioridade à defesa dos distritos de Palma e Mocímboa da Praia, onde se concentram os campos de gás e petróleo do país.

“Não é por acaso que a União Europeia (que vê Moçambique como um importante futuro fornecedor de hidrocarbonetos) anunciou novas ajudas militares ao país”, observa a Fides.

Contudo, refere a mesma fonte, deixar os outros distritos do norte de Moçambique para os insurgentes, “corre o risco de colocar pelo menos parte da população do lado dos insurgentes jihadistas, com graves consequências para a estabilidade de toda a região”.

 

Papa homenageia a missionária assassinada

A notícia do assassinato da freira italiana tem originado forte comoção, em várias partes do mundo e até no Vaticano, especialmente porque ela, na sua idade avançada, fez questão de não abandonar a missão e as pessoas que à volta dela viviam perante a iminência do ataque.

O Papa Francisco, na oração do Ângelus, no último domingo, 11, prestou homenagem à missionária italiana Maria De Coppi, manifestando reconhecimento pelos seus quase 60 anos de missão e desejando que o seu testemunho “dê força e coragem aos cristãos e a todo o povo de Moçambique”.

Também a Conferência dos Bispos Católicos da África Austral (SACBC) enviou uma mensagem de condolências ao povo de Deus e à liderança da Igreja em Moçambique, em que expressa “tristeza profunda” pelo sucedido.

Para os bispos da SACBC, a religiosa assassinada “morreu mártir porque não abandonou os pobres mesmo em tempos tão difíceis”.

No ataque noturno em que morreu De Coppi, e que se prolongou por cinco horas, os terroristas destruíram e queimaram a missão de Chipene, incluindo a igreja, os pensionatos, a escola e a reitoria. Os padres e irmãs italianos que ali trabalhavam conseguiram, no entanto, evacuar 68 estudantes que viviam na missão.

(Na fotografia inicial, foto de arquivo mostrando grupos armados no Norte de Moçambique.)

 

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã novidade

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This