Em 2021 e pela primeira vez

Gastos militares mundiais ultrapassaram dois biliões de dólares

| 27 Abr 2022

armamento avião russia foto Kostafly

Os países que mais gastaram foram os Estados Unidos da América, a China, a Índia, o Reino Unido e a Rússia. Foto © Kostafly.

 

Os gastos militares globais totais atingiram em 2021 os 2,1 biliões de dólares (perto de 2 biliões de euros), o que representa um aumento de 0,7 por cento em termos reais e levou a ultrapassar uma fasquia que nunca tinha sido atingida. Os dados foram revelados na última segunda-feira, 25, em Estocolmo, pela SIPRI – Instituto Internacional de Investigação sobre a Paz, uma entidade reconhecida no campo, que há anos funciona também como observatório e que refere que se tratou do sétimo ano consecutivo de aumento dos gastos.

Os países que mais gastaram foram os Estados Unidos da América, a China, a Índia, o Reino Unido e a Rússia, cinco nações que, no ano findo, concentraram quase dois terços (62 por cento) dos gastos militares globais.

“No meio das consequências económicas da pandemia de covid-19, os gastos militares globais atingiram níveis recorde”, disse Diego Lopes da Silva, investigador sénior do Programa de Gastos Militares e Produção de Armas do SIPRI. “Em termos reais, houve uma desaceleração da taxa de crescimento, devido à inflação. No entanto, em termos nominais, os gastos militares aumentaram 6,1 por cento”, acrescentou o perito.

Numa análise mais pormenorizada, verifica-se que só os EUA gastaram 801 mil milhões de dólares. Neste que foi o primeiro ano da gestão do presidente Biden, ainda que com um orçamento previamente definido, registou-se uma queda ligeira (de 3,7 para 3,5 por cento) relativamente ao valor do PIB , em comparação com 2020. Em contrapartida, o setor da pesquisa e desenvolvimento militar aumentou 24 por cento.

A China, com o segundo maior orçamento militar do mundo, alocou cerca de 293 mil milhões, gastou mais 4,7 por cento do que no ano anterior, e está há 27 anos com esta rubrica de gastos públicos sempre a crescer.  Segundo os dados divulgados pelo SIPRI, esta tendência de crescimento verifica-se igualmente noutros importantes países da região, como é o caso do Japão (mais 7,3 por cento) e a Austrália (4 por cento).

“A crescente presença da China dentro e ao redor dos Mares da China Oriental e Sul tornou-se o principal fator nos gastos militares de países como Austrália e Japão”, diz Nan Tian, ​​pesquisador sénior do SIPRI. “Importa citar, por exemplo, o acordo de segurança trilateral AUKUS entre a Austrália, o Reino Unido e os Estados Unidos, que prevê o envio de oito submarinos movidos a energia nuclear para a Austrália por um custo estimado de 128 mil milhões de dólares”, salienta Tian.

O estudo do Instituto de Investigação para a Paz refere também que, no caso dos estados membros europeus da OTAN, apenas oito atingiram, em 2021, o objetivo da Aliança de dedicar pelo menos 2 por cento do seu PIB às forças armadas. Esse número era de nove em 2020 e de seis em 2014.

 

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos

Relatório da ONU alerta

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos novidade

O mais recente relatório da ONUSIDA, divulgado esta terça-feira, 29 de novembro,  é perentório: “o mundo continua a falhar à infância” na resposta contra a doença. No final de 2021, 800 mil crianças com VIH não recebiam qualquer tratamento. Entre os cinco e os 14 anos, apenas 40% tiveram acesso a medicamentos para a supressão viral. A boa notícia é que as mortes por sida caíram 5,79% face a 2020, mas a taxa de mortalidade observada entre as crianças é particularmente alarmante.

Gracia Nasi, judia e “marrana”

Documentário na RTP2

Gracia Nasi, judia e “marrana” novidade

Nascida em Portugal em 1510, com o nome cristão de Beatriz de Luna, Gracia Nasi pertencia a uma uma família de cristãos-novos expulsa de Castela. Viúva aos 25 anos, herdeira de um império cobiçado, Gracia revelar-se-ia exímia gestora de negócios. A sua personalidade e o destino de outros 100 mil judeus sefarditas, expulsos de Portugal, são o foco do documentário Sefarad: Gracia Nasi (RTP2, 30/11, 23h20).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This