Genocídio uigure: sobreviventes da Shoah pedem a Boris Johnson sanções contra a China

| 23 Fev 2021

Ruth Barnett, Dorit Oliver Wolf, Shoah, Genocídio, Uigures, China

Ruth Barnett e Dorit Oliver Wolf: “Se a emenda não for aprovada, a afirmação ‘nunca mais’ relacionada com a Shoah será uma promessa vazia.” Foto: Direitos reservados.

 

Duas sobreviventes da Shoah tornaram pública uma carta dirigida ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, na qual solicitam que este pressione os deputados do Partido Trabalhista a votarem favoravelmente a “emenda do genocídio” a incluir no Lei do Comércio Externo que na próxima semana deverá voltar, pela terceira vez, a ser debatida na Câmara dos Comuns do Parlamento britânico.

Ruth Barnett e Dorit Oliver Wolf escrevem na sua carta desta terça-feira, 23 de fevereiro, reproduzida no Jewish News que se a emenda não for aprovada, a afirmação “nunca mais” relacionada com o Holocausto se tornará numa “promessa vazia”.

De acordo com várias fontes, calcula-se que atualmente mais de um milhão de uigures (minoria muçulmana chinesa) foi forçado pelas autoridades de Pequim a concentrarem-se em campos de “reeducação”, sendo objeto de campanhas de esterilização, trabalhos forçados, vigilância reforçada e outros abusos. A “emenda do genocídio” foi proposta pela Câmara dos Lordes durante o processo legislativo da nova redação da Lei do Comércio Externo e determina que o Governo britânico não possa concluir ou manter algum tipo de tratado de livre comércio com um país que, reconhecidamente, pratique o genocídio. Tal reconhecimento será da competência do Supremo Tribunal.

Boris Johnson afirmou nos Comuns que o seu Governo concedia toda a prioridade à questão uigure nas relações do Reino Unido com a China, o que não o impediu, no entanto, de instigar os deputados do Partido Trabalhista a votarem contra duas alterações feitas pelos Lordes à Lei do Comércio Externo em debate. Uma das alterações proposta é exatamente a “emenda do genocídio”.

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This