Gonçalo Ribeiro Telles (1922-2020): Portugal de luto pelo ambientalista, católico antifascista e pensador do território

| 12 Nov 20

Gonçalo Ribeiro Telles

Gonçalo Ribeiro Telles. Foto CorreiaPM/Wikimedia Commons

“Decano da arquitectura paisagística em Portugal”, agrónomo, antigo deputado e ministro da Qualidade de Vida, primeiro artífice da legislação portuguesa que fundou a política de Ambiente, com destaque para a Reserva Agrícola Nacional e a Reserva Ecológica Nacional e antigo militante dos movimentos da Acção Católica Rural, Gonçalo Ribeiro Telles morreu nesta quarta-feira, 11 de Novembro. Tinha 98 anos, completados em Maio, e uma vida de dedicação à causa pública e ambiental. O Governo decretou um dia de luto nacional para esta quinta-feira.

Conhecida também a defesa que fazia do regime monárquico – foi fundador do Partido Popular Monárquico (PPM) –, foi, no entanto, pela sua preocupação ambientalista e de relação saudável entre ocupação humana e espaço urbano que a sua acção política e cívica mais se destacou (numa segunda etapa, viria a fundar o Movimento Partido da Terra). Aliás, para ele, o confronto rural/urbano não fazia sentido e foi nesse horizonte que sempre trabalhou.

Essa preocupação já a tinha há muito: em 1967, contestou publicamente a (falta de) política urbanística e do ordenamento do território que acabaria por estar na origem da tragédia das cheias de 1967 na região de Lisboa. Um ano antes, no número 34/35, da revista O Tempo e o Modo, feita por intelectuais católicos, o arquitecto publicara um artigo sobre “A cidade e a natureza viva”, onde já defendia o equilíbrio dos espaços urbanos, contra a invasão do betão – uma das suas lutas, a par da oposição à “eucaliptização” do país e às monoculturas florestais ou agrícolas.

Duas décadas antes, em 1946, escrevia, no jornal mensal O Arado. Voz dos Campos de Portugal, da Juventude Agrária Católica: “É a Família o núcleo fundamental da sociedade em que vivemos, sendo portanto a casa o seu complemento indispensável e a mais importante cadeia que liga o homem à terra que trabalha. A ela devemos pois ligar grande parte da nossa atenção e carinho, procurando que seja o alegre refúgio após um dia de labuta. (…) Um pequeno livro há pouco aparecido traz a verdadeira definição: ‘Uma casa rural é o elemento básico do bem-estar, alegria e prosperidade do trabalhador, o grande meio para a fixação à terra, para que reviva a tradição das famílias rurais’.”

 

Contra a ditadura, homem de dimensão humanista

Nascido em Lisboa, em 25 de Maio de 1922, Gonçalo Ribeiro-Telles licenciou-se em Engenharia Agrónoma. Iniciou na Universidade de Évora as licenciaturas de Arquitectura Paisagista e Engenharia Biofísica, tendo sido professor catedrático da mesma Universidade entre 1976 e 1992. Enquanto paisagista, a sua obra mais conhecida são os jardins da sede da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa e muitas das suas ideias percursoras estão plasmadas no seu primeiro livro, A Árvore em Portugal, escrito com Francisco Caldeira Cabral, sucessivamente reeditado e esgotado.

Na biografia na página Antifascistas da Resistência, no Facebook, Helena Pato lembra que desde jovem Ribeiro Telles se envolveu em movimentos de oposição ao regime do Estado Novo. “Monárquico católico com quem republicanos e agnósticos ou ateus dialogaram sempre amistosamente, na luta contra a ditadura”, “muito respeitado pela sua seriedade, é conhecido (…) também pela sua dimensão humanista e disponibilidade para partilhar conhecimentos.”

Ribeiro Telles “foi o grande mentor ideológico de uma política de paisagem, que se desenvolveu em Portugal na década de 60 [ainda antes de outros países], procurando uma relação íntima entre a Cultura e a Natureza”, deixando a sua marca na política do ambiente, no ordenamento do território, e na introdução em Portugal de conceitos como ecologia, biodiversidade ou recurso finito, escreve Helena Pato. “Devemos-lhe jardins urbanos aprazíveis, as hortas urbanas, a protecção legal da reserva natural e dos parques naturais, e também a frontal denúncia dos empórios do betão, da celulose e da energia.”

Essas várias dimensões de um homem multifacetado são tratadas na exposição O Mester da Paisagem, inaugurada no final de Junho e que é possível ver até 30 de Dezembro na igreja de S. José dos Carpinteiros e na Casa dos 24 (Rua de São José, na esquina com a Rua da Fé, em Lisboa), que procura mostrar precisamente “a obra e mestria de pensar e trabalhar a paisagem de Ribeiro Telles”. Um pensar que esteve muitas vezes à frente do seu tempo, como escrevia há pouco tempo no Público o arquitecto paisagista Fernando Santos Pessoa, colega, amigo e autor de uma fotobiografia de Ribeiro Telles e de uma selecção de Textos Escolhidos. E que destacava que as lutas do “marcaram a sociedade portuguesa”, com o seu carácter de “dignidade, a sabedoria e a humildade inata”.

 

Manifestos católicos, grupos monárquicos

Gonçalo Ribeito Telles. Foto: Direitos reservados.

A biografia escrita por Helena Pato, atrás citada, refere também o percurso de Ribeiro Telles nos movimentos católicos – muitas vezes cruzado com a oposição política à ditadura do Estado Novo. Membro fundador da Juventude Agrária Católica (hoje Juventude Agrária e Rural Católica), Gonçalo Ribeiro Telles envolveu-se, em 1959, na chamada Revolta da Sé, quando também subscreveu, “com mais quatro dezenas de católicos – entre os quais Francisco Sousa Tavares, João Bénard da Costa, Nuno Teotónio Pereira e Sophia de Mello Breyner Andresen –, uma carta dirigida ao Presidente do Conselho, Salazar, na qual se denunciavam os métodos da PIDE”.

Assinaria ainda o “Manifesto dos 101”, que congregava 101 católicos no apoio às posições da Oposição Democrática e, em 1958, apoiou a candidatura presidencial de Humberto Delgado.

Em simultâneo, Ribeiro Telles envolveu-se ou ajudou a criar vários grupos monárquicos, o que culminaria, depois de 25 de Abril de 1974 e da instauração da democracia em Portugal, com a criação do Partido Popular Monárquico (PPM), a cujo directório presidiu. Exerceu as funções de deputado e teve cargos em vários governos, incluindo, entre 1983-85, o de ministro de Estado e da Qualidade de Vida. O artigo 66 da Constituição da República diz, no ponto 1, algo que se fica a dever também ao ambientalista: “Todos têm direito a um ambiente de vida humano, sadio e ecologicamente equilibrado e o dever de o defender.”

 

Paisagens e marchas que devemos a Ribeiro Telles

Foi na qualidade de ministro que “criou as zonas protegidas da Reserva Agrícola Nacional, da Reserva Ecológica Nacional e lançou as bases do Plano Director Municipal.” Em 1984 ainda fundou o Movimento Alfacinha, para se candidatar à Câmara Municipal de Lisboa, sendo eleito como vereador.

Além dos jardins da Gulbenkian (pelos quais recebeu o Prémio Valmor, em 1975), e entre muitos outros, Ribeiro Telles desenhou o projecto de estrutura verde para a cidade de Nova Lisboa (actual Huambo, Angola) ainda em 1970, o plano de urbanização do Vale das Abadias e do Galante (Figueira da Foz, em colaboração com Alberto Pessoa) o planeamento da zona de Quarteira-Albufeira e da ilha de Armona, no Algarve (em colaboração com o arquitecto Frederico George), o Jardim do Tanque Palácio de Mateus (Vila Real, 1960) e o Jardim Amália Rodrigues (Lisboa, 1996). Defensor e impulsionador da ideia das horas urbanas, entre 1998 a 2002 coordenou na Câmara Municipal de Lisboa uma equipa técnica responsável por projectos relativos às estruturas verdes do Vale de Alcântara e Radial de Benfica, Vale de Chelas, Parque Periférico, Corredor Verde de Monsanto e Integração na Estrutura Verde Principal de Lisboa, e da Zona Ribeirinha Oriental e Ocidental.

Já com 90 anos, e apesar de ter trabalhado sempre em Portugal, recebeu, em 2013, o prémio Sir Geoffrey Jellicoe, atribuído na Nova Zelândia, considerado o nobel do paisagismo, como recorda o Público. Onde também se recorda que, no documentário de 2013, Em Nome da Terra, Gonçalo Ribeiro Telles dizia: “A inquietação tem que existir. Todos estamos numa marcha. Em que altura da marcha estamos, não sei”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Bons espíritos sustentam que a poesia ocidental fala quase exclusivamente de amor e de morte. Não seria, também por isso, de estranhar o tema do poema inédito de Joan Margarit, que poderá ter sido escrito no período em que o autor teve de enfrentar o cancro que o vitimaria.

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Cardeal Tolentino vence Prémio Universidade de Coimbra

O Prémio Universidade de Coimbra foi atribuído ao cardeal José Tolentino Mendonça, anunciou a instituição nesta quinta-feira, 25. O reitor, Amílcar Falcão, referiu-se ao premiado como “uma figura ímpar, uma pessoa de cultura com uma visão social inclusiva.”

Recolha de bens e fundos para Pemba continua em Braga até 31 de março

O Centro Missionário Arquidiocesano de Braga – CMAB decidiu prolongar até 31 de março a campanha para recolha de bens a enviar para Moçambique, onde serão geridos e distribuídos pela Diocese de Pemba, para apoiar “o meio milhão de pessoas deslocadas que fogem das suas aldeias atacadas por um grupo sem rosto.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Prémio para trabalhos académicos sobre templos cristãos

Um prémio no valor de 1.000 euros e uma bolsa de estudo para um estágio de três meses no atelier Meck Architekten (Munique) vai ser atribuído pela Fundação Frate Sole à melhor tese de licenciatura, mestrado ou de doutoramento sobre uma igreja de culto cristão.

Entre margens

Servir: lavar as mãos, lavar os pés, lavar o coração novidade

Depois de alguma leitura, aquela conversa não me saía da cabeça. Lembrei-me do ritual do “Lava pés”, que teve lugar na última ceia de Jesus Cristo, na qual Ele ensinou-nos, entre outras coisas, a partilhar o pão e o vinho (a comida) e a servir (lavou os pés aos seus discípulos). Lembrei-me também de uma tradição ocidental, segundo a qual quando alguém vai à casa de outrem pela primeira vez, a dona de casa deve servir ao visitante o “primeiro copo”. Por ser de “bom tom”, é cortês. E é, porque abre o à vontade ao visitante.

Como o “bicho” mexe com a prática religiosa

A verdade é que um de cada três cristãos praticantes americanos parou de frequentar a igreja com a pandemia, apesar da evidência de que a comunidade de fé exerce um efeito integrativo do ponto de vista social, de estabilização emocional e promove o encorajamento e a esperança dos indivíduos. Curiosamente, as gerações mais novas apresentaram mais dificuldades na substituição das celebrações presenciais pelas online, eventualmente devido a uma maior necessidade gregária.

Direitos Humanos das Pessoas Idosas. Importa-se de repetir?

Todos os textos são incontroversos, lembram que os idosos têm direito a trabalhar ou a ter uma fonte de rendimento, a viver com dignidade e segurança, a poder residir em casa pelo máximo de tempo possível, a formar associações que defendam os seus interesses ou a aceder a programas educacionais próprios; e reafirmam que os mais velhos contribuem para o desenvolvimento das sociedades de que fazem parte (tem o seu quê de irónico, dada a média etária dos “líderes mundiais”).

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This