Ateu e homem de diálogo

Gorbachov: A religião não é ópio do povo

| 31 Ago 2022

papa joao paulo II e michail gorbachov no vaticano em dezembro de 1989 foto vatican media

Michail Gorbachov com o Papa João Paulo II, no Vaticano, em dezembro de 1989. Gorbachov era ateu, mas um homem de diálogo. Foto © Vatican Media.

 

Ele chegou a Assis incógnito como qualquer outro peregrino, Michail Gorbachov, em 15 de março de 2008, e passou pela porta da Basílica de São Francisco. Quem sabe quantos “personagens” entram na nossa Basílica sem dizer nada a ninguém, sem serem notados, como verdadeiros peregrinos, e partem depois de terem percorrido em poucos metros um extraordinário caminho de espiritualidade – de fé, para muitos – e de cultura!

Foi um frade espanhol, o padre Antonio Ruiz, que estava de serviço na Basílica, que percebeu naquele dia a presença na igreja do último líder soviético. Imediatamente ligou para o padre Miroslavo Anuskevic, um lituano, conhecedor da língua russa, que se aproximou de Gorbachov. Eu estava na sala de imprensa, quando eles me chamaram. Depois chegou também o Custódio, padre Vincenzo Coli, recém-chegado de Roma.

Fiquei impressionado com a simplicidade deste homem. Fomos à cripta, ao túmulo de São Francisco, onde ele fez uma paragem bastante demorada, em recolhimento. Depois subimos à Basílica superior, seguindo cena após cena o ciclo de Giotto da Vida de São Francisco. O padre Miroslavo explicou as cores e figuras dos frescos.

Diante da cena do despojamento de Francisco – a sua renúncia à posse de coisas materiais e opção pela pobreza – ele [Gorbachov] quis parar por mais alguns segundos. Tomei emprestada uma frase famosa de Erich Fromm para comentar sobre a performance: “Aqui está o momento da escolha radical de Francisco entre ser ou ter”.

Depois passeámos pelo pórtico e, finalmente, sentámo-nos na sala: o padre Vincenzo, o padre Miroslavo, Gorbachov e eu. Conversámos sobre muitas coisas: sobre a Rússia, sobre a relação entre fé e política. Gorbachov expressou uma admiração muito forte por São Francisco, dizendo que estava “agradecido por estar num lugar tão importante, não apenas para a fé católica, mas para toda a humanidade. O testemunho de Francisco comunica uma grande tensão de espiritualidade”. Afirmou que estava “fascinado” por São Francisco, enfatizando que “a sua história é muito mais bela do que [são] os tempos de hoje”.

Houve um pouco de sensacionalismo [“giallo“] em torno desta visita. Um jornal nacional, referindo-se ao recolhimento de Gorbachov junto ao túmulo do santo, chegou a falar de conversão, intitulando O irmão Gorbachov em oração em Assis. Esse artigo foi replicado por alguns jornais estrangeiros. Um grande mal-entendido. Essa visita foi “motivo de alegria e esperança”, nas palavras do Custódio do Sagrado Convento, padre Coli, que definiu Gorbachov como “um homem de diálogo, certamente”.

Alguns dias depois, Gorbachov foi a Turim para o Fórum Político Mundial. Ainda trazia consigo as imagens da sua visita a Assis: «Fiquei muito impressionado com o grande número de peregrinos de todo o mundo que vi». Em seguida, voltou à sua suposta conversão, dizendo: “Eu venho de uma família ortodoxa e sou batizado, mas fui e continuo a ser ateu. No entanto, não posso afirmar, como os meus antecessores, que a religião é o ópio do povo. A questão é muito mais complexa».

Ateu e homem de diálogo, Gorbachov.

[Excerto do livro do padre Enzo Fortunato, Vado da Francesco, Mondadori, publicado no site San Francesco]

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This