Para reforçar nacionalismo hindu

Governo Modi censura livros escolares

| 17 Jul 2022

Uma menina escreve no quadro numa escola na Índia. Foto © Nikhita S | Unsplash

Foram retirados dos manuais referências a feitos de outras religiões. Foto © Nikhita S | Unsplash

 

O governo do primeiro-ministro Narendra Modi deu novo passo na sua campanha de hostilização às comunidades não hindus retirando do programa escolar (de anos que correspondem ao básico e secundário português) vários episódios da história da Índia especialmente importantes para a comunidade muçulmana.

O Ministério de Educação emitiu uma nota no mês de junho em que impõe a eliminação nos livros de textos das referências a factos tão díspares como a expansão do Império Mogol na Índia (séc. XVI até ao Séc. XIX), os distúrbios de Gujarat em 2002 (em que foram mortas mais de mil pessoas, a maioria muçulmana) e a emergência nacional imposta em 1975 que permitiu uma onda de forte repressão contra a minoria Sikh, noticiou no dia 17 de junho The Muslim Times.

Esta nova revisão da história e da política indiana que pode ser ensinada nas escolas tem lugar dois meses depois da decisão ministerial de remover capítulos sobre a ascensão dos impérios islâmicos em territórios afro-asiáticos, sobre as crónicas dos tribunais mogóis e também sobre a origem e desenvolvimento do movimento dos Não-Alinhados, da Guerra Fria e da revolução industrial.

Já quando governava o Estado de Gujarat (Oeste da Índia), entre 2001 e 2002, Narendra Modi ficou conhecido pelo seu nacionalismo hindu radical e pelos constantes ataques verbais às minorias muçulmanos e cristãs, assim como por tolerar agressões violentas perpetradas contra estes grupos religiosos. Os ataques, assassínios, tumultos e a intimidação a muçulmanos e cristãos têm vindo a crescer desde 2014, ano em que Modi foi pela primeira vez empossado como primeiro-ministro, sem que o Governo tome medidas para reduzir a conflitualidade religiosa [ver 7MARGENS]. Pelo contrário, como noticia o Dhaka Tribune, citando uma fonte americana: “as autoridades indianas ignoram ou até apoiam os ataques crescentes a pessoas e locais de culto [cristãos e muçulmanos] no país.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco

Terminou o encontro em Assis

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco novidade

“Espero por vocês em Assis.” Assim terminava a carta que o Papa escreveu aos jovens em maio de 2019, convidando-os a participar na Economia de Francisco. Apesar de uma pandemia o ter obrigado a adiar dois anos este encontro, e ainda que as dores no joelho o tenham impedido de vir pelo seu próprio pé, Francisco cumpriu a sua promessa, como só os verdadeiros amigos sabem fazer. Este sábado, 24, logo pela manhã, chegou à cidade de Assis para se juntar aos mil participantes do encontro A Economia de Francisco. Escutou atentamente os seus testemunhos e preocupações, deu-lhes os conselhos que só um verdadeiro amigo sabe dar, selou com eles um pacto e até reclamou por não terem trazido cachaça (bem sabemos que é próprio dos amigos rabujar e fazer-nos rir). Mas sobretudo provou-lhes que acredita neles e que é com eles que conta para fazer do mundo um lugar melhor.

Agenda

Fale connosco

Autores