Greta não está sozinha em Casa

| 26 Set 19

Greta Thunberg no seu discurso perante a Cimeira do Clima na ONU, numa foto captada da imagem vídeo.

 

Onde os vemos? Nas primaveras, em contestação nas ruas, nos novos movimentos desinstitucionalizados de protesto – anticapitalista, antiglobalização, anticorrupção, antiviolência, anti… –, nas greves estudantis, nas lutas contra a discriminação e as desigualdades, na vivência ou procura de uma liberdade que quebra velhos (pre)conceitos, a dar voz à emergência climática, nas opções alimentares, na generosidade do voluntariado…

Paternalista, a geração estabelecida continua a relativizar a geração que desperta, perdeu a iniciativa mas não aceita que quem lhe sucede grite e desponte na reconstrução de valores e causas.

É um hábito comparar a experiência de uma juventude passada à juventude presente, mas neste exercício prevalece uma cegueira de soberba. “Eles sabem lá, no meu tempo nem havia telemóveis.” Não pode retirar-se a circunstância dessa comparação. Entre os “veteranos” e os “Z”, a sociologia ensaia novas teorias geracionais e parte de uma verificação: com a tecnologia, adaptada à educação ou revolucionária dos modelos relacionais, nunca a humanidade teve tanto mundo e tanto acesso.

Greta Thunberg não está sozinha e, como tantos outros miúdos que querem mudar o mundo – Malala Yousafzai, Emma González, Luisa Neubauer, Jack Andraka, Amila George, Genesis Butler… incomparáveis no contexto e na cultura, semelhantes na vontade –, denuncia o paradoxo: conhecemos mais, sabemos como fazer, mas manifestamos uma chocante ineficácia política para resolver ou, pelo menos, tentar. Este ativismo juvenil cresce e cria, temos de o admitir, dinâmicas de organização que deixam a generosidade e a ingenuidade mais susceptíveis. Mas quem se fixa apenas nesta consequência perde o foco.

Numa mensagem à Cimeira do Clima, onde a raiva da jovem ativista sueca, com síndrome de Asperger, contrastou com a indiferença dos destinatários, Francisco voltou a pressionar a ferida. O Papa que deu ao mundo a encíclica Laudato Si – documento que será referência, quando, já tarde, se relerem sinais e reflexões que a governança desvalorizou – é já um pivô na defesa da Casa Comum. Num vídeo de cinco minutos, sintonizou-se pragmaticamente com o inevitável: “O futuro é deles [gerações futuras], não é nosso!”

A (im)paciência das novas gerações ativistas é proporcional à natural capacidade de sonhar, de atalhar caminhos e não aceitar fracassadas formas de ser e de estar. Alguns não conhecem o passado de lutas e conquistas dos direitos universais, mas todos vivem intensamente o hoje, com as contingências e perplexidades do presente. Sentem-se vítimas de modelos de desenvolvimento assentes na exploração dos recursos naturais, que exaltam o supérfluo e a ganância consumista.

Aos 82 anos, Bergoglio mantém o otimismo – “a janela de oportunidade está ainda aberta, ainda vamos a tempo” –, mas partilha a irreverência das novas gerações ativistas. Também ele revela impaciência quando questiona “se há uma verdadeira vontade política para destinar maiores recursos humanos, financeiros e tecnológicos para mitigar os efeitos negativos da mudança climática e ajudar as populações mais pobres e vulneráveis”.

Não é desejável uma fratura geracional, nem se avista esse risco, mas é perigoso e injusto menosprezar a adesão das novas gerações à causa planetária, remetendo o fenómeno para o mero painel da caricatura mediática. Na era das redes fluídas, há muitas e perigosas seduções, disfarçadas de caminho alternativo…

Sim, sinto o murro no estômago dado por Greta. Sim, acredito na geração que protesta. Sim, compreendo as suas frustrações. Sim, têm razão para denunciar e agir. Atrevam-se. Como diz o Papa, há uma “multiplicidade de soluções que estão ao alcance de todos, se adoptarmos a nível pessoal e social um estilo de vida que encarne a honestidade, a valentia e responsabilidade.”

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Suécia: Católicos e Luteranos unidos em primeiro retiro ecuménico online novidade

O bispo católico de Estocolmo e a bispa luterana de Uppsala organizaram um retiro espiritual ecuménico onde poderão participar fiéis de ambas as igrejas. O encontro decorrerá online e tem como objetivo que católicos e luteranos “rezem juntos e mergulhem numa dimensão espiritual num momento que é de stress e preocupação”. De acordo com o Vatican News, a iniciativa de Anders Arborelius e Karin Johannesson (referida pelo portal do Vaticano como “episcopisa”) é “inédita”.

Igreja organiza seminários virtuais sobre proteção de menores novidade

“Por uma Igreja mais segura” é o lema de uma série de webinars dedicados à proteção de menores que se inicia esta sexta-feira, 29 de maio, no site da Pontifícia Universidade Gregoriana. Organizados pela Conferência Internacional de Salvaguarda, os encontros virtuais dirigem-se a todos os profissionais da Igreja ou de instituições a ela ligadas e pretendem ser um contributo para o reforço das boas práticas na área da proteção de menores, em todo o mundo.

Este sábado, católicos rezam terço com o Papa para enfrentar a pandemia novidade

O Papa Francisco vai rezar o terço este sábado, 29 de maio, pelas 16h30 (hora de Portugal), a partir da gruta de Lourdes, nos jardins do Vaticano, e a ele estarão unidos santuários marianos de todo o mundo. A oração global, que tem como principal intenção “invocar a intercessão da Virgem para o fim da pandemia”, poderá ser seguida através do Facebook e do Youtube, e contará com comentários em português, anunciou o Vatican News.

Guterres manifesta “profundo reconhecimento” ao Papa Francisco novidade

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, expressou, numa entrevista exclusiva aos meios de comunicação do Vaticano, o seu “profundo reconhecimento ao Papa Francisco” pelo apoio dado ao apelo de cessar-fogo global, mas confessou que, apesar de ter recebido também o apoio de inúmeros governos, instituições, outros líderes religiosos, e até de grupos armados, “a desconfiança continua a ser grande e é difícil traduzir estes compromissos em ações que façam a diferença”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Inimigos e rivais de longa data unem-se contra um adversário maior

Inimigos e rivais de longa data unem-se contra um adversário maior

Ofertas de material hospitalar ou de protecção, troca de pessoal médico, um judeu e um muçulmano que param ao mesmo tempo para rezar juntos e uma música gravada para apoiar uma organização de voluntários judeus, muçulmanos e cristãos. A pandemia serve também para que rivais, inimigos ou “diferentes” colaborem uns com os outros e esqueçam divergências.

É notícia

Entre margens

A Senhora mais brilhante do que o Sol novidade

Quem é afinal Maria de Nazaré, a escolhida por Deus para encarnar a nossa humanidade? Os Evangelhos referem-na poucas vezes. Esse silêncio dá mais espaço à nossa criatividade e até a um certo empossamento da Mãe de Jesus. Em torno da sua figura construímos aquilo a que poderíamos chamar “questões fraturantes” entre cristãos. Mais importante que dogmas e divergências é atendermos à figura de Maria. Quem é que ela é, ou pode ser, para nós?

Evangélicos e Chega: separar as águas novidade

Em todo o debate público levantou-se novamente a questão da identidade evangélica, cuja percepção é complexa até para os próprios evangélicos e sobretudo para a maioria dos portugueses, cuja cultura religiosa é essencialmente católica-romana. Grande parte da percepção pública dos evangélicos deriva dos soundbites brasileiros e norte-americanos, onde há de facto lobbies evangélicos e ultra-conservadores, como a “Bancada Evangélica” ou o “Tea Party”. A isso, acrescenta-se a difusão dos canais de televisão e rádio neopentecostais, o que colabora para a criação de estereótipos sobre os evangélicos no seu todo.

“Fake religion”

Para que uma falsificação faça sentido e seja bem-sucedida tem que juntar pelo menos duas condições. Antes de mais, o artigo a falsificar tem de estar presente no mercado e em segundo lugar tem que representar valor comercial. Ora, o mercado religioso existe e está bem de saúde, para desespero dos neo-ateístas. E de cada vez que surge uma catástrofe, uma guerra ou uma pandemia mortal a tendência geral dos indivíduos é para recorrerem ao discurso religioso, procurando encontrar aí um sentido para o drama que estão a viver, porque o ser humano necessita de encontrar um sentido no que vê e sente acontecer à sua volta.

Cultura e artes

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário novidade

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

O perdão, a maior alegria de Deus

Há experiências cuja reflexão sobre elas exige humildade e coragem: experiências que marcam a nossa história e o nosso quotidiano, e das quais qualquer pensamento pode pecar pela superficialidade ou pelo idealismo. O perdão é uma dessas experiências. É por isso um ato de coragem a proposta – tão breve como significativa! 112 páginas em formato de bolso – do monge italiano Enzo Bianchi.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco