“Greve” das católicas na Alemanha com lenços brancos nos bancos das igrejas

| 13 Mai 19 | Cristianismo, Destaques, Igreja Católica, Newsletter, Religiões e Mulheres, Últimas

Ícone da campanha Maria 2.0; ilustração de Lisa Kötter.

(Foto de abertura: Votação em assembleia da KFD, Assembleia Nacional de Mulheres Católicas da Alemanha; foto © kfd/Kay Herschelmann)

 

“Nós, as mulheres, queremos uma verdadeira renovação da nossa Igreja. Queremos participar na sua vida e nas suas decisões. Queremos que todos possam seguir a sua vocação, como irmãs e irmãos, com os olhos postos em Jesus Cristo, que nos deixou o encargo de tornar visível no mundo o amor de Deus” – assim se apresentam em manifesto as mulheres que lançaram a iniciativa Maria 2.0  e o apelo à “greve” das mulheres na Igreja Católica, convocada para esta semana, entre sábado passado, dia 11, e o próximo, dia 18 de Maio.

O apelo à “greve” fez com que no último fim-de-semana muitos lugares nas Igrejas ficassem vazios. Em muitas delas, havia lenços brancos nos bancos a assinalar ausências. No exterior das Igreja, nas praças e nos adros, houve celebração, partilha, canto, mulheres vestidas de branco, lenços brancos em cadeia…

Embora seja difícil avançar com números ou estimativas, parece que a iniciativa acertou em cheio com o sentimento actual de muitas mulheres católicas. Em declarações ao 7MARGENS, Lisa Kötter, umas das iniciadoras e porta-voz da iniciativa, calculava em mais de mil os grupos que em toda a Alemanha participaram, além de outros que aderiram à iniciativa também na América Latina ou em Nova Iorque. Só em Münster, a cidade onde tudo começou, eram cerca de mil mulheres na praça da catedral. De muitas outras cidades chegam notícias de grupos activos, com uma adesão considerável.

Porquê uma “greve”? Lisa Kötter reconhece que a palavra greve não será a melhor. Não se trata de não comparecer, antes pelo contrário. As mulheres querem participar e, como gesto, vêm e ficam de fora, nos adros, nas praças, para denunciar aquilo que está a acontecer na Igreja. “Sentimo-nos magoadas pelo facto de, na Igreja, serem os homens a dizer-nos aquilo para que Deus nos chama”, acrescenta Lisa Kötter. “A Igreja está a perder tanto, em espiritualidade, em vitalidade, em força, por deixar de lado mais de metade dos seus fiéis, as mulheres”, acrescenta.

O porta-voz da Conferência Episcopal Alemã, Mathias Kopp, em declarações a uma cadeia de TV, em Roma, dizia que os bispos alemães levam a sério esta iniciativa e vêem a necessidade de mudanças, mas consideram que a Igreja tem de reformar-se passo a passo, no diálogo. Alguns bispos lamentam que o apelo à greve inclua mesmo a ausência da missa dominical, mas afirmam compreender a necessidade de provocar com sinais deste tipo.

Reagindo à pressão dos leigos, e sobretudo das mulheres, e numa tentativa de ultrapassar a crise provocada pelos abusos de poder na Igreja, os bispos alemães anunciaram abrir um sínodo de diálogo com alargada participação de todos e todas, sem temas-tabu. A abertura dos ministérios ordenados às mulheres é o ponto mais crítico deste diálogo, conhecidas que são as reservas do Papa ao tema. Muitas mulheres temem que não se passe das palavras bonitas.

Esta “greve” de uma semana, independetemente da adesão que venha a conseguir, é sem dúvida uma “irritação”, mas uma “irritação necessária, mais que necessária”, comenta um dos grandes jornais alemães, o Süddeutsche Zeitung, referindo-se a esta “greve” das mulheres.

Maria 2.0  conta com a adesão das mulheres comuns que, semana a semana, enchem as igrejas e animam as comunidades. Na liturgia, na catequese, na Cáritas, nos serviços de acolhimento, as paróquias contam com elas. E elas sentem que a Igreja continua a ignorá-las e exigem mais. Exigem a abertura dos ministérios às mulheres, começando pelo diaconato; exigem a partilha dos lugares de decisão, a todos os níveis e em todas as instâncias.

A ideia desta iniciativa surgiu em princípios deste ano, como reacção às últimas notícias sobre todo o escândalo dos abusos de poder na Igreja Católica. Escreveram uma carta ao Papa, que ainda pode ser assinada como petição. E avançam agora com gestos concretos de denúncia de uma situação que muitas consideram insuportável. “A nossa paciência está a chegar ao fim”, resumia Claudia Lücking-Michel, vice-presidente do Comité Central dos Católicos alemães. E com esta posição haverá muitas mulheres católicas a identificar-se. “Os bispos pensam que esta é mais uma bola de sabão, mas enganam-se. Vamos continuar, porque o desejo profundo de renovação e mudança na Igreja é muito, muito grande!”, assegura Lisa Kötter.

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Formação avançada em património religioso lançada na Católica novidade

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Cinco cristãos libertados na Índia depois de 11 anos presos por acusações falsas

Cinco cristãos indianos que tinham sido presos em 2008 com acusações falsas, na sequência da morte de Swamy Laxmananda Saraswati em Kandhamal (distrito de Orissa, a quase 700 quilómetros de Calcutá) foram agora libertados, onze anos depois das condenações e quatro anos depois de, em 2015, testemunhos apresentados por dois polícias terem levado à consideração da falsidade das acusações.

Igreja Católica em Espanha tem de “relançar compromisso” com os migrantes, pede responsável das Migrações

O diretor da Comissão de Migrações da Conferência Episcopal Espanhola, José Luis Pinilla, pediu o “relançamento do compromisso” da Igreja Católica em Espanha com os migrantes, fazendo frente à “xenofobia”. Numa conferência sobre Juan Antonio Menéndez, o antigo bispo e presidente desta comissão que morreu em maio de 2019, Pinilla afirmou que é necessária uma Igreja mais comprometida com os migrantes e lembrou os ensinamentos de Menéndez.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Aprender a dizer amor

Jorge Jesus, treinador do Flamengo, o mais falado clube nos últimos dias, afirmou: “No Brasil aprendi a dizer amor… Em Portugal é uma complicação para dizer amor. Quero desfrutar desse amor”. Sim, mas porque será tão difícil aos portugueses dizê-lo?

Cultura e artes

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

Dois Papas é um filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (A CIdade de Deus) que, através de uma conversa imaginada, traduz a necessidade universal de tolerância e, mesmo sendo fantasiado, o retrato das duas figuras mais destacadas da história contemporânea da Igreja Católica. O filme, exclusivo no Netflix, retrata uma série de encontros entre o, à altura, cardeal Jorge Bergoglio (interpretado por Jonathan Pryce) e o atual Papa emérito Bento XVI (interpretado por Anthony Hopkins).

Livro sobre “o facto” Simão Pedro apresentado em Lisboa

Um livro que pretende ser “um testemunho, fruto de uma meditação” sobre a vida do apóstolo Pedro, será apresentado nesta segunda-feira, 2 de Dezembro, em Lisboa (Igreja paroquial de Nossa Senhora de Fátima, Av. Berna, 18h30). Da autoria do padre Arnaldo Pinto Cardoso, Simão Pedro – Testemunho e Memória do Discípulo de Jesus Cristo pretende analisar o “facto de Pedro” que se impôs ao autor, fruto de longos anos de estadia em Roma, a partir de diferentes manifestações.

A primeira poetisa da Europa

Comparada a Homero; segundo Platão, a décima Musa. Era «a Poetisa», tal como Homero era «o Poeta». Manuscritos, nunca os vimos. Provavelmente, queimados, devido ao fanatismo de eclesiásticos bizantinos. Só alguns poemas inteiros chegaram até nós; o resto são fragmentos. Porque nos fascina ainda, uma frase, um verso, passado 2600 anos?…

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Dez
9
Seg
Falar de vida e fé – Leonor Xavier conversa com Maria Antónia Palla @ Capela do Rato
Dez 9@18:30_19:45
Dez
10
Ter
Apresentação do livro “Os dons do Espírito Santo”, de frei João de São Tomás @ Livraria da Universidade Católica Portuguesa
Dez 10@17:30_18:30

O livro será apresnetado por Manuel Cândido Pimentel, professor da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa.

Dez
11
Qua
Apresentação do livro “John Henry Newman”, de Paolo Gulisano @ Capela do Rato
Dez 11@21:15_22:15

O cardeal Newman testemunhou, na Inglaterra do século XIX, uma prodigiosa aventura intelectual e espiritual de diálogo ecuménico (entre a Igreja Católica e a Igreja Anglicana). Reclamava uma fé lúcida, inteligente, em diálogo com a cultura e a tradição patrística (o passado). Antecipou o Vaticano II com a sua compreensão da soberania da consciência. Foi um motivar da intervenção dos leigos na sociedade do seu tempo. A sua recente canonização, em 13 de Outubro, pelo Papa Francisco, é estimulo para se aprofundar o seu pensamento e a novidade do seu testemunho.

O livro será apresentado pelo padre António Martins (Faculdade de Teologia/Capela do Rato) e Artur Mourão, filósofo, tradutor de Newman e membro do Centro de EStudos de Filosofia. O debate é moderado por Nuno André.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco