Greve de escolas católicas e toque de sinos como formas de protesto no Haiti

| 21 Abr 2021

Na sexta-feira ao meio dia, os sinos das igrejas de todo o país tocarão para simbolizar, no plano nacional, a exigência de libertação do grupo de religiosos raptados. Foto: Direitos reservados.

 

Começou esta quarta-feira e termina na sexta, 23, um segundo protesto-greve de pressão pela libertação de um grupo de religiosos raptados no passado dia 11 nos arredores de Porto Príncipe, no Haiti, convocada pela Conferência Episcopal do país.

Na sexta-feira ao meio dia, os sinos das igrejas de todo o país tocarão para simbolizar, no plano nacional, esta exigência de libertação, tal como já aconteceu na semana passada.

Estão fechadas todas as escolas e universidades da responsabilidade da Igreja Católica, enquanto as instituições de saúde manterão um funcionamento normal. Os padres continuarão também a celebrar.

Vários meios de comunicação divulgaram no domingo e segunda-feira que os raptores teriam libertado um dos membros do grupo sequestrado, mais precisamente a mãe de um dos sacerdotes, que não estaria a passar bem. Esta informação foi, no entanto, desmentida por uma ordem religiosa ligada ao caso.

A Igreja recusou o milhão de dólares que os raptores exigiram para o resgate e requer a libertação imediata dos cinco sacerdotes, duas religiosas e três familiares, que viajavam para um ato religioso, na altura em que foram levados por um gangue, dos muitos que controlam várias zonas do país e que têm multiplicado os sequestros, em particular desde 2019.

O novo Governo do Haiti, que tomou posse em meados da semana passada, decidiu, entretanto, tomar algumas medidas de carácter social e abrir-se à negociação de uma subida de salários, como forma de baixar a tensão social e a contestação política.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This