Em três meses

Grupo Vita recebeu 48 denúncias de violência sexual

| 23 Ago 2023

Rute Agulhas, abusos sexuais

Rute Agulhas, psicóloga e coordenadora do Grupo Vita de acompanhamento das vítimas de abuso na Igreja. Foto © Agência Ecclesia

 

O Grupo Vita recebeu, em três meses de funcionamento, 48 denúncias de violência sexual contra crianças e adultos vulneráveis no contexto da Igreja Católica em Portugal, de acordo com um “balanço” feito em comunicado enviado ao 7MARGENS.

Esta entidade informou, por outro lado, que mais de 30 vítimas deram já o seu consentimento informado para prosseguir com a informação para as autoridades competentes, com vista a posterior procedimento canónico e civil, nomeadamente as comissões diocesanas e institutos religiosos, no primeiro caso, e a Procuradoria-Geral da República, no caso de procedimento civil. “Excetuam-se os casos em que o suspeito já faleceu ou em que já decorreu, no passado, um processo de investigação penal”, explica o comunicado. 

Em paralelo, acrescenta o Grupo coordenado por Rute Agulhas, cerca de 20 vítimas de violência sexual estão em fase de encaminhamento para apoio psicológico e psiquiátrico, junto dos profissionais que integram a chamada Bolsa do Grupo Vita.

Esses profissionais beneficiaram já de uma formação inicial que vai repetir-se em duas datas distintas, já no próximo mês de setembro. Posteriormente, os referidos profissionais irão beneficiar de formação aprofundada e de supervisão clínica, explica o texto. 

Além de entender os pedidos de ajuda já recebidos como “um sinal claro de confiança” no seu trabalho, o Grupo Vita apela a que mais vítimas peçam ajuda (tel. 91 509 0000). “Estamos aqui para as escutar, acompanhar e encaminhar”, refere na mensagem enviada.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta

Sínodo sobre a sinodalidade

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta novidade

Apontar para a criação de novos ministérios na Igreja Católica e repensar os já existentes, apostando na formação de leigos para esse fim e tornar os conselhos pastorais efetivos nas comunidades cristãs, com funções consultivas, mas também “executivas” são alguns dos caminhos propostos pela Arquidiocese de Braga, no âmbito da consulta sinodal tendo em vista a segunda sessão do Sínodo sobre a Sinodalidade, que ocorrerá em outubro, no Vaticano. [Texto de Manuel Pinto]

Todos são responsáveis pela missão da Igreja

Relatório síntese do Patriarcado para o Sínodo

Todos são responsáveis pela missão da Igreja novidade

A necessidade de todos serem responsáveis pela missão da Igreja; o lugar central da família; a atenção às periferias humanas; a importância de ouvir as vozes dos que se sentem excluídos; o reforço dos Conselhos Pastorais Paroquiais; e a promoção da participação das mulheres nos ministérios, incluindo a reflexão sobre “a matéria pouco consensual” da sua ordenação – são alguns dos temas referidos no documento elaborado pela comissão sinodal do Patriarcado de Lisboa no âmbito da preparação da segunda assembleia do Sínodo sobre a sinodalidade.

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra

“Aumento acentuado”

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra novidade

O número de crianças mortas em território ucraniano devido à guerra com a Rússia está a subir exponencialmente. Em março, pelo menos 57 crianças morreram e, já durante os primeiros dez dias de abril, 23 perderam a vida. “A UNICEF está profundamente preocupada com o aumento acentuado do número de crianças mortas na Ucrânia, uma vez que muitas áreas continuam a ser atingidas por ataques intensos, 780 dias desde a escalada da guerra”, afirma Munir Mammadzade, representante na Ucrânia desta organização das Nações Unidas de apoio humanitário à infância.

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos

Dominicanas do Espírito Santo, em França

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos novidade

O Papa Francisco acaba de ordenar uma nova visita apostólica ao instituto francês das Dominicanas do Espírito Santo, a fim de aprofundar denúncias de abusos que ali se terão verificado nos primeiros anos da década passada. Esta decisão, anunciada por um comunicado emitido pelo próprio instituto nesta segunda-feira ao fim do dia, vem adensar ainda mais o contexto de várias polémicas vindas a lume nos últimos tempos, na sequência da expulsão de uma religiosa, decidida em 2021 pelo cardeal Marc Ouellet, então prefeito da Congregação para os Bispos

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This