“Grandes Esperanças”

Guerra abre ciclo de debates com jovens na RTP3 e Antena 1, moderados pelo diretor do 7MARGENS

| 7 Jul 2023

Grandes Esperanças, RTP, Antena 1, 7Margens, jovens

Um debate sobre a guerra e a paz marca o início de um ciclo de seis conversas na RTP 3 e na Antena 1 sobre as Grandes Esperanças (tal é o título da série) dos jovens de hoje, moderadas pelo jornalista António Marujo, diretor do 7MARGENS. O programa surge no contexto da JMJ (Jornada Mundial da Juventude), o encontro da juventude católica de todo o mundo com o Papa, que decorre em Lisboa daqui a três semanas, entre 1 e 6 de agosto.

Os protagonistas destas conversas são jovens e jovens adultos, das idades dos participantes da JMJ. Católicos e não católicos, crentes e não crentes são chamados a conversar sobre as suas grandes esperanças, como se refere no início do primeiro programa, “mas também sobre as angústias, dificuldades e expectativas que têm – seja em relação às suas vidas, ao mundo e à sociedade ou à Igreja e o fenómeno religioso”.

Em debate, depois da questão da guerra, estarão também os temas da ecologia e casa comum; fé, Deus, Igreja Católica, JMJ e abusos sexuais; as diferentes religiões; cidadania, economia e política; e o presente e o futuro das gerações mais novas.

No primeiro debate – domingo, às 14h30 na RTP 3 e às 15h na Antena 1 –, participa Bhoye Diallo, 22 anos, refugiado oriundo da Guiné-Conacri, que vive em Portugal há cinco anos e trabalha atualmente na Academia Ubuntu, de formação de jovens para o diálogo e a paz. Bhoye atravessou o deserto e o mar até chegar a Portugal e quer estudar Ciência Política para poder voltar ao seu país e “ajudar a melhorar a situação das pessoas” que o rodeiam.

Joana Bacelar Virgy, outra participante, é licenciada em Ciência Política e mestre em Desenvolvimento e Cooperação Internacional; faz gestão de Programas Internacionais na Hult Prize Foundation. Viajou já por 75 países, alguns deles com situações de conflitos. A também coordenadora irá refletir sobre a recente afirmação do Papa sobre a importância de não esquecer as outras guerras que existem no mundo, para além daquela que é provocada pela invasão russa da Ucrânia.

O terceiro participante é o historiador Pedro Silva Rei, licenciado em História pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, mestre em História Contemporânea, que tem colaborado com o Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa. Tendo já publicado alguns textos no 7MARGENS,

https://setemargens.com/author/pedro-j-silva-rei/

Pedro Rei está neste momento a fazer o doutoramento sobre “Os católicos e o referencial socialista em Portugal entre 1974-1980)”. A doutrina católica das últimas décadas sobre a paz, relacionada com os direitos humanos ou a corrida aos armamentos é um dos tópicos que abordará no debate.

O debate aborda ainda a questão da possibilidade da não-violência e do diálogo como ferramenta indispensável para acabar com as guerras.

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão

Ataques sucedem-se

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão novidade

O recente ataque a um cristão falsamente acusado de ter queimado páginas do Corão, por uma multidão muçulmana enfurecida, no Paquistão, desencadeou “uma nova vaga de terror” contra a minoria religiosa no país. Depois deste incidente, que aconteceu no passado sábado, 25 de maio, já foram registados outros dois ataques devido a alegados atos de “blasfémia” por parte de cristãos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A memória presente em pequenas tábuas

Museu Abade de Baçal

A memória presente em pequenas tábuas novidade

“Segundo uma Promessa” é o título da exposição inaugurada a 18 de maio no Museu Abade de Baçal, em Bragança, e composta por uma centena de pequenos ex-votos, registados em tábuas, que descrevem o autor e o recetor de vários milagres, ao longo dos séculos XVIII e XIX. “O museu tem a obrigação de divulgar e de mostrar ao público algum do património que está disperso pela diocese de Bragança-Miranda”, disse ao 7MONTES Jorge Costa, diretor do museu.

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This