Francisco clarifica posições

Guerra da Ucrânia é “sacrílega” porque destrói as vidas humanas

| 30 Ago 2022

criança ucraniana sofrimento guerra foto depositphotos

Francisco condena a guerra na Ucrânia como “moralmente injusta, inaceitável, bárbara, sem sentido, repugnante e sacrílega”. Foto © Depositphotos.

 

O Papa Francisco quis clarificar, de uma vez por todas, a sua posição relativamente à guerra desencadeada pela Rússia ao invadir a Ucrânia, em fevereiro passado. Num comunicado, difundido pela Santa Sé na manhã desta terça-feira, 30, sublinha-se que a “guerra em larga escala na Ucrânia” foi “iniciada pela Federação Russa” e que as intervenções do Papa “são claras e inequívocas, ao condená-la como moralmente injusta, inaceitável, bárbara, sem sentido, repugnante e sacrílega”.

A nota pretende responder a “discussões públicas” que, em vários momentos, e nomeadamente nos últimos dias, têm surgido “sobre o significado político” de intervenções de Francisco e seus colaboradores. Nesta linha, tais intervenções sobre a guerra da Ucrânia “devem ser lidas como uma voz levantada em defesa da vida humana e dos valores a ela ligados, e não como posturas políticas”.

“Têm principalmente como finalidade convidar pastores e fiéis à oração, e todas as pessoas de boa vontade à solidariedade e aos esforços de reconstrução da paz”, esclarece o comunicado.

O governo de Zelensky tem reagido sempre que entende que o Papa trata de igual modo, nos seus gestos e palavras, a Rússia e a Ucrânia, ou seja, agressor e agredido. Isso aconteceu no modo como foi inicialmente preparada a via-sacra da semana santa em Roma, em que participaram uma mulher ucraniana e uma russa, e aconteceu no dia 24 de agosto último, depois de Francisco ter aludido, poucos dias antes, aos “inocentes que têm vindo a pagar pela guerra na Ucrânia”, mencionando explicitamente o caso da morte num atentado de Darya Dugina, filha de Aleksandr Dugin, considerado ideólogo do presidente russo.

Na sequência desse episódio, o embaixador da Ucrânia na Santa Sé criticou as palavras do Papa e, dois dias depois, o Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia convocou o núncio apostólico em Kyiv, para apresentar um protesto.

Alguns analistas questionaram os serviços de comunicação e de assessoria diplomática do Papa pelo modo como o terão instruído sobre a jovem Darya Dugina, que era uma figura de militante ativa em prol da guerra que Putin desencadeou e, por conseguinte, desenquadrada do âmbito em que Francisco tinha colocado as suas palavras: “Muitas crianças feridas, muitas crianças ucranianas e crianças russas ficaram órfãs. Os órfãos não têm nacionalidade, eles perderam seu pai e mãe, que são russos, que são ucranianos. tantas pessoas inocentes que estão a pagar por essa loucura em todos os lugares, porque a guerra é uma loucura”.

Têm decorrido, por outro lado, contactos entre Kyiv e a diplomacia do Vaticano para preparar uma eventual viagem do Papa à Ucrânia, que Francisco já disse querer realizar, em chegando o momento oportuno.

 

Judeus da Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo

Estudo revela

Judeus da Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo novidade

O mais recente relatório da Agência da União Europeia para os Direitos Fundamentais (FRA) não deixa margem para dúvidas: o antissemitismo cresceu nos últimos cinco anos e disparou para níveis sem precedentes desde o passado mês de outubro, o que faz com que os judeus a residir na Europa temam pela sua segurança e se sintam muitas vezes obrigados a esconder a sua identidade judaica.

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras

Contra a obrigação de repetir denúncias

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras novidade

Vários sobreviventes de abusos sexuais no seio da Igreja Católica expressaram, junto da presidência da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), o seu descontentamento quanto ao “método a utilizar para realizar as compensações financeiras”, dado que este obriga todas as vítimas que pretendam obtê-las a repetirem a denúncia que já haviam feito anteriormente.

Cuidar do outro com humanidade

Cuidar do outro com humanidade novidade

A geração nascida em meados do século passado foi ensinada a respeitar os mais velhos, a escutá-los e seguir os seus ensinamentos, dada a sua condição de anciãos e, por tal, sabedores daquilo que é melhor para a família, para cada comunidade e para a sociedade em geral. Era assim que se preparavam as novas gerações para aprenderem a respeitar o outro, os seus pais, irmãos e avós, cuidando deles e uns dos outros, desde a nascença até à morte. [Texto de Caseiro Marques]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This