Guiné-Bissau: das “cicatrizes do tempo” ao renascer do povo

| 30 Dez 19

Rio Mansoa, entre Cacheu e Bissau. Foto © Alice Cardoso

 

Este mês fui de visita à Guiné. Uma viagem de memória para quem, como eu, não tinha memórias da Guiné. Estive em Luanda ainda em criança, mas as memórias são as próprias da idade. Excepção à única em que o meu pai me bateu. Às cinco da tarde saí de casa e às dez da noite descobriram-me a assistir, divertida, ao baile no clube. Uma criança de cinco anos, branca e loura, desaparecida na Luanda dos anos 1960 não augurava coisa boa, o que gerou o pânico dos meus pais. Daí a tareia…

Mas não é grande exemplo do que se passou durante a guerra colonial. Acompanhei os relatos com curiosidade, mas com a leitura possível para uma adolescente que, no 25 de Abril, interpretava o que via e ouvia com a informação permitida no Portugal da década de 1970. Essa mesma adolescente que viveu o 25 de Abril como um momento transformador da sociedade e da sua própria vida, alterando até mesmo a sua orientação profissional.

Ao longo dos anos tenho ouvido ex-combatentes dizerem com solenidade: “Fui militar na Guiné.” E com esta simples expressão querem transmitir tudo o que lá viveram. O terror e o medo, é certo, mas também alguma melancolia e saudosismo que nunca compreendi.

Fui à Guiné numa visita de memória, para ver e perceber o que havia ali de tão diferente das memórias da guerra em outras colónias.

O mercado de Bandim, em Bissau. Foto © Alice Cardoso

 

Chegámos à noite e todos se recolheram aos seus quartos no hotel, em Bissau. Fui até ao exterior e, enquanto via o movimento na praça, um jovem local abordou-me educadamente. Mostrando-me uma embalagem de um toalhete da TAP, explicou-me que lhe havia sido oferecida por turistas portugueses, mas desejava saber para que servia. Falámos, expliquei, sorriu, agradeceu e afastou-se.

A minha filha, que assistiu do átrio do hotel, chamou-me a atenção para a leviandade de falar com estranhos. Parecia ridículo perante a inocência do jovem com quem falei. Afinal, ali a estranha era eu.

Esta cordialidade para com os portugueses foi algo que veio a marcar toda a viagem.

O desejo de paz e desenvolvimento deste povo é tão marcante que se torna tão enternecedor quanto humilhante para nós, para a nossa falta de vontade ou incapacidade de ajudar.

De Bissau seguimos para outros locais como Cacheu, Praia Varela, Bafatá, Guiledje, Saltinho, Bijagós, Bolama.

Forte de Cacheu. Foto © Alice Cardoso

 

O forte de Cacheu, abandonado, guarda antigos monumentos que representam figuras históricas. Reclinados sobre as ameias do forte, sobrevivem num pequeno jardim, com uma pluméria alba repleta de flores e que exulta de fulgor com as borboletas a esvoaçarem e a relembrar a expressão de Luís Pedro Nunes, a propósito do lugar “onde as borboletas voam junto às cicatrizes do tempo”.

As estradas, por vezes marcadas pelo chuvoso verão que as torna quase intransitáveis, são ladeadas pelas extensões de terra vermelha e densa vegetação de um verde escuro e intenso. Estamos em África e as cores são as que esperamos ver ao nosso redor. Mas a Guiné é plana, sem montanhas e sem rochas. Para além das casas que surgem ao longo da estrada, há uma imensa parede verde de vegetação cerrada. O mato não permite ver o que se passa para além de uns escassos metros, envolvendo em mistério o que está para além do visível. Para lá estão as gazelas, os búfalos, as aves exóticas. Mas o que nos é permitido ver são as casas de colmo, as galinhas, as inúmeras cabras e porcos e, por vezes, algumas vacas.

Escola Jardim Ilrmã Elda, da Associação Amigos da Missão. Foto © Alice Cardoso

 

Ao longo do percurso vimos aldeias e escolas, muitas escolas, num país muito jovem. A presença de escolas muçulmanas é cada vez maior em várias regiões do país com franca diminuição das missões cristãs. Mas o entusiasmo das crianças, nestas escolas onde tudo falta, não é menor.

A excisão genital feminina continua presente nas aldeias com as meninas a sofrerem de dores por não terem qualquer acompanhamento adequado e a pedirem-nos analgésicos.

Escola islâmica na Tabanca Varela. Foto © Alice Cardoso

 

As mulheres trabalham para garantir o sustento diário da família, mas o seu trabalho e o seu valor não são ainda reconhecidos. Estão demasiado ocupadas a trabalhar ou a cuidar da família para terem tempo para dedicar às decisões políticas. São os homens que decidem, apesar da parca contribuição nas tarefas diárias. São elas que estão nos barcos na margem do rio, são elas que lavam a loiça e a roupa e dão banho aos seus filhos, nas margens das águas turbulentas, no Saltinho.

O Saltinho, um lugar de guerra e terror, com o ruído de balas e helicópteros, é agora lugar de paz, de uma beleza infinita. O quartel de paraquedistas foi transformado em pousada. O ruído das águas revoltas numa zona de rio não navegável é apenas entrecortado pelo riso das crianças e pelas vozes das lavadeiras. A paz reina de novo no Saltinho e agora é um lugar sereno onde apetece ficar, apreciar e meditar.

Mulheres a trabalhar no rio Mansoa. Foto © Alice Cardoso.

 

Na Guiné não há fome, apesar da pobreza; não há pessoas descalças, apesar da pobreza; não há revolta contra os portugueses turistas, apesar da pobreza.

Há generosidade, simpatia e uma enorme vontade, manifestada por várias pessoas com quem falei, de que nós fiquemos para os ajudar no desenvolvimento. Muito há a fazer para recuperar a Guiné e ajudá-la a ser o país que deseja e merece ser. Muitos há que desejam ajudar e muitos mais o poderão fazer.

Os sucessivos governos não têm sido facilitadores deste desenvolvimento. Mas as eleições de domingo passado, 29 de Dezembro, abrem uma nova esperança.

Acredito que o futuro pode ser diferente, melhor e pleno de prosperidade para os guineenses. Que as “cicatrizes do tempo” dêem força ao renascer desta terra e deste povo.

Mulheres no Saltinho. Foto © Alice Cardoso

Artigos relacionados

Semana Laudato Si’ (9): Exigências para o equilíbrio ecológico (e agora vem aí um ano Laudato Si’)

Semana Laudato Si’ (9): Exigências para o equilíbrio ecológico (e agora vem aí um ano Laudato Si’) novidade

“O cuidado da natureza faz parte dum estilo de vida que implica capacidade de viver juntos e de comunhão. Jesus lembrou-nos que temos Deus como nosso Pai comum e que isto nos torna irmãos.” Foi com esta referência que o Papa anunciou a sua adesão ao ano especial dedicado à Laudato Si’, a encíclica sobre o cuidado da casa comum que neste domingo, 24 de Maio, assinalou o quinto aniversário de publicação.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Igreja Ortodoxa Russa: Número de voluntários duplica para responder aos pedidos de ajuda novidade

Cerca de 7 mil voluntários, 96 linhas telefónicas e mais de 100 projetos sociais: estes são alguns dos números que resumem a ação caritativa da Igreja Ortodoxa Russa nos últimos dois meses, em resposta à pandemia de covid-19. Em algumas das dioceses, o número de voluntários cresceu para mais do dobro, tornando assim possível dar resposta ao número também crescente de pedidos de ajuda naquele que é o terceiro país do mundo com mais casos registados de infeção.

Covid-19: Maior estátua católica do mundo passa a usar máscara para incentivar prevenção

A maior estátua católica do mundo, representando Santa Rita de Cássia e situada num santuário no interior do Nordeste do Brasil, passou esta sexta-feira a usar máscara, com o objetivo de alertar para a importância da prevenção durante o período de pandemia. O gesto simbólico foi promovido pela paróquia onde se localiza o santuário e ocorreu no dia em que se celebrava a memória desta santa, conhecida como a padroeira das causas impossíveis.

Igrejas evangélicas negam ligação ao partido Chega

Na sequência de uma reportagem publicada na revista Visão desta quinta-feira, onde se refere que o partido Chega, liderado por André Ventura, é apoiado por “lóbis evangélicos”, a Aliança Evangélica Portuguesa (AEP) divulgou um comunicado garantindo que “as igrejas evangélicas não promovem partidos políticos, nem angariam militantes para movimentos desta natureza”.

Suíça: Mulher leiga nomeada como delegada episcopal

A diocese de Lausana-Genebra-Friburgo, na Suíça, terá uma mulher leiga como delegada episcopal, um cargo que, na Igreja Católica, tem sido quase exclusivamente ocupado por padres. Marianne Pohl-Henzen foi nomeada pelo bispo Charles Morerod e assumirá funções em agosto, ficando responsável por gerir diversas entidades eclesiais e respetivos recursos humanos na parte alemã de Friburgo (uma das cinco vigararias daquela diocese).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Inimigos e rivais de longa data unem-se contra um adversário maior

Inimigos e rivais de longa data unem-se contra um adversário maior

Ofertas de material hospitalar ou de protecção, troca de pessoal médico, um judeu e um muçulmano que param ao mesmo tempo para rezar juntos e uma música gravada para apoiar uma organização de voluntários judeus, muçulmanos e cristãos. A pandemia serve também para que rivais, inimigos ou “diferentes” colaborem uns com os outros e esqueçam divergências.

É notícia

Entre margens

Lares de idosos no fio da navalha novidade

Por más razões, os lares saltaram para as primeiras páginas da comunicação social. Ao longo das últimas semanas, os mortos nestas instituições, legais e ilegais, motivados pela pandemia do covid-19, atingiram cerca de 40% do número total das vítimas mortais (e cerca de 50% em toda a Europa). Trata-se de um elevado número de cidadãos que permaneceram muito esquecidos dos poderes públicos, na fase mais aguda desta devastadora pandemia: a população mais idosa, a mais vulnerável à contaminação pelo vírus.

O trabalho num quarto só para si – e a semana de quatro dias (Opinião da reitora da Univ. Católica) novidade

Nestes dias do grande confinamento, reler Virginia Woolf e o seu notável Um Quarto Só para Si (A Room of One’s Own) adquire um sentido renovado. Dum escritório só para mim, sinto-me afinal herdeira de um texto que se tornou quase projeto de missão: que para a independência da mulher, em particular de uma profissional criativa, como a mulher escritora, se exigia ter um rendimento fixo e um quarto só para si. Nos dias do grande confinamento, contudo, o quarto não é garantido – apenas alguns o têm só para si – e muito menos o rendimento é fixo.

Covid e educação: aproveitar as oportunidades

Estamos a viver um tempo inusitado, inesperado e imprevisível, que deixou também as escolas e o sistema escolar em apuros, sob um elevado stresse organizacional e profissional. A mudança é disruptiva, em vez de incremental, é reativa em vez de antecipatória, é imposta, em vez de desejada. Isto marca desde logo um tempo muito peculiar e sem precedentes. Um tempo que requer uma atenção redobrada.

Cultura e artes

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

O perdão, a maior alegria de Deus

Há experiências cuja reflexão sobre elas exige humildade e coragem: experiências que marcam a nossa história e o nosso quotidiano, e das quais qualquer pensamento pode pecar pela superficialidade ou pelo idealismo. O perdão é uma dessas experiências. É por isso um ato de coragem a proposta – tão breve como significativa! 112 páginas em formato de bolso – do monge italiano Enzo Bianchi.

Luis Sepúlveda (1949-2020): viajar para contar

“Eu estive aqui e ninguém contará a minha história”. A frase com que Luis Sepúlveda se confrontou no campo de concentração de Bergen Belsen marcou-o. Deparou-se com ela numa extremidade do campo e muito próximo do lugar onde se erguiam os infames fornos crematórios. Na superfície áspera de uma pedra, viu que “alguém (quem?) gravou, talvez com o auxílio de uma faca ou de um prego” esse que considerou como “o mais dramático dos apelos”.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco