Efeitos da guerra

Guterres faz recomendações para travar a fome no mundo

| 7 Abr 2022

Pessoas aguardam pela distribuição de alimentos e óleo, fornecidos pelo Programa Alimentar Mundial, em Andkhoy, no Afeganistão. Foto © WFP/PAM

Pessoas aguardam a distribuição de alimentos e óleo, fornecidos pelo Programa Alimentar Mundial, em Andkhoy, no Afeganistão. Foto © WFP/PAM

 

O Grupo de Resposta à crise que se instalou e está a ampliar, decorrente da invasão e guerra da Rússia na Ucrânia, já começou a avançar com algumas recomendações, apresentadas esta semana pelo secretário-geral da ONU, António Guterres.

De acordo com a ONU, a Rússia e a Ucrânia representam mais da metade da oferta mundial de óleo de girassol e cerca de 30 por cento do trigo mundial. A Ucrânia sozinha, por exemplo, fornece mais da metade da oferta de trigo do Programa Alimentar Mundial (PAM).

A guerra provocou cadeias de abastecimento interrompidas e preços em aumento — não apenas de alimentos, mas também de combustíveis e fertilizantes e alimentação para o gado.

Guterres criou, logo no início da guerra, o Grupo Global de Resposta a Crises sobre Alimentação, Energia e Finanças (GCRG, na sigla original), como forma de resposta à crise de fome. “A fim de evitar o risco de a fome se espalhar ainda mais — faz notar o comunicado da ONU o GRCG está a pedir a todos os países que mantenham os mercados abertos, resistam a restrições de exportação injustificadas e desnecessárias e disponibilizem reservas para países em risco de fome e escassez”.

As recomendações dadas aos Estados-Membros e às instituições financeiras internacionais vão no sentido de encontrem maneiras criativas de financiar o aumento das necessidades humanitárias, libertarem imediatamente fundos prometidos, disponibilizarem reservas aos países em risco de fome e escassez e evitarem o protecionismo.

Tendo em conta que alguns países anunciaram “planos para libertar reservas estratégicas de combustíveis fósseis” para reduzir a dependência dos russos, Guterres reconheceu que essa pode ser uma estratégia que alivia a urgência a curto prazo. A médio e longo prazo será a aposta nas energias limpas, que não dependem tanto das flutuações do mercado.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This