Dados da Amnistia Internacional

Há 44 menores mortos pela polícia iraniana

| 10 Dez 2022

Manifestação contra o regime iraniano. Foto © Amnesty International/Benjamin Girette. USAR SÓ COM TEXTOS DA AMNISTIA SOBRE O IRÃO.

Manifestação contra o regime iraniano, em Paris, França (30/10/22). Foto © Amnistia Internacional/Benjamin Girette. 

 

Os números arrepiam pela crueldade: as crianças e jovens representam 14% das mortes totais de manifestantes e observadores registadas pela Amnistia Internacional (AI) desde o início das manifestações no Irão, de acordo com um comunicado da organização de defesa dos direitos humanos. 

Segundo o texto, desde 16 de setembro passado, pelo menos 44 menores morreram e, desses, 34 foram mortos “com disparos das forças de segurança iranianas no coração, cabeça ou outros órgãos vitais”. Muitos outros foram feridos.

A Amnistia não poupa nas palavras, ao descrever “a implacável repressão brutal das autoridades iranianas”, perante a atual revolta popular “contra o sistema da República Islâmica”. Segundo a investigação da AI, esta repressão “envolveu um ataque total a manifestantes menores que corajosamente saíram às ruas em busca de um futuro sem opressão política e desigualdade”.

Recordando que a atual revolta nasceu depois da morte sob custódia de uma jovem de 22 anos, Mahsa (Zhina) Amini, em 16 de setembro de 2022, dias depois de Mahsa ter sido presa arbitrariamente pela “polícia da moralidade” por não cumprir as regras discriminatórias e leis abusivas de uso obrigatório do véu.

Os protestos rapidamente alargaram-se a “queixas mais amplas contra o regime político e abrangeu exigências pelo fim do sistema da República Islâmica”. Estas manifestações, nota a AI, “foram marcadas por um envolvimento visivelmente maior de crianças [e adolescentes] em idade escolar e estudantes universitários, exibindo uma determinação ousada de desafiar o envelhecido regime teocrático mergulhado na impunidade e discriminação, lutando pela transição do Irão para um sistema que respeita a igualdade e os direitos humanos”.

Vítimas com idades entre os 2 e 17 anos

Manifestação contra o regime iraniano, em Paris, França (30/10/22). Foto © Amnesty International/Benjamin Girette. USAR SÓ COM TEXTOS DA AMNISTIA SOBRE O IRÃO.

Manifestação contra o regime iraniano, em Paris, França (30/10/22). Foto © Amnistia Internacional/Benjamin Girette. 

 

A organização regista com este documento os nomes dos 44 menores manifestantes ou espectadores mortos como resultado do uso ilegal da força pelas forças de segurança do Irão desde setembro de 2022, incluindo detalhes dessas mortes. As vítimas registadas incluem 39 meninos e rapazes, com idades entre 2 e 17 anos, e cinco raparigas, sendo três de 16 anos, uma de 17 anos e uma menina de 6 anos.

A maioria das crianças (34) foi morta porque as forças de segurança dispararam ilegalmente munições reais contra a cabeça, o coração ou outros órgãos vitais. Pelo menos quatro crianças foram mortas porque as forças de segurança dispararam projéteis ilegais, pelo menos cinco crianças, quatro raparigas e um rapaz, morreram como resultado de ferimentos consistentes com espancamentos fatais; e uma menina foi morta após ser atingida com uma bomba de gás lacrimogéneo na cabeça.

O primeiro condenado à morte

Mohsen Shekari é o primeiro executado. Foto © Direitos reservados/Privada, fornecida pela Amnistia Internacional.

Mohsen Shekari é o primeiro executado. Foto © Direitos reservados/Privada, fornecida pela Amnistia Internacional.

Até agora, a organização registou os nomes e detalhes de mais de 300 homens, mulheres e crianças mortos pelas forças de segurança do Irão desde setembro de 2022 — e as vítimas registadas estão limitadas àquelas cujos nomes a organização conseguiu identificar. A organização continua as investigações sobre os assassinatos relatados e acredita que o número de mortos, incluindo crianças, é maior.

Entre os mortos está também o primeiro condenado à morte, Mohsen Shekari, detido e condenado à morte num julgamento injusto, por ter participado nas manifestações que continuam a decorrer por todo o país. A execução deste manifestante no Irão confirma o facto de que a pena de morte está a ser utilizada para punir quem exerce a sua liberdade de expressão e de reunião pacífica. Segundo denuncia a Amnistia, “a utilização da pena de morte como instrumento de repressão política é real e existem, de momento, milhares de pessoas presas e indiciadas”.

Petição de apoio a manifestantes

Lembrando o Dia Internacional dos Direitos Humanos, este sábado, dia 10, a Amnistia Internacional – Portugal convocou, em parceria com a Kolbeh – Comunidade Iraniana Portuguesa, uma vigília na sexta-feira, dia 9, que assinalou também o Dia Internacional dos Defensores de Direitos Humanos, em apoio às pessoas que se manifestam no Irão.

“É fundamental que estas pessoas, que continuam a exigir mudanças apesar da resposta violenta das autoridades, saibam que não estão sozinhas”, nota a AI, que mantém o convite para os cidadãos se associarem a uma petição de apoio a todos os que protestam, mesmo correndo risco de vida e de prisão, tortura e pena de morte.

Vigília da Amnistia Internacional e da Kolbeh – Comunidade Iraniana Portuguesa na Praça do Município, em Lisboa, no dia 9 de dezembro. Foto © Amnistia Internacional.

Vigília da Amnistia Internacional e da Kolbeh – Comunidade Iraniana Portuguesa na Praça do Município, em Lisboa, no dia 9 de dezembro. Foto © Amnistia Internacional.

 

Uma Via-Sacra especial em Guimarães

23 de março

Uma Via-Sacra especial em Guimarães novidade

A música de artistas portugueses como Pedro Abrunhosa, Marisa Liz e Tiago Bettencourt integrará uma Via-Sacra especial organizada pela Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Guimarães, e cujas receitas reverterão para o restauro de uma capela. A iniciativa está marcada para o próximo dia 23 de março.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

23 de março

Uma Via-Sacra especial em Guimarães novidade

A música de artistas portugueses como Pedro Abrunhosa, Marisa Liz e Tiago Bettencourt integrará uma Via-Sacra especial organizada pela Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Guimarães, e cujas receitas reverterão para o restauro de uma capela. A iniciativa está marcada para o próximo dia 23 de março.

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Uma ativista e uma catequista à conversa com uma teóloga e um padre

Uma ativista e uma catequista à conversa com uma teóloga e um padre novidade

Georgina perguntou-se sobre como explicar a dificuldade de relação dos bispos africanos com o mundo LGBTI+, Helena congratulou-se pela presença de leigos na aula sinodal, Serena sublinhou que a participação não se limita a “fazer parte”, inclui “tomar parte”. Aconteceu no Fórum Europeu de Grupos Cristãos LGBTI+, no qual participou Ana Carvalho.

O “Boletim Cinematográfico” na Igreja em Portugal – uma memória histórica

Os primórdios do movimento cinematográfico no seio da Igreja em Portugal

O “Boletim Cinematográfico” na Igreja em Portugal – uma memória histórica novidade

Este é o breve historial de uma publicação simples na sua forma de apresentação, mas que, ao durar persistentemente cerca de cinco décadas, prestou à cultura cinematográfica e à Igreja Católica em Portugal um serviço inestimável e indelevelmente ligado ao nome de Francisco Perestrello, agora falecido.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This