Há 80 milhões de refugiados no mundo, o número mais elevado de sempre

| 19 Jun 20

O número de pessoas forçadas a deixar as suas casas praticamente duplicou entre 2010 e final de 2019, diz a organização da ONU. Foto © ACNUR

 

No final de 2019, eram já 79,5 milhões os refugiados em todo o planeta, o que representa um por cento da população mundial, ou uma em cada 97 pessoas. Entre o número total de refugiados, cerca de 40% são menores de idade. Os dados foram divulgados esta quinta-feira, 18 de junho, no relatório anual Global Trends, pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), dois dias antes do Dia Mundial dos Refugiados, que se assinala sábado, 20 de junho. Nunca se tinham registados valores tão elevados.

Os dados não deixam margem para dúvidas e, quando comparados com os de anos anteriores, revelam que a situação é cada vez mais dramática. Segundo o relatório, o número de pessoas forçadas a deixar as suas casas em busca de segurança, dentro ou fora dos seus países, praticamente duplicou de 2010 até ao final de 2019, crescendo de 41 milhões para 79,5 milhões. Destes, 30 a 34 milhões são menores e dezenas de milhares não estão acompanhados pelos seus pais.

De acordo com o ACNUR, no que diz respeito ao ano de 2019, dois fatores principais estão na origem do aumento de refugiados: as crises na República Democrática do Congo, no Iémen e na Síria (sendo que só esta última, obrigou ao êxodo de 13,2 milhões de pessoas) e um melhor recenseamento da situação dos venezuelanos, dado que muitos dos que se encontram fora do país não estão legalmente registados como refugiados ou requerentes de asilo.

Em 80% dos casos, as pessoas fogem de países ou áreas afetadas pela insegurança alimentar ou por desnutrição grave e onde os riscos de mudanças climáticas e desastres naturais são muito elevados. Mais de oito em cada dez refugiados vivem em países em desenvolvimento, que na sua maioria fazem fronteira com o país do qual fugiram. Os refugiados originários da Síria, Venezuela, Afeganistão, Sudão do Sul e Mianmar perfazem dois terços do total.

Esta é, segundo o alto comissário das Nações Unidas para os refugiados, Filippo Grandi, “uma nova realidade, que nos mostra que o êxodo forçado não só está hoje mais difundido, como deixou de ser um fenómeno temporário e de curto prazo”. Se, nos anos 1990, em média 1,5 milhões de refugiados conseguiam regressar às suas casas todos os anos, atualmente isso só é possível para uma média de 385 mil pessoas.

Na opinião de Filippo Grandi, é essencial “uma atitude profundamente nova e aberta para com todos aqueles que fogem e um impulso muito mais determinado para resolver conflitos que duram anos e estão na raiz de imenso sofrimento”.

 

Santo Egídio e organizações judaicas também assinalam data

A Comunidade de Santo Egídio realizou esta quinta-feira, em Roma, uma vigília de oração pelos migrantes que morreram durante as viagens que faziam na tentativa de chegar à Europa. “Morrer de Esperança” foi o nome escolhido para este momento de homenagem e oração por todas as pessoas que pereceram desde a década de 1990 até hoje, no mar Mediterrâneo, ou por via terrestre, em fuga dos seus países de origem.

O número, estimado em 40.900, será provavelmente superior, alerta a organização católica. Só nos primeiros meses de 2020, morreram 528 migrantes (metade deles mulheres e crianças), sobretudo provenientes da Líbia, que usavam a rota do Mediterrâneo central.

A Comunidade de Santo Egídio descreve estes números como “uma tragédia da humanidade” que precisa de ser recordada, principalmente pelos milhares de pessoas que ainda hoje se encontram em centros de detenção na Líbia, “onde se torna urgente abrir os canais de evacuação humanitária”, e pelos que estão nos campos de refugiados da ilha de Lesbos, na Grécia, “onde a somar às condições desumanas veio o perigo da pandemia”.

A vigília foi presidida pelo secretário-geral da Conferência Episcopal Italiana, Stefano Russo, e contou com a presença de vários imigrantes, de diversas nacionalidades, além de familiares e amigos daqueles que perderam a vida no mar.

Ainda a propósito do Dia Mundial do Refugiado, comunidades e organizações judaicas de diversos países uniram-se numa campanha de apoio. A ação, que começou no dia 17 de junho e decorre até ao dia 26, pretende mobilizar o maior número de judeus para ajudar, de alguma forma, “as pessoas mais vulneráveis do mundo”, seja através de um donativo, de ações de consciencialização ou de voluntariado.

“Os refugiados são quem nós éramos. Eles fazem parte da nossa comunidade local e global. Quando os respeitamos e os recebemos, eles podem ajudar-nos a reparar o mundo”, pode ler-se na página oficial da campanha. “A história judaica é cheia de migração forçada. Temos a oportunidade única de ‘pagar adiantado’ e canalizar o conhecimento adquirido, ajudando refugiados judeus a apoiar outras pessoas que enfrentam desafios semelhantes. A tradição judaica convida-nos a agir.”

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Investigação

Quem traiu Anne Frank?

Quem traiu Anne Frank, a autoria do conhecido Diário, e a sua família? Uma equipa que se entregou à tarefa de investigar acredita ter encontrado a chave do mistério. Mas trata-se de “um cenário provável”, sem certezas absolutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O Senhor a receber das mãos do servo

Sendo hoje 6 de Janeiro (19 de Janeiro no calendário gregoriano), no calendário juliano (seguido por grande parte dos cristãos ortodoxos em todo o mundo), celebramos a Festa da Teofania de Nosso Senhor Deus e Salvador Jesus Cristo, isto é, a festa da manifestação ou revelação ao mundo da Sua divindade, no mistério do Seu Baptismo no rio Jordão, das mãos de São João Baptista.

O que revela “Não olhem para cima” da Netflix

Não Olhem Para Cima é uma nova sátira da Netflix escrita e realizada por Adam McKay e que conta a história de dois astrónomos que entram em pânico para chamar a atenção da humanidade para a colisão de um cometa cujo tamanho gerará uma extinção em massa. Em suma, a humanidade deixará de existir. A sátira está numa humanidade que vive de tal forma na sua bolha de entretenimento, entre sondagens políticas e programas da manhã que, simplesmente, não quer saber.

Viver no ritmo certo

Enquanto pensava no que iria escrever este mês, havia uma palavra que não saía da minha mente: “descanso”. Obtive a confirmação desta quando, por coincidência ou não, este foi o tema escolhido pela Aliança Evangélica Europeia para a sua semana universal de oração, realizada de 9 a 16 de janeiro de 2022. Os líderes evangélicos apelam a que todos possam viver no ritmo de Deus porque estamos a ser engolidos por uma onda de homens e mulheres sobrecarregados, completamente esgotados e sem força para lutar mais pela vida.

Cultura e artes

Crónicas portuguesas dos anos 80

As causas que sobrevivem às coisas

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

O filme de Almodóvar

As dores para dar à luz a verdade

Fique dito, desde já, que estamos perante um dos melhores e mais amadurecidos filmes de Almodóvar. Intenso como outros, magnificamente construído e filmado como é habitual, talvez mais profundamente moral do que muitos, Mães Paralelas é um filme tecido de segredos íntimos e dolorosos, à volta da maternidade, mas também da Guerra Civil espanhola. No centro, esplendorosa, está Penélope Cruz.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This