Há 80 milhões de refugiados no mundo, o número mais elevado de sempre

| 19 Jun 20

O número de pessoas forçadas a deixar as suas casas praticamente duplicou entre 2010 e final de 2019, diz a organização da ONU. Foto © ACNUR

 

No final de 2019, eram já 79,5 milhões os refugiados em todo o planeta, o que representa um por cento da população mundial, ou uma em cada 97 pessoas. Entre o número total de refugiados, cerca de 40% são menores de idade. Os dados foram divulgados esta quinta-feira, 18 de junho, no relatório anual Global Trends, pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), dois dias antes do Dia Mundial dos Refugiados, que se assinala sábado, 20 de junho. Nunca se tinham registados valores tão elevados.

Os dados não deixam margem para dúvidas e, quando comparados com os de anos anteriores, revelam que a situação é cada vez mais dramática. Segundo o relatório, o número de pessoas forçadas a deixar as suas casas em busca de segurança, dentro ou fora dos seus países, praticamente duplicou de 2010 até ao final de 2019, crescendo de 41 milhões para 79,5 milhões. Destes, 30 a 34 milhões são menores e dezenas de milhares não estão acompanhados pelos seus pais.

De acordo com o ACNUR, no que diz respeito ao ano de 2019, dois fatores principais estão na origem do aumento de refugiados: as crises na República Democrática do Congo, no Iémen e na Síria (sendo que só esta última, obrigou ao êxodo de 13,2 milhões de pessoas) e um melhor recenseamento da situação dos venezuelanos, dado que muitos dos que se encontram fora do país não estão legalmente registados como refugiados ou requerentes de asilo.

Em 80% dos casos, as pessoas fogem de países ou áreas afetadas pela insegurança alimentar ou por desnutrição grave e onde os riscos de mudanças climáticas e desastres naturais são muito elevados. Mais de oito em cada dez refugiados vivem em países em desenvolvimento, que na sua maioria fazem fronteira com o país do qual fugiram. Os refugiados originários da Síria, Venezuela, Afeganistão, Sudão do Sul e Mianmar perfazem dois terços do total.

Esta é, segundo o alto comissário das Nações Unidas para os refugiados, Filippo Grandi, “uma nova realidade, que nos mostra que o êxodo forçado não só está hoje mais difundido, como deixou de ser um fenómeno temporário e de curto prazo”. Se, nos anos 1990, em média 1,5 milhões de refugiados conseguiam regressar às suas casas todos os anos, atualmente isso só é possível para uma média de 385 mil pessoas.

Na opinião de Filippo Grandi, é essencial “uma atitude profundamente nova e aberta para com todos aqueles que fogem e um impulso muito mais determinado para resolver conflitos que duram anos e estão na raiz de imenso sofrimento”.

 

Santo Egídio e organizações judaicas também assinalam data

A Comunidade de Santo Egídio realizou esta quinta-feira, em Roma, uma vigília de oração pelos migrantes que morreram durante as viagens que faziam na tentativa de chegar à Europa. “Morrer de Esperança” foi o nome escolhido para este momento de homenagem e oração por todas as pessoas que pereceram desde a década de 1990 até hoje, no mar Mediterrâneo, ou por via terrestre, em fuga dos seus países de origem.

O número, estimado em 40.900, será provavelmente superior, alerta a organização católica. Só nos primeiros meses de 2020, morreram 528 migrantes (metade deles mulheres e crianças), sobretudo provenientes da Líbia, que usavam a rota do Mediterrâneo central.

A Comunidade de Santo Egídio descreve estes números como “uma tragédia da humanidade” que precisa de ser recordada, principalmente pelos milhares de pessoas que ainda hoje se encontram em centros de detenção na Líbia, “onde se torna urgente abrir os canais de evacuação humanitária”, e pelos que estão nos campos de refugiados da ilha de Lesbos, na Grécia, “onde a somar às condições desumanas veio o perigo da pandemia”.

A vigília foi presidida pelo secretário-geral da Conferência Episcopal Italiana, Stefano Russo, e contou com a presença de vários imigrantes, de diversas nacionalidades, além de familiares e amigos daqueles que perderam a vida no mar.

Ainda a propósito do Dia Mundial do Refugiado, comunidades e organizações judaicas de diversos países uniram-se numa campanha de apoio. A ação, que começou no dia 17 de junho e decorre até ao dia 26, pretende mobilizar o maior número de judeus para ajudar, de alguma forma, “as pessoas mais vulneráveis do mundo”, seja através de um donativo, de ações de consciencialização ou de voluntariado.

“Os refugiados são quem nós éramos. Eles fazem parte da nossa comunidade local e global. Quando os respeitamos e os recebemos, eles podem ajudar-nos a reparar o mundo”, pode ler-se na página oficial da campanha. “A história judaica é cheia de migração forçada. Temos a oportunidade única de ‘pagar adiantado’ e canalizar o conhecimento adquirido, ajudando refugiados judeus a apoiar outras pessoas que enfrentam desafios semelhantes. A tradição judaica convida-nos a agir.”

 

Artigos relacionados

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba

“As lideranças [das aldeias] relatam que, pelos caminhos, estão encontrando muitos corpos já em decomposição e que aconteceram massacres. As acções dos terroristas são violentas, muitas pessoas foram decapitadas, casas queimadas e derrubadas. Esta (…) é a dor de um povo. Gente que continua sem localizar seus familiares. Pessoas que tiveram suas casas queimadas. Muitas pessoas assassinadas. Fala-se de massacres e de 500 mil deslocados. Vidas e vilas destruídas.”

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Reino Unido: Líderes católicos condenam cortes na ajuda ao desenvolvimento

A hierarquia da Igreja Católica britânica condenou veementemente a decisão anunciada esta semana pelo ministro das Finanças do Reino Unido, Rishi Sunak, de reduzir a ajuda ao desenvolvimento em 2021 para 0,5% do PIB (Produto Interno Bruto) contra os habituais 0,7%, o que significa um valor de cerca de 10 mil milhões de libras (cerca de 11 mil milhões de euros), contra os 15 mil milhões de libras de anos anteriores.

Exéquias de frei Armindo Carvalho, ex-provincial dos Franciscanos

Decorreram nesta quarta-feira, no Seminário da Luz, em Lisboa, as cerimónias exequiais de frei Armindo de Jesus Ferreira Carvalho, ex-ministro provincial dos franciscanos (Ordem dos Frades Menores). A celebração foi presidida pelo patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente.

Atenção aos pobres, pedem os bispos numa nota de preparação do Natal

Num texto de duas páginas e de estilo diferente do habitual – menos formal, com menos linguagem eclesiástica –, a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) divulgou nesta terça-feira, 24, uma mensagem para o Advento, tempo de preparação para o Natal que se inicia no próximo domingo.

Um consistório virtual para os novos cardeais

O Vaticano confirmou nesta terça-feira, 24, que haverá uma plataforma em vídeo para a cerimónia de criação dos novos cardeais, no próximo sábado, para os que não possam estar em Roma fisicamente, garantindo assim as medidas de segurança devido à pandemia. Haverá no máximo 100 pessoas a participar e as visitas de cortesia e abraço da paz entre os novos cardeais ficam cancelados.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Entre margens

Valha-me o bom samaritano novidade

A idolatria da juventude leva os mais velhos a dizer coisas como “já não tenho idade para mais”. O referido palestrante ridiculariza esta desculpa. Eu vou tendo idade para fazer as coisas com mais experiência e conhecimento – e, portanto, com mais criatividade.
Aproveito ainda não ter lido a carta de Francisco Samaritanus bonus para exemplificar sentimentos e razões que podem nascer das referências e comentários nos meios de comunicação – como no 7MARGENS.

A Ilha da Verdade no Oceano da Desinformação

Quando vejo quanto tempo as pessoas dedicam aos seus ecrãs, dentro e fora de casa, mais ainda em tempo de pandemia onde andamos todos feitos zoomies, isto é, mortos-vivos de zoom em zoom, fico a pensar que não nos podemos queixar de não ter sido avisados. O que procuramos com todo este dinamismo digital? Que valor tem a conectividade permanente para uma vida plena e profunda? Sabemos ainda o que alimenta uma vida profunda?

O futuro será bom, se o presente o for

E, já agora, falando em mulheres e em livros, escrevo, também, numa altura em que me encontro a fazer um prefácio a uma antologia de textos literários de mulheres, juntamente com Ana Mafalda Leite. Eu e ela, bem como Ana Rita Santiago, ambas docentes de literaturas; a primeira em Portugal e a segunda no Brasil, temos trabalhos nos quais recenseámos a existência de mulheres escritoras em Moçambique (nascidas no país e lusodescendentes), das quais pouco se fala e escreve. Aproveito este espaço para divulgar os nomes dessas escritoras e mais adiante, neste texto, explicarei a razão da sua invocação. Colocarei em itálico, os nomes das que me consta não estarem entre nós.

Cultura e artes

Não podemos ignorar novidade

Há muitas razões que tornam este pequeno livro maior do que a sua dimensão física. A bibliografia sobre a luta antifascista é já extensa, mas este ensaio é diferente. Ao fazer a história da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos (CNSPP) nos seus cinco anos de existência (1969-1974), Edgar Silva escolhe retratar a sociedade portuguesa daquele período a partir do conceito de medo.

“Vimos do mar e da montanha”, um disco contemporâneo apresentado sábado, 28, em Lisboa

Vimos do Mar e da Montanha é o título do projecto discográfico que será apresentado neste sábado, 28 de Novembro, às 11h, na Igreja de São Tomás de Aquino (Lisboa). Com edição da Paulus Editora, o disco tem música de Alfredo Teixeira e João Andrade Nunes, e textos de José Augusto Mourão e do Missal Romano, sendo interpretado pelo Ensemble São Tomás de Aquino.

Descoberto esboço de retrato de Jesus atribuído a Leonardo da Vinci

Um equipa de investigadores italianos encontrou recentemente, numa coleção privada na região da Lombardia, o esboço de um retrato de Jesus Cristo que acreditam ser da autoria de Leonardo da Vinci. O desenho, feito a giz vermelho – técnica que era frequentemente utilizada pelo pintor renascentista – tem semelhanças com algumas das suas obras mais emblemáticas, nomeadamente “Mona Lisa” e os seus autorretratos, revelou o jornal britânico The Telegraph.

Abrir as “páginas seladas” do livro bíblico do Apocalipse em tempo de pandemia

O livro bíblico do Apocalipse (ou da Revelação) é uma profecia para tempos de crise e por isso é importante abrir agora as suas “páginas seladas”. Com esse mote, a comunidade católica da Capela do Rato propõe três sessões sobre o último dos livros da Bíblia cristã. Uma conferência de João Duarte Lourenço, uma leitura de Luís Miguel Cintra e um percurso proposto por Emília Nadal através da arte inspirada naquele texto serão as três etapas propostas para este itinerário.

Sete Partidas

Ídolo novidade

Não sei quem escreveu o livro do Levítico, e gostava de saber, para lhe deitar as culpas retroactivas do fundamentalismo que se abateu sobre vastas áreas da Europa no século XVI, e que levou simpáticos cristãos a destruir inúmeros objectos de arte sacra porque viam neles uma blasfémia.

Aquele que habita os céus sorri

estamos perto

breve comentário aos textos bíblicos lidos em comunidade | Domingo I Advento B | Lisboa, 28 de Novembro de 2020.
António Pedro Monteiro

Agenda

Parceiros

Fale connosco