Com 120 mil muçulmanos

Habitantes de Colónia passam a ouvir os muezim a chamar para a oração

| 19 Out 21

A decisão de permitir o muezim não foi consensual. Foto © Michael Gaida | Pixabay

 

A cidade alemã de Colónia tornou-se este mês a primeira das grandes cidades do país a permitir, por ora a título experimental, que o muezim de cada uma das 35 mesquitas locais possa convidar os fiéis para a oração pelos altifalantes.

A medida, que foi tomada em nome da valorização da diversidade e do tratamento equitativo das confissões religiosas, está longe de recolher o apoio de muitos cidadãos. Ainda assim, nestes primeiros dois anos de experiência, o muezim só poderá cantar o convite às sextas-feiras, dia santo muçulmano, entre as 12 e as 15 horas, durante não mais de cinco minutos e com algum controlo do volume do som.

Ainda assim, as mesquitas deverão solicitar permissão, informar antecipadamente a vizinhança e disponibilizar uma pessoa que possa responder a eventuais queixas.

“Esta medida demonstra a consolidação da presença dos muçulmanos que vivem na Alemanha há gerações”, disse um porta-voz da União Turco-Islâmica para Assuntos Religiosos, que representa o Ministério turco de Assuntos Religiosos na Alemanha, citado no jornal digital La Croix International.

Os opositores a esta prática, que se encontram também, entre a própria comunidade muçulmana, em grande medida oriunda da Turquia, colocam diferentes tipos de objeções, segundo aquele órgão de informação. Umas chamam a atenção para a “ingenuidade” da maioria que adotou a medida, outras alertam para o risco de agravamento das tensões sociais, e, por fim, não falta quem considere que se está a dar uma bofetada na oposição a Erdogan. A extrema direita do AfD (Alternativa para a Alemanha) considerou, por sua vez, que esta medida é uma cedência e “expressão de uma exigência política de poder, submissão e islamização”.

Numa cidade que não anda muito longe do 1,5 milhão de habitantes, Colónia tem cerca de 120 mil muçulmanos. Foi com a ajuda deles que foi construída a principal mesquita da urbe.

 

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This