Hagia Sophia, música de uma sublime respiração

| 15 Jul 20

Cappella Romana. Lost Voices of Hagia Sophia.

Capa do disco “Lost Voices of Hagia Sophia”.

Lost Voices of Hagia Sophia (“Vozes perdidas da Divina Sabedoria”) é um disco ideal para tempos em que nos confinamos a viver afectos e contactos de forma receosa, com uma proposta inédita: recriar digitalmente o som daquela que já foi basílica e mesquita (a partir de 1453), hoje (ainda) monumento património da humanidade e que uma decisão do actual presidente turco pretende voltar a tornar mesquita. “O ouvinte é envolvido por ondas difusas que emergem das colunatas, (…) impulsos de energia acústica da abside (…). A experiência de ouvir cantar em Hagia Sophia é quase a de o próprio edifício estar a cantar”, lê-se na apresentação do disco.

Esta é uma obra extraordinária da Cappella Romana, grupo vocal de Portland (Estados Unidos), com um caminho marcante na música bizantina. Este disco celebra a festa da Exaltação da Santa Cruz, em Constantinopla, com peças de antífonas, litanias, salmos, odes, tropários e hinos. O tropário A Tua Cruz Nós Adoramos (faixa 10 do disco) é de uma amplitude de vozes e ecos que só vem revelar a pequenez da decisão das actuais autoridades turcas. Mas essa é apenas uma das faixas que é quase injusto destacar: o disco é, todo ele, ímpar na concepção e execução celebrando, também, o próprio edifício que, quando foi construído no século VI, era o maior do mundo e um prodígio da engenharia: com espaço e acústica relacionados de forma profunda, a reverberação do som dura mais de 10 segundos.

O que se escuta é, por isso, uma “manifestação sensorial do divino”, como escreve Bissera V. Pentcheva. Seja na percepção sonora, mas também na imaginação ou na memória, para quem já ou nunca esteve na Hagia Sophia. Em grego, respirar e espírito são a mesma palavra (pneuma). Uma dupla semântica que traduz “o canto como uma forma de inspiração e vivificação”. Um disco de uma respiração sublime, que deveria servir para ajudar a tomar decisões que, em vez de dividir as pessoas, as ajudassem a criar pontes.

(Abrindo o vídeo, a lista de reprodução no YouTube inclui os 12 temas do disco; recomenda-se, no entanto, se possível, a audição em disco, que permitirá uma experiência sonora intensa.)

Lost Voices of Hagia Sophia (canto medieval bizantino cantado na acústica virtual de Hagia Sophia)
Intérpretes: Cappella Romana
Direcção: Alexander Lingas

(Versão adaptada e aumentada de um texto publicado na revista Além-Mar, de Abril 2020)

 

Artigos relacionados

Precisamos de nos ouvir (25) – Fátima Almeida: A transfiguração do Desenvolvimento

Precisamos de nos ouvir (25) – Fátima Almeida: A transfiguração do Desenvolvimento novidade

Há tempos e momentos que são mais propícios à reflexão e à interiorização, oferecendo-nos oportunidades de pensar, ou repensar, atitudes pessoais e realidades coletivas. E são estas oportunidades de refletir que, normalmente, nos abrem perspetivas de mudança, de ver novas formas de viver, de olhar novas respostas para combater injustiças, pobrezas e violações dos Direitos Humanos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Comissão Europeia reduz metas da luta contra a pobreza

A Comissão Europeia (CE) reduziu o objetivo europeu quanto ao número de cidadãos que pretende tirar da pobreza daqui até 2030: a meta são agora 15 milhões no lugar dos 20 milhões que figuravam na estratégia anterior [2010-2020]. O plano de ação relativo ao Pilar dos Direitos Sociais proposto pela CE inclui ainda a “drástica redução” do número de sem-abrigo na Europa, explicou, em entrevista à agência Lusa, publicada nesta sexta-feira, dia 5 de março, o comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit.

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Guardar o jardim do mundo novidade

Nestes tempos em que o início da Quaresma coincide com um estranho confinamento, explicado por uma pandemia que há um ano nos atinge e que vai afetar pelo segundo ano consecutivo a nossa Páscoa, importa recordar mais uma vez o que o Papa Francisco nos afirmou na encíclica Laudato Si’. Esta pandemia será ultrapassada, com mais ou menos esforço, mesmo que tenhamos de continuar a lidar com o vírus.

Arte de rua: amor e brilho no olhar

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Viagem ao Sul novidade

Hoje conto-vos acerca da nossa viagem ao Sul, na semana de Acção de Graças em pleno Novembro de 2020. Um dos aspectos interessantes de viver nos Estados Unidos é a possibilidade de, sem sair das fronteiras do país, encontrarmos de tudo um pouco: desde o inverno gélido de Washington DC aos cenários verdes e húmidos da Geórgia, passando pela secura e aridez do Mississípi.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This