Hagia Sophia, música de uma sublime respiração

| 15 Jul 20

Cappella Romana. Lost Voices of Hagia Sophia.

Capa do disco “Lost Voices of Hagia Sophia”.

Lost Voices of Hagia Sophia (“Vozes perdidas da Divina Sabedoria”) é um disco ideal para tempos em que nos confinamos a viver afectos e contactos de forma receosa, com uma proposta inédita: recriar digitalmente o som daquela que já foi basílica e mesquita (a partir de 1453), hoje (ainda) monumento património da humanidade e que uma decisão do actual presidente turco pretende voltar a tornar mesquita. “O ouvinte é envolvido por ondas difusas que emergem das colunatas, (…) impulsos de energia acústica da abside (…). A experiência de ouvir cantar em Hagia Sophia é quase a de o próprio edifício estar a cantar”, lê-se na apresentação do disco.

Esta é uma obra extraordinária da Cappella Romana, grupo vocal de Portland (Estados Unidos), com um caminho marcante na música bizantina. Este disco celebra a festa da Exaltação da Santa Cruz, em Constantinopla, com peças de antífonas, litanias, salmos, odes, tropários e hinos. O tropário A Tua Cruz Nós Adoramos (faixa 10 do disco) é de uma amplitude de vozes e ecos que só vem revelar a pequenez da decisão das actuais autoridades turcas. Mas essa é apenas uma das faixas que é quase injusto destacar: o disco é, todo ele, ímpar na concepção e execução celebrando, também, o próprio edifício que, quando foi construído no século VI, era o maior do mundo e um prodígio da engenharia: com espaço e acústica relacionados de forma profunda, a reverberação do som dura mais de 10 segundos.

O que se escuta é, por isso, uma “manifestação sensorial do divino”, como escreve Bissera V. Pentcheva. Seja na percepção sonora, mas também na imaginação ou na memória, para quem já ou nunca esteve na Hagia Sophia. Em grego, respirar e espírito são a mesma palavra (pneuma). Uma dupla semântica que traduz “o canto como uma forma de inspiração e vivificação”. Um disco de uma respiração sublime, que deveria servir para ajudar a tomar decisões que, em vez de dividir as pessoas, as ajudassem a criar pontes.

(Abrindo o vídeo, a lista de reprodução no YouTube inclui os 12 temas do disco; recomenda-se, no entanto, se possível, a audição em disco, que permitirá uma experiência sonora intensa.)

Lost Voices of Hagia Sophia (canto medieval bizantino cantado na acústica virtual de Hagia Sophia)
Intérpretes: Cappella Romana
Direcção: Alexander Lingas

(Versão adaptada e aumentada de um texto publicado na revista Além-Mar, de Abril 2020)

 

Artigos relacionados

À escuta dos leitores – um inquérito do 7M sobre o Sínodo dos bispos católicos

Editorial

À escuta dos leitores – um inquérito do 7M sobre o Sínodo dos bispos católicos novidade

Hoje, todos os leitores receberão um inquérito organizado pelo 7MARGENS como forma de auscultação de quem nos tem acompanhado nesta aventura editorial que iniciámos há dias, relacionada com o Sínodo dos Bispos que se inicia no próximo dia 9 de outubro. É a primeira vez que tomamos uma iniciativa deste género.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

A ideia de Deus novidade

Não é certo que quem nasça numa família de forte tradição religiosa esteja em melhores condições do que qualquer outra pessoa para desenvolver a componente espiritual e uma relação com o divino. Pode acontecer exatamente o inverso. Crescer com uma ideia de Deus pode levar-nos a cristalizá-la nos ritos, hábitos ou procedimentos que, a dada altura, são desajustados ou necessariamente superficiais.

Manuel Martins, um precursor da Sinodalidade novidade

Escrevo a propósito da partida deste mundo há quatro anos, que se completam hoje mesmo, dia 24, do bispo Manuel Martins. Há seres humanos que não deveriam morrer. Não por eles, mas por nós. Contrariamente ao que é vulgar dizer-se, são mesmo insubstituíveis. A propósito, evoco também a memória de um outro que nos deixou no passado dia 2 de setembro.

Jorge Sampaio, um laico cristão

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Cultura e artes

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This