Hagya Sophia de novo mesquita: o olhar de quatro muçulmanos portugueses

| 26 Jul 20

Hagya Sophia. Istambul

Mosaicos cristãos e símbolos muçulmanos na Hagya Sophia (Istambul). Foto © António José Paulino

 

Antes uma igreja que um museu, um centro de diálogo inter-religioso de excelência, ou mesmo a possibilidade de cristãos e muçulmanos poderem utilizar o espaço para rezar, mesmo que em sítios separados. Quatro muçulmanos portugueses respondem com estas possibilidades a um curto inquérito do 7MARGENS sobre o modo como olham para a reconversão de Hagya Sophia em mesquita.

A decisão, tomada pelo Presidente Erdogan, foi consumada na sexta-feira, 24 de Julho, quando milhares de pessoas se juntaram nas imediações da antiga basílica cristã e ex-museu, para acompanhar a oração, onde Erdogan esteve presente.

O propósito e a decisão foram recebidos com muitas críticas por meios cristãos (sobretudo as igrejas ortodoxas, para as quais Hagya Sophia tem a carga simbólica que São Pedro do Vaticano tem para os católicos). Mas também houve líderes muçulmanos a condenarem a decisão, enquanto outros cristãos defendiam que é melhor que o edifício seja uma mesquita que um museu.

Na mesma linha se colocam dois dos inquiridos pelo 7MARGENS: “Como crente preferiria que fosse uma igreja do que um museu”, diz Khalid Jamal, comentador do programa E Deus Criou o Mundo, da Antena1. “Uma vez que foi também uma basílica, poderia haver os dois cultos” no edifício, muçulmano e cristão.

Também Mahomed Yiossuf Mohamed Adamgy, que há quatro décadas edita a revista Al Furqán (que significa “o critério do bem e do mal”) “veria com bons olhos” quer um centro de diálogo inter-religioso, quer a possibilidade de um lugar de culto onde cristãos e muçulmanos pudessem rezar.

Já Mahomed Abed, ex-responsável do programa da Comunidade Islâmica de Lisboa (CIL) na RTP e também ex-dirigente da CIL, defende que deveria fazer-se “uma campanha de sensibilização para ser criado um centro de diálogo inter-religioso de excelência” em Hagya Sophia. Abed chama a atenção também para o carácter político da decisão de Erdogan, que considera ter “a ver com o impasse no processo de adesão da Turquia à União Europeia”.

As perguntas feitas pelo 7MARGENS e as respostas completas dos quatro inquiridos são as seguintes:

  1. Como olha para a decisão de reconverter a Hagia Sophia em mesquita?
  2. Que razões considera que devem ser trazidas ao debate?
  3. Como encara as opiniões segundo as quais ela deveria ser transformada em lugar de culto misto (cristão e muçulmano) ou um centro de diálogo inter-religioso?

 

Xeque David Munir, imã da Mesquita Central de Lisboa:
Não há “transgressão nem violência”

Xeque David Munir, imã da Mesquita Central de Lisboa

  1. Foi o tribunal turco que decidiu, mais Hagya Sophia tem uma história, que provavelmente muitas pessoas desconhecem: quando no ano 1451 o sultão Mahmet conquistou Constantinopla, comprou este espaço. Fez um acordo e há documentos escritos sobre essa compra. Depois disso é que fez do edifício uma mesquita, até Kemal Ataturk o transformar num museu.
    Erdogan disse, na sua campanha, que iria propor ao Tribunal que Hagya Sophia voltasse a ser mesquita. O tribunal, como órgão independente, deu autorização. Uma vez que o edifício foi comprado e era uma mesquita e voltou a ser o que era, penso que não há aqui nenhuma transgressão nem nenhuma violência.
  1. Muitas mesquitas foram transformadas em igrejas e catedrais, na Grécia, Bulgária, Hungria, Portugal (temos exemplos em Mértola e Tavira), em Espanha e muitos outros sítios, transformadas. O debate devia, por isso, ser muito mais amplo. A religião é uma coisa muito sensível. Temos de ter muita cautela, para perceber se isto pode beneficiar ou não a sociedade.
  2. Cada país é soberano e as pessoas têm o direito de opinar. Se os turcos achasse que poderia ser um lugar misto, muito bem. Hagya Sophia é um edifício marcante e histórico. Uma vez que foi também uma basílica, poderia haver os dois cultos: de um lado os muçulmanos e, sem incomodar os cristãos, que também estes tivessem o seu espaço.

 

 
Khalid Abdool Sacoor D. Jamal, comentador do programa E Deus Criou o Mundo, da Antena1:
“Não vejo problema”

Khalid Jamal D. Jamal

  1. Ao contrário do que tem sido veiculado na imprensa, não vejo problema. Do mesmo modo que não vejo problema na conversão da outrora mesquita de Mértola numa igreja.
    Dito isto, há considerandos importantes, designadamente o imperativo de não ser destruído o património (que por exemplo ocorreu com os Budas do Afeganistão) e de haver sempre a possibilidade de visitas a todos (conforme aliás já avançado pelo Presidente Erdogan) tendo presente que o edificado é reputado como um dos baluartes da arquitectura bizantina.
    É preciso não esquecer que essa decisão cabe ao povo turco, soberano e cujo Presidente foi eleito e a decisão não brota de uma ideia do próprio, mas é legitimada pelo Conselho de Estado.
    É inevitável pensarmos também se tal pode ser consequência e o expressar uma onda de intolerância, crescente infelizmente um pouco por todo o mundo.
  2. Há vários factores que devem ser atendíveis: (i) A funcionalidade do espaço, que no meu entender deve servir a maioria – que é islâmica, daí dizer que embora compreenda a inquietação, não me oferece espanto nem resistência; (ii) O fundamento da conversão em museu pelo jovem líder de então Mustafa Kemal, que estava desejoso de “oferecê-la à humanidade” e a alegada falsificação da sua assinatura; que potenciam e sustentam o volte-face; (iii) com menos importância, a questão arquitectónica (pessoalmente vejo uma mesquita e tal suporta a decisão) e a questão do número de anos (tendo sido igreja o dobro dos anos que foi mesquita, e sendo aplicado este critério devendo manter-se como tal; (iv) a legitimidade e o poder da UNESCO em emitir pareceres ou não e em que medida é que estes são vinculativos (seja para este caso ou para o futuro).
  3. Vejo tal com muita apreensão, dado que sou um defensor acérrimo do diálogo inter-religioso mas não do sincretismo. Cristãos e muçulmanos devem orar, para uma mesma causa, mas não criando uma oração conjunta, pois tal é difícil, para não dizer impossível e isso só esvazia ambas as fés.
    Defendo pois, que o espaço deve ser usado para as orações e como crente preferiria que fosse uma igreja do que um museu.

 

Mahomed Abed, ex-responsável do programa da Comunidade Islâmica de Lisboa na RTP e ex-dirigente da CIL:
“Uma decisão política”

Mahomed Abed

  1. A basílica foi construída para ser catedral [bizantina] de Constantinopla, passou depois a catedral católica romana, depois para mesquita e finalmente, depois de reconstruída, passou a ser um museu.
    Agora é reconvertida novamente em mesquita! É uma decisão política e de afirmação de soberania do Presidente Erdogan e tem a ver com o impasse no processo de adesão da Turquia à União Europeia.
  1. O processo de adesão da Turquia à UE e a islamofobia. Ter em atenção que a Turquia é um aliado estratégico da OTAN [Organização do Tratado Atlântico Norte] devido, em parte, à sua situação geográfica. Alguns pontos para reflexão: (i) a Turquia assinou um acordo com a então Comunidade Económica Europeia em 1963; (ii) desde Abril de 1987 que há um pedido da Turquia para adesão à União Europeia [UE]; (iii) em 1995 assinou um acordo de união aduaneira com a UE; (iii) em 1999 foi reconhecida como candidato à adesão à UE e já lá vão 21 anos!
  1. Sendo um facto consumado a reconversão do museu em mesquita e tendo sido considerado Património Mundial pela UNESCO, penso que deveria haver uma campanha de sensibilização para ser criado um centro de diálogo inter-religioso de excelência.

 

Mahomed Yiossuf Mohamed Adamgy, editor da revista Al-Furqán:
“Compete aos turcos a decisão”

Mahomed Yiossuf Mohamed Adamgy

  1. Segundo informações divulgadas pelo Monitor do Oriente Médio: “Um alto tribunal turco pôs fim ao decreto de 1934 que transformou a Hagia Sophia de Istambul num museu, abrindo caminho para o seu uso novamente como mesquita, após um hiato de 85 anos”.
    O Serviço de Fundações Permanentes para Artefactos Históricos e Associação de Meio Ambiente, uma ONG de Istambul, havia apresentado uma petição ao Conselho de Estado pedindo a anulação da decisão de converter Hagia Sophia em museu depois de ter sido usada como mesquita por quase 500 anos.
    O tribunal ouviu os argumentos das partes numa audiência de 2 de julho, antes de emitir a sua decisão.
    De acordo com a decisão do tribunal, Hagia Sophia era propriedade de uma fundação criada pelo sultão otomano Mehmet II e foi apresentada à comunidade como uma mesquita.
    A decisão dizia que, na sua escritura, Hagia Sophia foi definida como uma “mesquita” e isso não pode ser legalmente alterado.
    Concluiu que não é legalmente possível usar o edifício como algo que não seja uma mesquita, como definido na escritura.
    Sob o Império Bizantino, Hagia Sophia foi usada como Igreja por 916 anos. Em 1453, depois de o Império Otomano ter conquistado Istambul, foi convertida em mesquita pelo sultão Mehmet II.
    Um tesouro incomparável da arquitetura mundial, Hagia Sophia passou por obras de restauração durante a era otomana, incluindo a adição de minaretes para a chamada à oração pelo famoso arquiteto Mimar Sinan.”
  1. Propriedade de uma fundação criada pelo sultão otomano Mehmet II, convertida em mesquita depois da tomada de Constantinopla pelos otomanos, em 1453, a mesquita foi transformada em museu em 1934 pelo fundador da República Turca secular, Mustafa Kemal Ataturk, que proibiu até o chamamento à oração. As ordens espirituais foram banidas, vestimentas religiosas foram vetadas, e até mesmo o Alcorão no próprio idioma foi proibido pelo Governo secular da Turquia daquela época. Deve-se debater se a actuação do governo de Ataturk foi legal ou ilegal?
  2. Por mim, veria com bons olhos qualquer uma dessas duas hipóteses. Mas julgo que compete ao povo turco a decisão final.

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Construir um lar que nos integre a todos

Memória do Grão-Rabi Jonathan Sacks

Construir um lar que nos integre a todos novidade

“Grão-Rabino das Congregações Hebraicas Unidas da Commonwealth (1991-2013), Sacks era escutado e admirado muito para lá das fronteiras do judaísmo. Terá para isso contribuído a sua sensibilidade humana, formação filosófica e vasta cultura.” – Um texto do padre Peter Stilwell, em memória de Jonathan Sacks

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Bairro é embaixador dos ODS

No Zambujal, vai nascer um mural para defender a gestão sustentável da água

O Bairro do Zambujal, localizado na freguesia de Alfragide (Amadora), está cada vez mais perto de se tornar “o primeiro bairro embaixador dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”. Com cinco dos seus edifícios a servir já de tela para uma série de murais que ilustram esses mesmos objetivos, prepara-se agora para receber a próxima pintura, dedicada à defesa do “ODS 6 – Água Potável e Saneamento”. Os trabalhos iniciais foram revelados nesta sexta-feira, 22 de março, data em que se assinala o Dia Mundial da Água.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Construir um lar que nos integre a todos

Memória do Grão-Rabi Jonathan Sacks

Construir um lar que nos integre a todos novidade

“Grão-Rabino das Congregações Hebraicas Unidas da Commonwealth (1991-2013), Sacks era escutado e admirado muito para lá das fronteiras do judaísmo. Terá para isso contribuído a sua sensibilidade humana, formação filosófica e vasta cultura.” – Um texto do padre Peter Stilwell, em memória de Jonathan Sacks

É notícia

Dia dos Mártires

Igreja na Índia recorda massacre de 2008

Treze anos depois da onda de violência que varreu o Estado de Orissa, na Índia, provocando mais de 100 mortos, a justiça é ainda uma miragem, denuncia a Fundação AIS. Desde 2016 que é celebrado pela Igreja em Orissa o dia dos Mártires. 

Fundação AIS

Padre haitiano morto a tiro

Um padre que dirigia um orfanato no Haiti foi morto a tiro, Andrè Sylvestre, de 70 anos de idade, foi assassinado na tarde de segunda-feira, 6 de setembro, durante uma tentativa de assalto, revelou a Fundação AIS. 

IndieLisboa

Cinema: prémio Árvore da Vida atribuído a “Sopro”

O filme “Sopro”, realizado por Pocas Pascoal, uma cineasta angolana de 58 anos, foi distinguido na segunda-feira com o prémio Árvore da Vida, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), no final da 18.ª edição do festival de cinema independente IndieLisboa. 

Entre margens

Sínodo é representativo ou participativo?

Sínodo é representativo ou participativo?

Quando Francisco, na Jornada Mundial da Juventude, clamou “todos, todos, todos” – e certamente também queria dizer “tudo, tudo, tudo” –, não estava a confinar o chamado “Sínodo dos Bispos” a uma “representatividade saloia” baseada nas estruturas – algumas não existem! – da Igreja Católica Romana. [A opinião de Joaquim Armindo]

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Celebrações e Frugalidade

Celebrações e Frugalidade

A minha empregada de há mais de 25 anos foi pela primeira vez a Roma com o marido e o neto de 8 anos, levados pelo filho que, graças aos sacrifícios dos pais, pôde fazer uma licenciatura com mestrado incorporado, passando a pertencer claramente à classe média, e subindo no ascensor social graças ao trabalho dos seus pais e à escola pública que frequentou. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Cultura e artes

Ilustrar Abril e desfilar com os cartazes

Iniciativa da Amnistia

Ilustrar Abril e desfilar com os cartazes

Cinco ilustradores foram desafiados pela Amnistia Internacional para realizarem uma oficina de cartazes relativos ao 25 de Abril, e que podem depois ser usados no desfile na Avenida da Liberdade, em Lisboa. Bina Tangerina, Catarina Sobral, João Fazenda, Marcos Martos e Susana Carvalhinhos dão o mote ao tema “Protege a Liberdade”.

Jorge Órfão: o homem que molda o metal à religião

Mirandela

Jorge Órfão: o homem que molda o metal à religião

Desde o início de abril, Jorge Órfão está integrado na Rota Saber Fazer da Terra Quente Transmontana que é uma rede de oficinas de artesãos e de produtores rurais integrada na oferta turística da região – o alojamento, a restauração e as empresas de animação turística – para criar ofertas estruturadas de turismo de experiências.

O que faz falta é ler poesia, malta!

[O papel das estórias]

O que faz falta é ler poesia, malta!

“Quem disse que Abril é um mês?” A pergunta fá-la Nuno Higino no título de um dos 25 poemas que preenchem o seu mais recente livro, abril. E a resposta que apetece dar, ao lê-los, corre o risco de soar a cliché, mas cá vai: Abril é muito mais do que um mês – Abril é poesia.

Sete Partidas

Por quem os sinos dobram

Por quem os sinos dobram

Nas férias da passagem de ano li Não Terão o Meu Ódio, o diário que Antoine Leiris escreveu nos dias que se seguiram ao ataque ao Bataclan [em Paris], onde perdeu a sua companheira. O quotidiano subitamente rasgado pela violência. As coisas simples: a hora do banho do filhinho, as papas que as mães de outras crianças do infantário preparavam para o bebé, os vestígios da existência da companheira no cheiro das coisas espalhadas pela casa, nos rituais. E em tudo, para sempre: a sua ausência. [Texto de Helena Araújo]

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This