Hagya Sophia de novo mesquita: o olhar de quatro muçulmanos portugueses

| 26 Jul 20

Hagya Sophia. Istambul

Mosaicos cristãos e símbolos muçulmanos na Hagya Sophia (Istambul). Foto © António José Paulino

 

Antes uma igreja que um museu, um centro de diálogo inter-religioso de excelência, ou mesmo a possibilidade de cristãos e muçulmanos poderem utilizar o espaço para rezar, mesmo que em sítios separados. Quatro muçulmanos portugueses respondem com estas possibilidades a um curto inquérito do 7MARGENS sobre o modo como olham para a reconversão de Hagya Sophia em mesquita.

A decisão, tomada pelo Presidente Erdogan, foi consumada na sexta-feira, 24 de Julho, quando milhares de pessoas se juntaram nas imediações da antiga basílica cristã e ex-museu, para acompanhar a oração, onde Erdogan esteve presente.

O propósito e a decisão foram recebidos com muitas críticas por meios cristãos (sobretudo as igrejas ortodoxas, para as quais Hagya Sophia tem a carga simbólica que São Pedro do Vaticano tem para os católicos). Mas também houve líderes muçulmanos a condenarem a decisão, enquanto outros cristãos defendiam que é melhor que o edifício seja uma mesquita que um museu.

Na mesma linha se colocam dois dos inquiridos pelo 7MARGENS: “Como crente preferiria que fosse uma igreja do que um museu”, diz Khalid Jamal, comentador do programa E Deus Criou o Mundo, da Antena1. “Uma vez que foi também uma basílica, poderia haver os dois cultos” no edifício, muçulmano e cristão.

Também Mahomed Yiossuf Mohamed Adamgy, que há quatro décadas edita a revista Al Furqán (que significa “o critério do bem e do mal”) “veria com bons olhos” quer um centro de diálogo inter-religioso, quer a possibilidade de um lugar de culto onde cristãos e muçulmanos pudessem rezar.

Já Mahomed Abed, ex-responsável do programa da Comunidade Islâmica de Lisboa (CIL) na RTP e também ex-dirigente da CIL, defende que deveria fazer-se “uma campanha de sensibilização para ser criado um centro de diálogo inter-religioso de excelência” em Hagya Sophia. Abed chama a atenção também para o carácter político da decisão de Erdogan, que considera ter “a ver com o impasse no processo de adesão da Turquia à União Europeia”.

As perguntas feitas pelo 7MARGENS e as respostas completas dos quatro inquiridos são as seguintes:

  1. Como olha para a decisão de reconverter a Hagia Sophia em mesquita?
  2. Que razões considera que devem ser trazidas ao debate?
  3. Como encara as opiniões segundo as quais ela deveria ser transformada em lugar de culto misto (cristão e muçulmano) ou um centro de diálogo inter-religioso?

 

Xeque David Munir, imã da Mesquita Central de Lisboa:
Não há “transgressão nem violência”

Xeque David Munir, imã da Mesquita Central de Lisboa

  1. Foi o tribunal turco que decidiu, mais Hagya Sophia tem uma história, que provavelmente muitas pessoas desconhecem: quando no ano 1451 o sultão Mahmet conquistou Constantinopla, comprou este espaço. Fez um acordo e há documentos escritos sobre essa compra. Depois disso é que fez do edifício uma mesquita, até Kemal Ataturk o transformar num museu.
    Erdogan disse, na sua campanha, que iria propor ao Tribunal que Hagya Sophia voltasse a ser mesquita. O tribunal, como órgão independente, deu autorização. Uma vez que o edifício foi comprado e era uma mesquita e voltou a ser o que era, penso que não há aqui nenhuma transgressão nem nenhuma violência.
  1. Muitas mesquitas foram transformadas em igrejas e catedrais, na Grécia, Bulgária, Hungria, Portugal (temos exemplos em Mértola e Tavira), em Espanha e muitos outros sítios, transformadas. O debate devia, por isso, ser muito mais amplo. A religião é uma coisa muito sensível. Temos de ter muita cautela, para perceber se isto pode beneficiar ou não a sociedade.
  2. Cada país é soberano e as pessoas têm o direito de opinar. Se os turcos achasse que poderia ser um lugar misto, muito bem. Hagya Sophia é um edifício marcante e histórico. Uma vez que foi também uma basílica, poderia haver os dois cultos: de um lado os muçulmanos e, sem incomodar os cristãos, que também estes tivessem o seu espaço.

 

 
Khalid Abdool Sacoor D. Jamal, comentador do programa E Deus Criou o Mundo, da Antena1:
“Não vejo problema”

Khalid Jamal D. Jamal

  1. Ao contrário do que tem sido veiculado na imprensa, não vejo problema. Do mesmo modo que não vejo problema na conversão da outrora mesquita de Mértola numa igreja.
    Dito isto, há considerandos importantes, designadamente o imperativo de não ser destruído o património (que por exemplo ocorreu com os Budas do Afeganistão) e de haver sempre a possibilidade de visitas a todos (conforme aliás já avançado pelo Presidente Erdogan) tendo presente que o edificado é reputado como um dos baluartes da arquitectura bizantina.
    É preciso não esquecer que essa decisão cabe ao povo turco, soberano e cujo Presidente foi eleito e a decisão não brota de uma ideia do próprio, mas é legitimada pelo Conselho de Estado.
    É inevitável pensarmos também se tal pode ser consequência e o expressar uma onda de intolerância, crescente infelizmente um pouco por todo o mundo.
  2. Há vários factores que devem ser atendíveis: (i) A funcionalidade do espaço, que no meu entender deve servir a maioria – que é islâmica, daí dizer que embora compreenda a inquietação, não me oferece espanto nem resistência; (ii) O fundamento da conversão em museu pelo jovem líder de então Mustafa Kemal, que estava desejoso de “oferecê-la à humanidade” e a alegada falsificação da sua assinatura; que potenciam e sustentam o volte-face; (iii) com menos importância, a questão arquitectónica (pessoalmente vejo uma mesquita e tal suporta a decisão) e a questão do número de anos (tendo sido igreja o dobro dos anos que foi mesquita, e sendo aplicado este critério devendo manter-se como tal; (iv) a legitimidade e o poder da UNESCO em emitir pareceres ou não e em que medida é que estes são vinculativos (seja para este caso ou para o futuro).
  3. Vejo tal com muita apreensão, dado que sou um defensor acérrimo do diálogo inter-religioso mas não do sincretismo. Cristãos e muçulmanos devem orar, para uma mesma causa, mas não criando uma oração conjunta, pois tal é difícil, para não dizer impossível e isso só esvazia ambas as fés.
    Defendo pois, que o espaço deve ser usado para as orações e como crente preferiria que fosse uma igreja do que um museu.

 

Mahomed Abed, ex-responsável do programa da Comunidade Islâmica de Lisboa na RTP e ex-dirigente da CIL:
“Uma decisão política”

Mahomed Abed

  1. A basílica foi construída para ser catedral [bizantina] de Constantinopla, passou depois a catedral católica romana, depois para mesquita e finalmente, depois de reconstruída, passou a ser um museu.
    Agora é reconvertida novamente em mesquita! É uma decisão política e de afirmação de soberania do Presidente Erdogan e tem a ver com o impasse no processo de adesão da Turquia à União Europeia.
  1. O processo de adesão da Turquia à UE e a islamofobia. Ter em atenção que a Turquia é um aliado estratégico da OTAN [Organização do Tratado Atlântico Norte] devido, em parte, à sua situação geográfica. Alguns pontos para reflexão: (i) a Turquia assinou um acordo com a então Comunidade Económica Europeia em 1963; (ii) desde Abril de 1987 que há um pedido da Turquia para adesão à União Europeia [UE]; (iii) em 1995 assinou um acordo de união aduaneira com a UE; (iii) em 1999 foi reconhecida como candidato à adesão à UE e já lá vão 21 anos!
  1. Sendo um facto consumado a reconversão do museu em mesquita e tendo sido considerado Património Mundial pela UNESCO, penso que deveria haver uma campanha de sensibilização para ser criado um centro de diálogo inter-religioso de excelência.

 

Mahomed Yiossuf Mohamed Adamgy, editor da revista Al-Furqán:
“Compete aos turcos a decisão”

Mahomed Yiossuf Mohamed Adamgy

  1. Segundo informações divulgadas pelo Monitor do Oriente Médio: “Um alto tribunal turco pôs fim ao decreto de 1934 que transformou a Hagia Sophia de Istambul num museu, abrindo caminho para o seu uso novamente como mesquita, após um hiato de 85 anos”.
    O Serviço de Fundações Permanentes para Artefactos Históricos e Associação de Meio Ambiente, uma ONG de Istambul, havia apresentado uma petição ao Conselho de Estado pedindo a anulação da decisão de converter Hagia Sophia em museu depois de ter sido usada como mesquita por quase 500 anos.
    O tribunal ouviu os argumentos das partes numa audiência de 2 de julho, antes de emitir a sua decisão.
    De acordo com a decisão do tribunal, Hagia Sophia era propriedade de uma fundação criada pelo sultão otomano Mehmet II e foi apresentada à comunidade como uma mesquita.
    A decisão dizia que, na sua escritura, Hagia Sophia foi definida como uma “mesquita” e isso não pode ser legalmente alterado.
    Concluiu que não é legalmente possível usar o edifício como algo que não seja uma mesquita, como definido na escritura.
    Sob o Império Bizantino, Hagia Sophia foi usada como Igreja por 916 anos. Em 1453, depois de o Império Otomano ter conquistado Istambul, foi convertida em mesquita pelo sultão Mehmet II.
    Um tesouro incomparável da arquitetura mundial, Hagia Sophia passou por obras de restauração durante a era otomana, incluindo a adição de minaretes para a chamada à oração pelo famoso arquiteto Mimar Sinan.”
  1. Propriedade de uma fundação criada pelo sultão otomano Mehmet II, convertida em mesquita depois da tomada de Constantinopla pelos otomanos, em 1453, a mesquita foi transformada em museu em 1934 pelo fundador da República Turca secular, Mustafa Kemal Ataturk, que proibiu até o chamamento à oração. As ordens espirituais foram banidas, vestimentas religiosas foram vetadas, e até mesmo o Alcorão no próprio idioma foi proibido pelo Governo secular da Turquia daquela época. Deve-se debater se a actuação do governo de Ataturk foi legal ou ilegal?
  2. Por mim, veria com bons olhos qualquer uma dessas duas hipóteses. Mas julgo que compete ao povo turco a decisão final.

 

Artigos relacionados

Abolir as armas nucleares

Abolir as armas nucleares

Dinâmicas colectivas mobilizadoras, pronunciamentos de líderes políticos, insistência nos apelos de dirigentes religiosos, são marcos que ajudam a explicar o facto de, a 7 de Julho de 2017, a Assembleia Geral da ONU ter adoptado, numa decisão histórica, o Tratado de Proibição das Armas Nucleares, votado por 122 países, com a ausência dos países detentores de armas nucleares, bem como dos membros da Aliança Atlântica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Um debate virtual sobre A Economia de Francisco novidade

Com o objectivo de dar um contributo para a reflexão sobre o encontro A Economia de Francisco, que decorreu no final de Novembro, a Capela do Rato (Lisboa) organizou um debate, que decorrerá via Zoom, “sobre as pistas e os caminhos para uma economia mais humana e mais justa”.

Semana pela Unidade dos Cristãos: Aplicação disponibiliza orações em árabe

Pela primeira vez, os cristãos de língua árabe podem acompanhar as orações e meditações bíblicas da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (que se assinala entre 18 e 25 de janeiro) no seu próprio idioma, graças à tradução assegurada pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em parceria com o Conselho de Igrejas do Médio Oriente (MECC) e a aplicação bíblica You Version – The Bible App.

Diocese espanhola vende bens patrimoniais para ajudar os pobres

O arcebispo de Valencia (Espanha), cardeal Antonio Cañizares, anunciou a criação da fundação diocesana Pauperibus, através da qual a sua diocese irá vender bens patrimoniais próprios “para aliviar as necessidades dos mais pobres e vulneráveis”, acentuadas pela pandemia de covid-19.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: 96 jesuítas cometeram abusos sexuais entre 1927 e 2020

A Companhia de Jesus identificou 81 casos de menores de idade e 37 de adultos que foram vítimas de abusos sexuais, cometidos por 96 religiosos pertencentes à ordem, em Espanha. Os abusos registaram-se em qause 100 anos, entre 1927 e 2020 e, na sua maioria, aconteceram em colégios.

Papa abre caminho à beatificação de médico que descobriu origem da Síndrome de Down

O Papa Francisco aprovou a publicação do decreto que reconhece as “virtudes heroicas” do médico francês Jérôme Lejeune (1926-1994) que, em 1958, descobriu a origem cromossómica da Síndrome de Down, anunciou esta quinta-feira, 21, o Vaticano. Fica assim aberto o caminho para a beatificação daquele que foi o primeiro presidente da Academia Pontifícia para a Vida, então nomeado pelo Papa João Paulo II.

Bispo Manuel Martins evocado nos 94 anos do seu nascimento

Naquele que seria o dia do 94º aniversário do primeiro bispo de Setúbal, D. Manuel Martins, um grupo coordenado por Eugénio Fonseca promove uma sessão de evocação e homenagem, durante a qual intervém Manuel Malheiros, da Liga Portuguesa dos Direitos Humanos/Civitas.  

Trump aprova posto de embaixador contra o antissemitismo

Antes de sair, oficialmente, da Casa Branca, o Presidente cessante dos Estados Unidos da América, Donald Trump, aprovou um projeto de lei que eleva à categoria de embaixador pleno o cargo de enviado especial para monitorizar e combater o antissemitismo.

Entre margens

Banco de Tempo, solidariedade e o legado da minha mãe novidade

Pergunto-me ainda porque vivi quatro anos em Lisboa e não conheci um vizinho meu. Vivia num prédio com elevador, diga-se. Cruzava-me com pessoas nesse lugar, mas nunca nos falávamos, um bom dia que fosse… nunca ouvi, e nunca o disse… nunca quebrei o gelo. Tive de o quebrar, agora, dez anos depois, num prédio diferente, quando precisei que um residente em Portugal assinasse uma declaração atestando que um parente meu era seu vizinho. Para se obter um Atestado de Residência, em Portugal, é imperioso que um vizinho o ateste, antes da Junta da Freguesia.

Ihor Homenyuk, morada e conterrâneos

E para que não esqueçamos como é difícil romper a espessa camada do preconceito e da sobranceria nacionalista, não apenas em relação aos trabalhadores da construção civil como Ihor Homenyuk (onde se juntam o preconceito racial com o preconceito de classe), sir Hersch Lauterpacht, o académico de renome mundial, cavaleiro da Ordem do Império Britânico, foi eleito, em 1955, juiz do Tribunal Internacional de Justiça de Haia, “apesar da oposição de alguns que o consideravam insuficientemente britânico”.

O homem que o povo alemão pedia

Porquê escrever, a pretexto de um dia em memória das vítimas do Holocausto, sobre o homem responsável pelo maior genocídio da história? Porque também hoje pululam pequenos homens cheios de ódio, incapazes de lidar com a sua insignificância pessoal, mas cujo ego descomunal estimulado por um contexto favorável os pode transformar em caudilhos de populações exasperadas pelo abandono e pelo medo.

Cultura e artes

“Menina e Moça”, os judeus sefarditas e a emanação feminina de Deus

Gritos de espanto e assombro do poeta judeu português, Samuel Usque, face à perseguição e tragédia do seu povo. Dor que transcende o Universo. Atracou em Sepharad – nome judaico dado à Península Ibérica – nos séculos II ou III, numerosa comunidade judaica que aqui se estabeleceu: artesãos, cientistas, comerciantes, escritores, filósofos, juristas, médicos, frequentadores das cortes e conselheiros de reis.

A vida, o sofrimento e Jesus

Dois autores, ambos presbíteros com profundas experiências e preocupações pastorais – Valdés é biblista argentino, Bermejo é especialista na pastoral da saúde em Espanha – oferecem em Peregrinar a Jesus um contributo notável para aprofundar as difíceis e exigentes questões relacionadas com a saúde, o sofrimento e a relação de fé.

O olhar da raposa

Infelizmente, são ainda muitos os lugares deste mundo onde a pena de morte continua a existir e a ser praticada. Sirvam de exemplo estas notícias do Público de sexta, 11 de Dezembro e Domingo 13 de Dezembro: “Trump autoriza onda de execuções como não se via há 124 anos”; “Alfred Bourgeois é o segundo executado em dois dias pela Administração Trump”; “Irão executa jornalista por inspirar protestos de 2017 contra o regime”.

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

“Na vasta obra de João Cutileiro, há uma intermitente, mas persistente, pegada de religiosidade que deixou plasmada em poemas de pedra”, escreve o padre Mário Tavares de Oliveira, cónego da diocese de Évora, num texto que evoca a arte do escultor que morreu no passado dia 5.

Palavra e Palavras

Durante as semanas de Advento li o novo livro de Valter Hugo Mãe (VHM), Contra Mim. Trata-se de um livro que revela quem é Valter Hugo Mãe. A sua leitura literalmente me encantou e fez emergir múltiplas epifanias.  Um grande livro, um grande escritor. Uma prosa lindíssima e original. Uma profunda busca de Deus.

Sete Partidas

Angela Merkel

Partilho o último discurso de Ano Novo de Angela Merkel como chanceler alemã. A princípio não gostava muito dela, e desgostei especialmente na época da crise do euro. A rejeição era tal que, há cerca de 15 anos, os meus filhos sentiram necessidade de tomar uma importante decisão pessoal: anunciaram que gostavam muito dos avós “apesar de eles votarem na Angela Merkel”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This