Hagya Sophia de novo mesquita: o olhar de quatro muçulmanos portugueses

| 26 Jul 20

Hagya Sophia. Istambul

Mosaicos cristãos e símbolos muçulmanos na Hagya Sophia (Istambul). Foto © António José Paulino

 

Antes uma igreja que um museu, um centro de diálogo inter-religioso de excelência, ou mesmo a possibilidade de cristãos e muçulmanos poderem utilizar o espaço para rezar, mesmo que em sítios separados. Quatro muçulmanos portugueses respondem com estas possibilidades a um curto inquérito do 7MARGENS sobre o modo como olham para a reconversão de Hagya Sophia em mesquita.

A decisão, tomada pelo Presidente Erdogan, foi consumada na sexta-feira, 24 de Julho, quando milhares de pessoas se juntaram nas imediações da antiga basílica cristã e ex-museu, para acompanhar a oração, onde Erdogan esteve presente.

O propósito e a decisão foram recebidos com muitas críticas por meios cristãos (sobretudo as igrejas ortodoxas, para as quais Hagya Sophia tem a carga simbólica que São Pedro do Vaticano tem para os católicos). Mas também houve líderes muçulmanos a condenarem a decisão, enquanto outros cristãos defendiam que é melhor que o edifício seja uma mesquita que um museu.

Na mesma linha se colocam dois dos inquiridos pelo 7MARGENS: “Como crente preferiria que fosse uma igreja do que um museu”, diz Khalid Jamal, comentador do programa E Deus Criou o Mundo, da Antena1. “Uma vez que foi também uma basílica, poderia haver os dois cultos” no edifício, muçulmano e cristão.

Também Mahomed Yiossuf Mohamed Adamgy, que há quatro décadas edita a revista Al Furqán (que significa “o critério do bem e do mal”) “veria com bons olhos” quer um centro de diálogo inter-religioso, quer a possibilidade de um lugar de culto onde cristãos e muçulmanos pudessem rezar.

Já Mahomed Abed, ex-responsável do programa da Comunidade Islâmica de Lisboa (CIL) na RTP e também ex-dirigente da CIL, defende que deveria fazer-se “uma campanha de sensibilização para ser criado um centro de diálogo inter-religioso de excelência” em Hagya Sophia. Abed chama a atenção também para o carácter político da decisão de Erdogan, que considera ter “a ver com o impasse no processo de adesão da Turquia à União Europeia”.

As perguntas feitas pelo 7MARGENS e as respostas completas dos quatro inquiridos são as seguintes:

  1. Como olha para a decisão de reconverter a Hagia Sophia em mesquita?
  2. Que razões considera que devem ser trazidas ao debate?
  3. Como encara as opiniões segundo as quais ela deveria ser transformada em lugar de culto misto (cristão e muçulmano) ou um centro de diálogo inter-religioso?

 

Xeque David Munir, imã da Mesquita Central de Lisboa:
Não há “transgressão nem violência”

Xeque David Munir, imã da Mesquita Central de Lisboa

  1. Foi o tribunal turco que decidiu, mais Hagya Sophia tem uma história, que provavelmente muitas pessoas desconhecem: quando no ano 1451 o sultão Mahmet conquistou Constantinopla, comprou este espaço. Fez um acordo e há documentos escritos sobre essa compra. Depois disso é que fez do edifício uma mesquita, até Kemal Ataturk o transformar num museu.
    Erdogan disse, na sua campanha, que iria propor ao Tribunal que Hagya Sophia voltasse a ser mesquita. O tribunal, como órgão independente, deu autorização. Uma vez que o edifício foi comprado e era uma mesquita e voltou a ser o que era, penso que não há aqui nenhuma transgressão nem nenhuma violência.
  1. Muitas mesquitas foram transformadas em igrejas e catedrais, na Grécia, Bulgária, Hungria, Portugal (temos exemplos em Mértola e Tavira), em Espanha e muitos outros sítios, transformadas. O debate devia, por isso, ser muito mais amplo. A religião é uma coisa muito sensível. Temos de ter muita cautela, para perceber se isto pode beneficiar ou não a sociedade.
  2. Cada país é soberano e as pessoas têm o direito de opinar. Se os turcos achasse que poderia ser um lugar misto, muito bem. Hagya Sophia é um edifício marcante e histórico. Uma vez que foi também uma basílica, poderia haver os dois cultos: de um lado os muçulmanos e, sem incomodar os cristãos, que também estes tivessem o seu espaço.

 

 
Khalid Abdool Sacoor D. Jamal, comentador do programa E Deus Criou o Mundo, da Antena1:
“Não vejo problema”

Khalid Jamal D. Jamal

  1. Ao contrário do que tem sido veiculado na imprensa, não vejo problema. Do mesmo modo que não vejo problema na conversão da outrora mesquita de Mértola numa igreja.
    Dito isto, há considerandos importantes, designadamente o imperativo de não ser destruído o património (que por exemplo ocorreu com os Budas do Afeganistão) e de haver sempre a possibilidade de visitas a todos (conforme aliás já avançado pelo Presidente Erdogan) tendo presente que o edificado é reputado como um dos baluartes da arquitectura bizantina.
    É preciso não esquecer que essa decisão cabe ao povo turco, soberano e cujo Presidente foi eleito e a decisão não brota de uma ideia do próprio, mas é legitimada pelo Conselho de Estado.
    É inevitável pensarmos também se tal pode ser consequência e o expressar uma onda de intolerância, crescente infelizmente um pouco por todo o mundo.
  2. Há vários factores que devem ser atendíveis: (i) A funcionalidade do espaço, que no meu entender deve servir a maioria – que é islâmica, daí dizer que embora compreenda a inquietação, não me oferece espanto nem resistência; (ii) O fundamento da conversão em museu pelo jovem líder de então Mustafa Kemal, que estava desejoso de “oferecê-la à humanidade” e a alegada falsificação da sua assinatura; que potenciam e sustentam o volte-face; (iii) com menos importância, a questão arquitectónica (pessoalmente vejo uma mesquita e tal suporta a decisão) e a questão do número de anos (tendo sido igreja o dobro dos anos que foi mesquita, e sendo aplicado este critério devendo manter-se como tal; (iv) a legitimidade e o poder da UNESCO em emitir pareceres ou não e em que medida é que estes são vinculativos (seja para este caso ou para o futuro).
  3. Vejo tal com muita apreensão, dado que sou um defensor acérrimo do diálogo inter-religioso mas não do sincretismo. Cristãos e muçulmanos devem orar, para uma mesma causa, mas não criando uma oração conjunta, pois tal é difícil, para não dizer impossível e isso só esvazia ambas as fés.
    Defendo pois, que o espaço deve ser usado para as orações e como crente preferiria que fosse uma igreja do que um museu.

 

Mahomed Abed, ex-responsável do programa da Comunidade Islâmica de Lisboa na RTP e ex-dirigente da CIL:
“Uma decisão política”

Mahomed Abed

  1. A basílica foi construída para ser catedral [bizantina] de Constantinopla, passou depois a catedral católica romana, depois para mesquita e finalmente, depois de reconstruída, passou a ser um museu.
    Agora é reconvertida novamente em mesquita! É uma decisão política e de afirmação de soberania do Presidente Erdogan e tem a ver com o impasse no processo de adesão da Turquia à União Europeia.
  1. O processo de adesão da Turquia à UE e a islamofobia. Ter em atenção que a Turquia é um aliado estratégico da OTAN [Organização do Tratado Atlântico Norte] devido, em parte, à sua situação geográfica. Alguns pontos para reflexão: (i) a Turquia assinou um acordo com a então Comunidade Económica Europeia em 1963; (ii) desde Abril de 1987 que há um pedido da Turquia para adesão à União Europeia [UE]; (iii) em 1995 assinou um acordo de união aduaneira com a UE; (iii) em 1999 foi reconhecida como candidato à adesão à UE e já lá vão 21 anos!
  1. Sendo um facto consumado a reconversão do museu em mesquita e tendo sido considerado Património Mundial pela UNESCO, penso que deveria haver uma campanha de sensibilização para ser criado um centro de diálogo inter-religioso de excelência.

 

Mahomed Yiossuf Mohamed Adamgy, editor da revista Al-Furqán:
“Compete aos turcos a decisão”

Mahomed Yiossuf Mohamed Adamgy

  1. Segundo informações divulgadas pelo Monitor do Oriente Médio: “Um alto tribunal turco pôs fim ao decreto de 1934 que transformou a Hagia Sophia de Istambul num museu, abrindo caminho para o seu uso novamente como mesquita, após um hiato de 85 anos”.
    O Serviço de Fundações Permanentes para Artefactos Históricos e Associação de Meio Ambiente, uma ONG de Istambul, havia apresentado uma petição ao Conselho de Estado pedindo a anulação da decisão de converter Hagia Sophia em museu depois de ter sido usada como mesquita por quase 500 anos.
    O tribunal ouviu os argumentos das partes numa audiência de 2 de julho, antes de emitir a sua decisão.
    De acordo com a decisão do tribunal, Hagia Sophia era propriedade de uma fundação criada pelo sultão otomano Mehmet II e foi apresentada à comunidade como uma mesquita.
    A decisão dizia que, na sua escritura, Hagia Sophia foi definida como uma “mesquita” e isso não pode ser legalmente alterado.
    Concluiu que não é legalmente possível usar o edifício como algo que não seja uma mesquita, como definido na escritura.
    Sob o Império Bizantino, Hagia Sophia foi usada como Igreja por 916 anos. Em 1453, depois de o Império Otomano ter conquistado Istambul, foi convertida em mesquita pelo sultão Mehmet II.
    Um tesouro incomparável da arquitetura mundial, Hagia Sophia passou por obras de restauração durante a era otomana, incluindo a adição de minaretes para a chamada à oração pelo famoso arquiteto Mimar Sinan.”
  1. Propriedade de uma fundação criada pelo sultão otomano Mehmet II, convertida em mesquita depois da tomada de Constantinopla pelos otomanos, em 1453, a mesquita foi transformada em museu em 1934 pelo fundador da República Turca secular, Mustafa Kemal Ataturk, que proibiu até o chamamento à oração. As ordens espirituais foram banidas, vestimentas religiosas foram vetadas, e até mesmo o Alcorão no próprio idioma foi proibido pelo Governo secular da Turquia daquela época. Deve-se debater se a actuação do governo de Ataturk foi legal ou ilegal?
  2. Por mim, veria com bons olhos qualquer uma dessas duas hipóteses. Mas julgo que compete ao povo turco a decisão final.

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Lev Nikolaievitch Tolstoi: só o amor dá sentido à vida

[Saborear os clássicos] (xi)

Lev Nikolaievitch Tolstoi: só o amor dá sentido à vida novidade

Lev Tolstoi nasceu numa família da alta aristocracia. É o escritor russo mais célebre. Contrastando com a eslavofilia de Dostoiévski, Tolstoi pretendeu sempre unir a Rússia à Europa, para onde viajou com frequência. No fim da vida, correspondeu-se com Gandhi, muito mais novo do que o escritor, cativado pela ideologia da não-violência.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

De presépios a vagens de baunilha, ONG propõem presentes de Natal solidários

Apoio ao desenvolvimento

De presépios a vagens de baunilha, ONG propõem presentes de Natal solidários

Há opções para todos os gostos, e para todas as carteiras também. Várias Organizações Não Governamentais (ONG) portuguesas de apoio ao desenvolvimento aproveitam a época natalícia para propor presentes solidários e, com a sua venda, angariar fundos para a sustentabilidade das suas missões. E nem precisa de sair casa para adquiri-los.

É notícia

Dia dos Mártires

Igreja na Índia recorda massacre de 2008

Treze anos depois da onda de violência que varreu o Estado de Orissa, na Índia, provocando mais de 100 mortos, a justiça é ainda uma miragem, denuncia a Fundação AIS. Desde 2016 que é celebrado pela Igreja em Orissa o dia dos Mártires. 

Fundação AIS

Padre haitiano morto a tiro

Um padre que dirigia um orfanato no Haiti foi morto a tiro, Andrè Sylvestre, de 70 anos de idade, foi assassinado na tarde de segunda-feira, 6 de setembro, durante uma tentativa de assalto, revelou a Fundação AIS. 

IndieLisboa

Cinema: prémio Árvore da Vida atribuído a “Sopro”

O filme “Sopro”, realizado por Pocas Pascoal, uma cineasta angolana de 58 anos, foi distinguido na segunda-feira com o prémio Árvore da Vida, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), no final da 18.ª edição do festival de cinema independente IndieLisboa. 

Máximo histórico

Quatro em cada dez espanhóis dizem-se ateus ou não crentes

O estudo mais recente do Centro de Investigações Sociológicas de Espanha revela que quase quatro em cada dez espanhóis (38,7%) se declaram ateus ou não crentes e são apenas 16,7% os inquiridos que se assumem como católicos praticantes. Trata-se do máximo histórico do número de não crentes e do valor mais baixo alguma vez registado em relação aos católicos praticantes. Se a tendência se mantiver, estima-se que dentro de dois anos o número de não crentes no país ultrapasse, pela primeira vez, o de crentes.

Entre margens

Desarmar-se

Desarmar-se

Sinto-me um pouco embaraçada. Perguntam-me: como correu o encontro com os meus amigos no Porto e, afinal de contas: o que é isto de “Juntos pela Europa”? O que é que 166 pessoas de 19 países diferentes, de 45 movimentos e comunidades de oito igrejas, podem fazer em conjunto, quando “os semelhantes atraem os semelhantes” e a diversidade é raramente – ou talvez nunca – uma força de coesão? E sem falar das diferentes visões geopolíticas, culturais, históricas, confessionais e, além disso: o que farão agora os russos e os ucranianos, que também estiveram presentes?

A vida por inteiro, uma ode ao amor de Deus

A vida por inteiro, uma ode ao amor de Deus

É difícil descortinar Deus na vida toda: a que nos agrada e a que não nos agrada, a que nos edifica e a que nos abate, a que entendemos e a que nos lança na escuridão. Todos os dias vivemos muitos momentos que nos atiram para tudo isso, e só não percebemos estas nuances se não as quisermos ver. É fácil encontrarmos Deus quando a vida corre bem: tudo encaixa, os nossos talentos estão à vista e vão crescendo, somos reconhecidos, acordamos com vontade para novos dias, que vão ser cheios de coisas boas, previsíveis nas suas causas e nos seus efeitos.

Cultura e artes

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

“Cheguei a pensar ser padre… não é muito diferente de ser comediante”

António Raminhos em entrevista

“Cheguei a pensar ser padre… não é muito diferente de ser comediante”

Andou na catequese, foi escuteiro, e, em plena adolescência, quis ser padre – talvez porque também nesse papel teria de falar às pessoas e cativá-las. A obrigatoriedade do celibato assustou-o. Mais tarde, o sentir que havia falta de coerência dentro da Igreja Católica também. É apaixonado pelas religiões (até gostava de fazer um programa de televisão sobre elas), mas é a figura de Jesus Cristo que verdadeiramente o inspira. Hoje, apesar de ter decidido batizar as três filhas ou de ter ido recentemente a Fátima a pé, não se revê na falta de abertura da Igreja Católica e diz-se mais cristão do que católico. Em plena digressão do seu mais recente espetáculo “Não sou eu, é a minha cabeça”, o comediante António Raminhos falou ao 7MARGENS sobre a sua relação com a fé e a forma como esta pode ajudar pessoas que, como ele, sofrem com distúrbios de ansiedade. E também de como a religião é um terreno fértil para o seu trabalho…

A “Castro” e outros clássicos do teatro para descobrir em Lisboa (e no YouTube)

Clássicos em Cena em 7ª edição

A “Castro” e outros clássicos do teatro para descobrir em Lisboa (e no YouTube)

A Castro, de António Ferreira, e outras duas peças clássicas, serão objecto de duas leituras encenadas nas próximas sexta-feira e domingo. As sessões incluem-se no programa da 7ª edição dos Clássicos em Cena, que decorre na Livraria/Galeria Sá da Costa (R. Serpa Pinto, 19, ao Chiado, em Lisboa), com entrada livre, e também no canal do Teatro Maizum no YouTube.

Festival de música sem concertos, mas com “elevações espirituais”

No Vaticano e em Roma, nos 150 anos de Perosi

Festival de música sem concertos, mas com “elevações espirituais”

A 21ª edição do Festival Internacional de Música e Arte Sacra, realiza-se, no Vaticano e em Roma, de 12 a 15 de novembro e, segundo o seu programador, Hans-Albert Courtial, presidente da Fundação Pró Música e Arte Sacra, não terá concertos, mas sim momentos de “elevação espiritual”, de acesso livre e gratuito. Obras de Lorenzo Perosi, de quem se celebram os 150 anos do nascimento, serão tocadas na abertura, já no próximo sábado.

Sete Partidas

Desobediência

Desobediência

Recentemente fui desafiada a algo que não esperava. Provavelmente deveria começar a ensinar a minha filha a prevaricar, disse-me o meu pai. Foi a palavra escolhida. O sentido era o de rebeldia, de desobediência. Eu fiquei a pensar.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This