Bispos e ONU alertam

Haiti vive “situação sem precedentes”

| 13 Jan 2023

© IOM HaitiMonica Chiriac In early 2022, the UN helped to relocate people displaced by gang Violence in Port-au-Prince, Haiti.

“Muitas pessoas, por causa das condições insuportáveis no país, são obrigadas a refugiar-se, ‘às pressas e a todo custo’, em territórios onde nem sempre são bem-vindas.” Foto © IOM Haiti / Monica Chiriac.

 

Fome, cólera, violência devastadora dos gangues, escassez de combustível, colapso económico: o Haiti vive uma “situação sem precedentes”. Os bispos católicos do país já tentaram chamar a atenção da comunidade internacional para a “extrema gravidade” dos problemas, a vice-secretária-geral da ONU, Amina Mohammed, também. Mas continua sem haver soluções à vista.

Numa mensagem citada esta sexta-feira, 13 de janeiro, pela Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), os bispos católicos dirigem-se diretamente aos gangues, “os grupos ilegitimamente armados e a quem os financia”, para que “cessem a loucura assassina do ódio e do desprezo pela vida” e “silenciem as armas, abandonem a lógica diabólica e perversa das armas!”.

Com o país em colapso, paralisado e impotente face à violência, os bispos lembram que, “ao invés da guerra fratricida” é necessário investir na reorganização das infraestruturas, nos sistemas de saúde e de educação, bem como na mudança de mentalidade. “Chegou a hora de reformar as instituições, sobretudo a Justiça; acabar com a cultura da impunidade, causa lógica da corrupção e da violência no país; assegurar um futuro melhor, no espírito de pertença a esta terra haitiana”, pode ler-se ainda na mensagem.

Os bispos alertam também para outra consequência dolorosa desta crise, a emigração. “Muitas pessoas, por causa das condições insuportáveis no país, são obrigadas a refugiar-se, ‘às pressas e a todo custo’, em territórios onde nem sempre são bem-vindas. Na vizinha República Dominicana, por exemplo, são submetidas a um tratamento indizível, que espezinha os princípios imperativos dos direitos humanos, do direito internacional humanitário e do direito dos refugiados, sobretudo do Acordo de 1999”.

 

Abusos de direitos humanos “generalizados”

Há pouco mais de duas semanas, a 21 de dezembro, era a própria vice-secretária-geral da ONU, Amina Mohammed, que apelava à comunidade internacional para apoiar os esforços da polícia e do exército no restabelecimento da segurança no país, para tornar possível a circulação de pessoas e bens e também da própria ajuda humanitária, junto das populações em maior necessidade.

Amina afirmava, numa reunião do Conselho de Segurança, que a violência tinha atingido “níveis sem precedentes”, e que “os abusos dos direitos humanos” passaram a ser “generalizados” ao longo do ano. Tal como os bispos, a responsável apontou «o dedo aos gangues armados que têm procurado “aterrorizar e subjugar as comunidades”, assinala a AIS.

Mas como chegou o Haiti a esta situação? Um artigo publicado esta quinta-feira, 12 de janeiro, no jornal britânico The Guardian, procura justificar, referindo que o país está num estado de turbulência eleitoral e constitucional desde o assassinato do presidente, Jovenel Moïse, em 2021, às mãos de mercenários colombianos com patrões desconhecidos. Mas assinala que a crise já vinha de trás.

 

4,7 milhões em situação de fome aguda

Haiti, terramoto

Destruição causada no Haiti pelo terramoto de 14 agosto 2021. Foto © ACN Portugal.

 

O Haiti não realiza eleições funcionais desde 2019, e o país está particularmente fragilizado desde o terremoto de 2010 que matou perto de 300 mil pessoas. A morte de Moïse em julho de 2021 – e um novo terremoto no mês seguinte – deixou a situação fora de controlo.

Moïse foi substituído por um presidente interino, Ariel Henry, que não foi eleito e é visto como ilegítimo. Em setembro, uma coligação de gangues bloqueou o porto principal e o terminal de combustível depois de Henry ter duplicado os preços dos combustíveis quando anunciou um corte nos subsídios aos mesmos – um desenvolvimento que elevou a crise a novos patamares.

O país está a atravessar a pior crise alimentar de todos os tempos, com 4,7 milhões de pessoas em situação de fome aguda. E só no mês passado, a ONU estima que 155 mil pessoas tenham fugido das suas casas na capital Port-au-Prince – quase uma em cada seis da população da cidade.

 

Existe saída para a crise?

O exército do país – dissolvido em 1995 após anos de interferência militar na política – foi restabelecido, mas conta com apenas 500 soldados, enquanto a polícia também parece impotente, assinala o artigo do Guardian, apontando que os dois passos mais importantes para restaurar a ordem seriam acabar com o poder dos gangues e realizar novas eleições. Mas ambos parecem perspetivas distantes.

Outra possibilidade consiste no envio de forças internacionais. Apesar de ser uma solução que não reúne consenso, a verdade é que o Canadá anunciou esta quarta-feira, 11 de janeiro, a entrega ao governo de Port-au-Prince de um conjunto de veículos blindados para ajudar a policia e o exército a combater as organizações criminosas que atuam no país.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This