Em Lisboa há cerimónia pública diária

Hannukah ou a festa das luzes do renascimento judaico

| 22 Dez 2022

Hanukkah, Hanucá, Chanucá, Judaismo

Candelabro de Hanukkah (ou Hanucá ou Chanukah) no alto do Parque Eduardo VII, em Lisboa. O acendimento das velas é diário, até dia 27. Foto © Comunidade Israelita de Lisboa.

 

Já se acenderam cinco velas (neste dia 22 foi a quinta) e ficarão ainda outras quatro para acender até dia 26, segunda-feira: enquanto se iluminam as velas do hannukiah (ou hanuquiá), o candelabro próprio para a festa de Hannukah (ou Hanucá), canta-se o Salmo 30: “Ao cair da noite, vem o pranto;/ e, ao amanhecer, volta a alegria. /Senhor, foste bom para mim e deste-me segurança;/ mas, se escondes a tua face, logo fico perturbado.”

Hannukah é uma das principais festas judaicas, celebrada entre os dias 25 do mês de Kislev e 3 de Tevet, segundo o calendário hebraico. No alto do Parque Eduardo VII, em Lisboa, uma cerimónia diária e pública (sempre às 19h) permite a qualquer pessoa interessa assistir. Em todo o mundo onde há judeus, o ritual é assinalado diariamente durante estes dias.

Conhecida como a “Festa das Luzes”, ela “celebra a sobrevivência espiritual do povo judeu”, diz Esther Mucznik, da Comunidade Israelita de Lisboa e investigadora em temas judaicos. “Ela comemora um facto histórico: a vitória do exército judaico, comandado por Judah Maccabi e pelos Macabeus, no ano de 164 a.c., contra os exércitos dos gregos selêucidas. Estes tinham entrado em Jerusalém, três anos antes e tinham profanado o Templo.”

Esta festa, que no calendário coincide também com datas próximas do Natal dos cristãos, “celebra também um milagre, que a tradição talmúdica relata: recuperado o Templo aos gregos, havia azeite para o candelabro sagrado, apenas por um dia; no entanto, a luz sagrada continuou a brilhar durante oito dias, simbolizando assim a sobrevivência espiritual judaica”.

Na bênção inicial de Hanukkah, a família judaica reza: “Ó Eterno, nosso Deus: acendemos estas velas por causa dos milagres, redenções, grandes feitos, salvações, maravilhas e consolações que fizeste para com os nossos antepassados.”

Em 165-164 a.E.C. (antes da Era Comum), Judá Macabeu liderou uma guerra de guerrilha contra a ocupação grega. A perseguição era violenta: o rei Antioco Epifânio queria helenizar a Síria e a Judeia. Proibiu a celebração do Sabat, a leitura da Bíblia e a circuncisão. Duas mulheres que tinham circuncidado foram apanhadas e atiradas pela muralha de Jerusalém. Pior ainda: o rei ordenou sacrifícios com porcos no Templo de Jerusalém, colocando nele uma estátua de Júpiter.

Quando, depois da reconquista de Jerusalém, os judeus purificaram o Templo, conta-se que foi encontrado um pote com azeite para acender a chama sagrada durante um dia. Mas o azeite durou oito dias. Por isso, em memória desse acontecimento, os judeus acendem anualmente (segundo o calendário lunar), em cada um dos oito dias, uma lamparina ou vela do candelabro de Hanukkah (e mais uma que é acesa todos os dias).

“A mensagem essencial que se pode tirar do combate dos Macabeus é que, muito mais do que uma guerra militar, se tratava, sim, de um combate pelo espírito judaico e contra assimilação à cultura helénica”, diz Esther Mucznik.

Festa de carácter essencialmente familiar, ela inclui também a confecção de doçaria ligada à festa, como as rabanadas ou os sufganiot (bolo de farinha, açúcar e canela). À volta do hanukkiah, reza-se uma bênção, recita-se o salmo 30 e canta-se uma das muitas canções alusivas à festa (como se pode ver neste vídeo do 7MARGENS, gravado em Dezembro de 2018, numa celebração comunitária judaica em Cascais:)

 

ou ainda neste, em versão de concerto:

 

Por osmose, a festa passou a incluir também prendas para as crianças, tradição iniciada talvez por causa do Natal.

A ideia do nascimento e do renascimento – do Templo, como das pessoas – estão assim muito presentes nesta festa. “Senhor do universo, se te dignares olhar para a aflição da tua serva e te lembrares de mim, se não te esqueceres da tua serva e lhe deres um filho varão, eu o consagrarei ao Senhor, por todos os dias da sua vida”, rezava Ana (I Samuel 1, 11), a futura mãe de Samuel (cujo nome significa “Deus escutou”).

(O texto inclui alguns elementos de um artigo publicado no Religionline).

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This