Hildegarda de Bingen & livro Cânticos de Rothschild: narrar a Trindade segundo a criatividade feminina

| 8 Jun 2023

[domingo depois do Pentecostes. Santíssima Trindade ― a ― 2023]

 

[safira, são uma luz! / banha-me, luz circular ― / sem falha de aridez! © haicai e fotografia: Joaquim Félix]

[safira, são uma luz! / banha-me, luz circular ― / sem falha de aridez! © haicai e fotografia: Joaquim Félix]

 

1. Nem mais! Vou solicitar o engenho criativo das mulheres
para que narrarem o grande mistério que hoje celebramos na liturgia.
Após a ‘queima dos medos’ e as ‘inaugurações’ pelo Pentecostes,
a solenidade da Santíssima Trindade reabre-nos, na nona semana,
para dar continuidade ao tempo comum, este ‘magnum continuum’,
aparentemente rotineiro, sem mistérios de Cristo em foco.
Vivemos, e bem, de mistérios que se conservam em suas aberturas
e de flamas que tão-pouco abandonam as nossas cabeças.
E na semelhança de trovadas que pairam no ar
sentimos inclusive o seu rumor a fazer estremecer o pensamento.
É verdade, o mistério da Trindade resiste, até à linguagem criativa!

2. Ontem, desenvolvi o tema da Liturgia e da sua casa a construir,
numa conferência promovida pela associação portuense ‘Romã Azul’,
refletindo a partir da sua consideração como «jogo»,
desde Romano Guardini e de um artigo de Ugo Rosa.
Talvez por isso, a primeira imagem que me ocorreu, confesso-vos,
ao recordar todas as ocorrências da nomeação da Trindade,
ao longo da liturgia da missa, foi a de uma ginasta,
que, ritmicamente, ao som de uma música em ‘crescendo’,
vai associando ao seu corpo aros, e mais aros, balançando-se.
Lembrei-me ainda daquela antiga dança dos Navajos,
que é feita, também com aros, em sublime coreografia:

3. Na verdade, a liturgia abre e faz-nos saudar o corpo
com a persignação no Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
Segue-se a saudação litúrgica que, entre as indicadas pelo Missal,
pode ser trinitária, por exemplo, na formulação de S. Paulo,
que hoje ouvimos da conclusão da Segunda Epístola aos Coríntios:
«A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus
e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco» (2Cor 13,13).
Provavelmente de origem litúrgica, esta saudação ternária
― frequente nas epístolas paulinas, com ligeiras variações ―
foi adotada para as saudações litúrgicas,
inclusive para o protocolo inicial das Orações eucarísticas hispânicas
e de muitas Anáforas das liturgias cristãs orientais, e até no Precónio pascal.
Depois, no Kýrie eléison, aclamação da misericórdia de Deus,
uma a uma, as invocações são dirigidas a cada Pessoa da Trindade.
No Glória, como num hino-bouquet-de-louvores,
cantamos à Trindade, na alegria dos atributos divinos.
Depois, a Oração Coleta, hoje em particular,
recolhendo todas as nossas intenções feitas em breve silêncio,
abraça-as como uma madura gaveia de trigo ou de cevada,
com um cordão de súplica, dirigido a Deus,
entretecido desde a anamnese até à súplica do mistério a celebrar:
«Deus Pai, que revelastes aos humanos o vosso admirável mistério,
enviando ao mundo a Palavra da verdade e o Espírito da santidade,
concedei-nos que, na profissão da verdadeira fé,
reconheçamos a glória da eterna Trindade
e adoremos a Unidade na sua omnipotência» (Missal Romano, 461).
Súplica esta que se faz pela mediação cristológica,
nesta e aliás em todas as Coletas, na sua forma trinitária.

4. Após a divina Palavra, vibrante no silêncio e ‘calada’ na dupla audição,
cujas leituras foram escolhidas ex professo em função do mistério trinitário,
segue-se a Profissão de fé, segundo o Símbolo nicenoconstatinopolitano,
com os artigos para cada uma das Pessoas da Trindade.
Talvez haja expressões da sua formulação, construída em dois Concílios,
― Niceia (325 dC) e Constantinopla (381 dC) ―,
que nos pareçam desajustadas à linguagem contemporânea.
Cada palavra, porém, foi escolhida com extremoso critério,
para alimentar a unidade da fé, dirimindo questões teológicas
que estiveram na origem de várias controvérsias, de heresias mesmo,
que, além de divisões, geravam lutas acesas
e derramamento de sangue entre os cristãos.
Muitas dessas expressões ressurgem, como numa suma teológica,
no Prefácio desta solenidade, cuja linguagem ― há quem a denuncie ―
parece um ‘estribilho’ ou ‘labirinto’ para a fé à procura de entendimento.
E, por isso, não se veja muito persuadido a dar graças,
pela forma como são enunciados os motivos de louvor,
que, para serem ruminados, precisam de voz clara, calma e distinta:
«Com o Vosso Filho unigénito e o Espírito Santo,
sois um só Deus, um só Senhor;
não na singularidade de uma só pessoa, mas na trindade de uma só natureza.
Tudo quanto revelastes acerca da vossa glória,
nós o acreditamos também, sem diferença alguma,
do vosso Filho e do Espírito Santo.
Professando a nossa fé na verdadeira e sempiterna divindade,
adoramos as três Pessoas distintas,
a sua essência única e a sua igual majestade» (Missal Romano, 462).
São palavras que surgem como joias, preciosas no tempo que reúnem,
como quartzos transparentes, colhidos numa gruta ‘teológica’, não?

5. As referências à Trindade continuam por toda a Oração eucarística
e em outros gestos e eucologias, como na oração do Pai Nosso,
na Oração depois da Comunhão, nos cânticos e na Bênção final,
para concluirmos com a persignação, no mesmo sinal do início.
Quantos e quantos ‘aros’ da Trindade, se assim os podemos considerar!
Um a um, vivendo a liturgia, como corpo dançante,
não haverá Deus de alegrar-se connosco, sorrindo (cf. Prov 8, 30-31)?
Ah! mas estas palavras são duras, exclusivamente masculinas.
É verdade, parece que temos de voltar ao deserto, negociando com outros faraós,
para entender uma das finalidades do Êxodo, tão explorada por Joseph Ratzinger!
Ganharíamos imenso se tentássemos (e reconhecêssemos) outras linguagens
― não necessariamente para se obter uma paridade legal ―
que narram, pela literatura, as artes e o testemunho, a Trindade.
Eis porque ― não estou esquecido não, mas a despertar a curiosidade ―
vamos agora ao encontro da criatividade feminina para marrá-la.

Santíssima Trindade - Hildegarda de Bingen

Santíssima Trindade – Hildegarda de Bingen

 

6. Comecemos então por uma monja, Hildegarda de Bingen (1098-1179),
que no livro Scivias, na sua segunda visão, narra:
«Então eu vi uma luz brilhante,
e nesta luz, a figura de um homem da cor de uma safira,
que ardia com um fogo suave e brilhante.
E aquela luz brilhante banhou todo o fogo brilhante,
e o fogo brilhante banhou a luz brilhante;
e a luz brilhante e o fogo brilhante se derramaram sobre toda a figura humana,
de modo que os três eram uma luz em poder de potencial»
(Hildegarda de Bingen, Scivias, Liber II, visão II).
Agora contemplemos como fez a iluminura da Trindade a partir da visão:
no interior de dois círculos concêntricos, de traçado ondeante,
encontra-se uma figura humana (Cristo), num azul safira,
com as mãos elevadas em sinal de compaixão.
O traçado circular, em claro movimento, sobrepõe-se à própria cercadura,
como a dizer-nos que a sua ação é ilimitada, sem princípio nem fim.

Santíssima Trindade in Cânticos de Rothschild f.75r

Santíssima Trindade in Cânticos de Rothschild f.75r

 

7. Talvez feitas por alguém, que em Hildegarda encontrou influência,
um século mais tarde, outra mulher ― é minha opinião ― iluminou
o livro de orações conhecido como Cânticos de Rothschild,
com 19 extraordinárias iluminuras da Santíssima Trindade.
Mas que belas iluminuras! Que imaginação e capacidade de evocação!
A plasticidade narrativa é feita de forma lúdica e íntima,
como uma «dança eterna» (Barbara Newman), de grande espontaneidade.
Para usufruir de tão grande quantidade de iluminuras,
sugiro o estudo de Barbara Newman [Barbara Newman, «Contemplating the Trinity: Text, Image, and the Origins of the Rothschild Canticles.» Gesta 52, no. 2 (September 2013): 133–59)]
cuja síntese e várias iluminuras se podem apreciar em artandtheology.
Ou, através da leitura de um outro artigo, com apresentação de iluminuras
e de meditações visuais feitas por Victoria Emily Jones:
Quem desejar aprofundar este tema, leia e contemple a obra
«A arte de apresentar o mistério trinitário:
imagem, eucologia e simbólica», da autoria de Tiago Fonseca,
editada pelo Secretariado Nacional de Liturgia,
que será brevemente apresentada na igreja da Santíssima Trindade, na Covilhã.

8. Hoje, ninguém nos pedirá que pintemos iluminuras da Trindade,
ou façamos pinturas como Graham Sutherland, Marc Chagall e Mark Rothko,
mas que sejamos capazes de traduzir, através de gestos concretos de caridade,
o amor com que Deus, por e em Jesus, continua a amar o mundo (cf. Jo 3,16-18).
Sim, para que em nossas obras de iluminante caridade
― S.to Agostinho preferia-as às representações, admitidas, todavia, nos códices ―,
incarnem as palavras que o Senhor proclamou a Moisés:
«O Senhor, o Senhor é um Deus clemente e compassivo,
sem pressa para se indignar
e cheio de misericórdia e fidelidade» (Ex 34,6).

Santíssima Trindade in Cânticos de Rothschild f. 81r

Santíssima Trindade in Cânticos de Rothschild f. 81r

 

9. Longe de ser dança egótica à volta do vitelo de ouro,
a celebração deste dia, e sempre, poderia assumir-se como dança
capaz de fazer balançar o nosso corpo e o espírito com os ‘aros’ da Trindade.
E, para concluir, nada melhor do que voltar a Hildegarda de Bingen,
com uma antífona de louvor à Santíssima Trindade:
«Louvor à Trindade,
som e vida,
criadora de todos os seres vivos.
Inconfundível louvor das angélicas turbas,
inefável esplendor dos mistérios,
que são ignorados pelos homens, é,
inexaurível fonte de vida em todos» [Flor Brilhante, (Lisboa: Assírio & Alvim, 2004), 37].
Antífona que pode ser por nós cantada, hoje preferivelmente em coro,
ou então ouvida, por exemplo, na voz de Gundula Anders:

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This