Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

| 3 Mar 21

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

O vídeo técnico, da autoria do projecto “Mãos que Cantam” e coordenado por Sérgio Peixoto, director artístico do mesmo coro, destina-se a surdos e ouvintes que queiram aprender os gestos nesta língua, explica a organização da JMJ.

O projecto “Mãos que Cantam” começou em 2010 e criou um coro de surdos com alunos da licenciatura e mestrado em língua gestual portuguesa do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica, que começou por actuar em conjunto com o Coro da Universidade. Com o objectivo de mostrar que as pessoas menos capacitadas auditivamente podem fazer parte de um coro, a iniciativa acabou por se tornar pioneira, a nível mundial, da integração de ouvintes e não ouvintes num mesmo coro.

O hino oficial da JMJ foi divulgado a 27 de Janeiro e é inspirado no tema da jornada de Lisboa (“Maria levantou-se e partiu apressadamente”). A letra é do padre João Paulo Vaz, e a música do compositor e professor Pedro Ferreira, professor e músico, ambos da diocese de Coimbra.

O vídeo em língua gestual portuguesa pode ser visto a seguir:

 

125 padres e católicos alemães assumem publicamente condição LGBTQI

Manifesto inédito em todo o mundo

125 padres e católicos alemães assumem publicamente condição LGBTQI novidade

Um total de 125 pessoas, incluindo vários padres, trabalhadores a tempo inteiro ou voluntários na Igreja Católica nos países de língua alemã, anunciam hoje a sua condição LGBTQI+. A iniciativa tem o título #OutInChurch. Por uma Igreja sem medo e acompanha, também, a emissão de um documentário televisivo. É a primeira vez na história, em todo o mundo, que um grupo de crentes se assume deste modo, colectivamente, na praça pública.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia novidade

Há tempos, numa visita a uma adega nacional conhecida, em turismo, ouvi uma curiosa explicação da nossa guia que me relembrou imediatamente da vida de fé e das questões dos tempos modernos. Dizia-nos a guia que é hábito encontrar roseiras ao redor das vinhas como salvaguarda: quando os vitivinicultores encontravam algum tipo de doença nas roseiras, algum fungo, sabiam que era hora de proteger a vinha, de a tratar, porque a doença estava próxima.

Um caderno para imprimir e usar

Sínodo 2021-23

Um caderno para imprimir e usar

Depois de ter promovido a realização de dois inquéritos sobre o sínodo católico 2021-23, o 7MARGENS decidiu reunir o conjunto de textos publicados a esse propósito num caderno que permita uma visão abrangente e uma utilização autónoma do conjunto. A partir de agora, esse caderno está disponível em ligação própria.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This