Hoje não há missa

| 27 Set 19 | Sete Partidas, Últimas

Vista da Cidade Proibida, em Pequim. Foto © Maria Ameida

 

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

 

“Hoje não há missa.” O anúncio estava a ser distribuído, dia 22 de setembro, à porta da embaixada do Canadá em Pequim, onde há cerca de nove meses encontrei uma comunidade católica – Our Lady of China Catholic Community – na qual todos os domingos há celebração da eucaristia em inglês e francês, onde um padre italiano, outro filipino e um terceiro malgaxe se revezam. Foi a primeira vez que tal não aconteceu.

À porta da embaixada, tentámos ligar as nossas VPN (Rede Particular Individual, sem a qual não temos acesso ao correio eletrónico e às demais aplicações e motores de busca que nos conectam ao mundo para além da China, para saber se tínhamos recebido alguma mensagem de aviso). Sem surpresa, as nossas VPN não funcionaram e, portanto, permanecemos sem saber o que se teria passado naquela manhã de 22 de setembro. De regresso a casa, conjecturámos sobre várias explicações: algum acontecimento na embaixada que ocupasse a sala de reuniões onde normalmente decorre a missa ou algum imprevisto com o padre designado para a celebração.

Após algumas horas, o assunto foi caindo no esquecimento até que uma possível resposta chegou. E chegou através do jornal chinês Global Times, publicado em língua inglesa, de dia 24 de setembro, sob o título “Religious groups celebrate PRC aniversary” (Grupos religiosos celebram o aniversário da República Popular da China).

No próximo dia 1 de outubro celebram-se os 70 anos da fundação da RPC, efeméride que, de acordo com os meios de comunicação oficiais, irá juntar 100 mil pessoas e 70 veículos das forças de segurança e defesa. A preparação começou em meados de setembro, com ruas cortadas, limitação no acesso à internet, além de que, nas imediações da Praça de Tiananmen, epicentro do poder político na China há 600 anos – e onde estará o Presidente Xi Jinping a assistir às celebrações com inúmeros convidados – os moradores estão sujeitos ao recolher obrigatório (a partir das 17h) e a manterem as cortinas de casa fechadas a partir dessa hora. Tudo devido aos preparativos para aquela que pretende ser a maior parada militar da história da RPC.

Família chinesa numa exposição sobre os 70 anos da República Popular da China. Foto © Maria Almeida

 

Segundo o Global Times, a Igreja também se associou a estas comemorações. O jornal dá conta de que as maiores comunidades religiosas levaram a cabo várias atividades, incluindo seminários, cerimónias de hastear a bandeira e orações pelo país. Já o China Daily, de 25 de setembro, sublinha que o Governo central tem tomado várias medidas para proteger o direito à liberdade religiosa dos seus cidadãos, salvaguardando as suas especificidades culturais – ao mesmo tempo que há uma crise humanitária em Xijiang que afecta a comunidade muçulmana.

De salientar que no domingo, 22 de setembro, se comemorou outra efeméride: um ano sobre o “acordo” entre a RPC e o Estado do Vaticano, que pretende concorrer para a unidade da comunidade católica chinesa. Até então havia a Igreja Católica reconhecida pelo regime, vulgarmente denominada de Patriótica, com 60 bispos, e a Subterrânea, com 30, fiel à Santa Sé e não aceite pelo regime. Segundo as autoridades chinesas, há atualmente cerca de 12 milhões de católicos no país e 40 mil cristãos pertencentes a outras denominações. Neste contexto de “reconciliação eclesial”, o Global Times refere que quase um milhão de católicos no país se juntaram ao içar da bandeira nacional e à oração pelos 70 anos da RPC nas igrejas.

O bispo Ma Yinglin, que preside à Conferência Episcopal da Igreja “Patriótica”, referiu que quatro mil comunidades aderiram à iniciativa. Como excepcionalmente nesse domingo não houve missa na Our Lady of China Catholic Community, também não houve hastear de bandeira nem oração pelo futuro do regime.

 

Maria Almeida reside em Pequim e dedica-se à escrita

Artigos relacionados

Editorial 7M – Um dia feliz

Editorial 7M – Um dia feliz

Hoje é dia de alegria para os católicos e para todos os homens e mulheres de boa vontade. Em São Pedro, um homem que encarna e simboliza boa parte do programa de Francisco para a Igreja Católica recebe as insígnias cardinalícias. É português, mas essa é apenas uma condição que explica a nossa amizade e não é a fonte principal da alegria que marca o dia de hoje. José Tolentino Mendonça é feito cardeal por ser poeta, homem de acolhimento e diálogo. E, claro, por ser crente.

Apoie o 7 Margens

Breves

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

A beleza num livro de aforismos de Tolentino Mendonça

Um novo livro do novo cardeal português foi ontem posto à venda. Uma Beleza Que nos Pertence é uma colecção de aforismos e citações, retirados dos seus outros livros de ensaio e crónicas, “acerca do sentido da vida, a beleza das coisas, a presença de Deus, as dúvidas e as incertezas espirituais dos nossos dias”, segundo a nota de imprensa da editora Quetzal.

Sete Partidas

Amazónia, um pulmão a proteger

 Nestas últimas semanas, a Amazónia pegou fogo nas redes sociais! “A Amazónia está a arder”! – lia-se por todo o lado, em textos acompanhados de fotos ilustrativas, algumas das quais nem tinham nada a ver com a situação, ou porque eram fotos antigas ou de outras...

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco