Homenageando o artesanato

| 8 Jun 21

“O artesanato que não é mais do que transformar a matéria-prima recorrendo a técnicas tradicionais” . Foto: Colcha da Arvore da Vida com Cavaleiros – Bordado de Castelo Branco / Wikimedia Commons

 

Os novos tempos transformaram, ainda que provisoriamente, os hábitos que muitos de nós tínhamos bem arreigados. O conceito de descanso, tantas vezes associado a férias em paragens longínquas, passou a contemplar simplesmente sair de casa e chegar-se a destinos que, apesar de próximos, não tinham ainda sido, para muitos, explorados.

A conquista de aldeias recônditas faz ou fez recentemente parte dos passeios mais frequentes e é por estes lugares que, essencialmente, se fazem descobertas improváveis. O artesanato que não é mais do que transformar a matéria-prima recorrendo a técnicas tradicionais e é algo que, por aí, sob as mais variadas expressões, podemos encontrar.

Se, por um lado, é verdade que não sucumbiu à Revolução Industrial, é também verdade que a sua rentabilidade é muito pequena e, por isso, o seu valor tem de ser muito bem compreendido.

Em pleno século XXI os artesãos e as suas obras são, diria eu, metáforas urgentes para a boa compreensão da humanidade.

Tive oportunidade de falar com alguns nos últimos meses e pude integrar que, entre outros, o seu conceito de tempo é diferente daquele do homem que corre e que, afinal, somos todos nós. A sua capacidade de adiar a gratificação é incontestável, pois demoram dias, às vezes semanas ou até meses, a fazer aquilo que, com uma maquineta mais ou menos barata e sofisticada, se faria em apenas algumas horas. A sua resistência à frustração, essencialmente por não se sentirem devidamente compreendidos nem valorizados, é tão grande que os faz sorrir a apenas algumas trocas de palavras com potenciais clientes, sem qualquer recompensa monetária.

Num dos ateliês que visitei encontrei, entre muitas outras peças, um jogo de dominó miniatura, esculpido em madeira, que era uma verdadeira obra de arte. Custava 100 euros. A tentação de o comprar foi grande, mas não pudemos deixar de refletir que era imenso dinheiro para ser colocado numa vitrina e, talvez, mal ser visto e apreciado, ficando perdido entre outras criações de lugares mais distantes e objetivamente mais vistosas.

O artista estava, então, a trabalhar num tampo de uma mesa com madeiras embutidas, manifesta e esteticamente perfeito. O pó que saía da sua criação era impressionante. Talvez viesse a causar-lhe uma doença respiratória com o passar dos anos, mas isso não parecia importar porque a paixão pela obra era decerto maior do que o medo de hipotecar a saúde.

Este artesão, como tantos outros, estava só. Tinha uma música de fundo para o acompanhar, mas a sua dedicação às peças únicas que deliberava conceber talvez o preenchesse de tal forma que não deixava lugar para devaneios infelizes próprios do (super)homem que o homem de hoje quer ser.

Cá por casa temos criado o hábito, há já muitos anos, de trazer pequenas peças de artesanato de diferentes lugares do mundo por onde passamos, não apenas agora que andamos pela vizinhança ibérica. Isso faz-nos olhar de um modo atento para o que as mãos podem fazer com poucas ajudas, mas muito talento. A cultura de um povo e a sua identidade ressoa por entre pedaços de pedra transformada, retalhos de madeira selvagem devida e livremente esculpida, restos de lixo reciclado e renascido para uma nova função.

As tradições, os afetos dedicados, a esperança de que alguma valorização seja conseguida, fazem destes homens e mulheres corajosos, seres em absoluta contracorrente. São lentos, não trabalham em série, ganham pouco dinheiro, fazem produções irrepetíveis e são pouco reconhecidos para o seu merecimento.

Então, vale a pena perguntar: se poucos valorizam, compram, reconhecem e admiram, para quê a continuidade desta expressão artística tão rica nos mais inesperados lugares do mundo e deste país que é o nosso?

Sabemos que a História se faz dos caminhos percorridos e dos passos dados quando ainda nem se percebia a direção ou o objetivo que iriam perseguir. Talvez este motivo tão maior, que mais não é do que evitar que algumas expressões se fiquem apenas por registos audiovisuais e literários, justifique a apologia da continuidade do artesanato; talvez a necessidade de o homem atual refrear o seu ritmo possa ser aprendida através deste modo de vida; talvez o valor do tempo sentido deva ser reformulado a partir de quem, podendo ir mais depressa, escolhe com clareza, continuar a existir e a exprimir-se ao ritmo permitido pela intencional falta de sofisticados artifícios.

Enfim, homenageando o artesanato, e em particular, o rico e variado artesanato português, diria como Michelle Obama: “O sucesso não tem a ver com o dinheiro que se ganha, mas com a diferença que se faz na vida das pessoas.” Também por isto, o artesanato é um ato de coragem, um grito de alma, um eco de inequívoca sobrevivência das tradições e da identidade de um povo.

 

Margarida Cordo é psicóloga clínica, psicoterapeuta e autora de vários livros sobre psicologia e psicoterapia.

 

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

Missionário em Timor

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

O padre João Felgueiras, padre jesuíta e missionário em Timor-Leste desde 1971, atravessou a época colonial portuguesa (até 1975), a ocupação indonésia (1975-1999) e os anos da independência (2002 até hoje). Completando 100 anos neste 9 de Junho (viveu 50 anos em Portugal e outros 50 em Timor-Leste), o jesuíta foi o centro de uma pequena homenagem em Díli, que incluiu a publicação de um livro com vários depoimentos. Dele se extraem vários elementos que a seguir se coligem acerca da vida deste homem e padre que, durante a ocupação indonésia, apoiou a resistência timorense e que chegou a enviar recados para os políticos portugueses (ver texto de Adelino Gomes no final).  

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Isto não é gozar com quem…?

[Segunda Leitura]

Isto não é gozar com quem…?

Ler jornais é saber mais. Vamos, então, a alguma leitura. Esta notícia, por exemplo: “Relação diz que pontapés e palmadas não são violência doméstica” (JN, 28/5/2021). O caso diz respeito a um homem que foi condenado, em primeira instância, a ano e meio de prisão e ao pagamento de uma indemnização de mil euros, por ter sido o autor destes atos de violência para com a sua companheira.

Breves

Ano de S. José em Coimbra

Dia do Ambiente assinalado com plantação de cedro do Líbano

A Paróquia de S. José, em Coimbra assinalou, no passado sábado, o Dia Mundial do Ambiente com a plantação de um Cedro do Líbano no jardim junto à igreja.  Um momento que contou com a presença de Helena Freitas, professora do Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, e de um grupo de crianças da catequese, do Grupo ASJ – Adolescentes de São José e de vários paroquianos.

Vaticano

Papa “magoado” com restos mortais de 215 crianças no Canadá

O Papa Francisco confessou-se magoado com a descoberta dos restos mortais de 215 crianças numa antiga escola católica para crianças indígenas no Canadá, pedindo respeito pelos direitos e culturas dos povos nativos. No entanto, não apresentou um pedido de desculpas, como pretendem o Governo daquele país e dirigentes de comunidades autóctones.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Protestantismo

Colóquio internacional sobre Lutero

“Lutero – 500 anos: herege e inimigo do Estado” é o título do colóquio que tem lugar às 21h00 desta terça-feira, 25 de maio, via zoom, organizado pela Sociedade Portuguesa da História do Protestantismo.

Médicos Sem Fronteiras denunciam a perda de vidas civis em Gaza

Considerando “indesculpáveis e intoleráveis os ataques aéreos israelitas feitos nos últimos dias contra a população e infraestruturas civis em Gaza”, a organização internacional médica-humanitária Médecins Sans Frontières / Médicos Sem Fronteiras (MSF) confirma que a clínica que opera em Gaza foi danificada na sequência dos bombardeamentos de domingo, 16 de Maio. Uma sala de esterilização ficou inutilizável e uma zona de espera foi destruída.

Do interior ao Médio Oriente e ao mundo, quatro jornalistas explicam como gastam a sola dos sapatos

Jornalismo com maior transparência, originalidade e com histórias contadas a partir de pessoas concretas, gastando as solas dos sapatos. Com esse ponto de partida, tendo como pano de fundo a mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que se assinalou neste domingo, 16 de Maio, o 70×7, programa da Igreja Católica na RTP2, foi este domingo ao encontro de quatro jornalistas, que procuram dar prioridade à ideia de contar histórias.

Entre margens

Moçambique

Ventos, baladas e canções do matrimónio

Tive que escrever um texto sobre Balada de Amor ao Vento, o primeiro romance da primeira romancista moçambicana, Paulina Chiziane. Folheando o livro, encontrei algumas anotações feitas, há algum tempo. Tenho o hábito de borrar nos meus livros, com os pensamentos que me ocorrem, no momento da leitura.

Futebol

A república do ludopédio

Os ingleses inventaram o ludopédio (futebol) e continuam a driblar-nos com ele. Mas isso só é possível porque persistimos em ser provincianos. Deslumbramo-nos com tudo o que vem de fora e nem sequer nos damos ao respeito.

Cultura e artes

Livro

As casas e os espaços dos primeiros cristãos novidade

Esta obra apresenta uma coletânea de textos dos quatro primeiros séculos sobre os espaços que os cristãos criaram para celebrar a sua fé, desde homilias a catequeses pascais, de cartas a escritos teológicos. O leitor é introduzido neste património literário por um amplo estudo de Isidro Lamelas.

Concerto em Lisboa

Música de Pärt e Teixeira para um tempo de confiança

Hinário para um tempo de confiança, obra musical de Alfredo Teixeira, sobre textos de frei José Augusto Mourão, e The Beatitudes (As bem-aventuranças), do estoniano Arvo Pärt, raramente interpretada em Portugal, são as duas peças que marcam o regresso do Ensemble São Tomás de Aquino à sua temporada de concertos, neste sábado, 5 de Junho, às 21h, na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino (R. Virgílio Correia, em Lisboa).

Dia Mundial dos Oceanos

“Ilhas de Plástico” no rio Minho apelam à luta ambiental

Artista idealizou como metáfora do tempo um conjunto de 24 esculturas esféricas de grande dimensão forradas com materiais de plástico, garrafas de água, tubos de diferentes cores e feitios idênticos aos utilizados na construção civil. Unidas entre si formam uma mega-instalação flutuante e ondulante, atractiva, pedagógica, capaz de provocar olhares desencontrados. No próximo dia 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos, estará fundeada no rio Minho.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco